Ciência e Fé

Ordenar Por:
  • Aquecimento Global: Uma análise não climática de uma ideologia nublada - André Roncolato
     O aquecimento global é um embuste para justificar intenções diabólicas muito maiores e ações práticas imediatas contra a família e a Igreja.

  • Superpopulação? - Angelo Agostinelli
    Crescimento populacional estaria levando à escassez, alardeiam os antinatalistas. Mas, pelo contrário, a situação atual é de abundância de recursos e alimentos, como mostram os números de nosso colaborador Angelo Agostinelli
  • Como Albert Einstein vê o Mundo? - Ronaldo Mota
    
    Desculpe-me, leitor, o texto tão despreocupado e pouco metódico. Ele é fruto de uma leitura de lazer numa tranqüila manhã de domingo. Além disso, é pouco abrangente para responder à pergunta expressa no título. Porém, são questões por demais interessantes e instigantes para serem deixadas para trás, como vagas lembranças de leituras divertidas.
     
  • Teoria da Evolução: uma mentira sesquicentenária - Fabio Vanini
    
    Neste ano de 2009, comemoram-se os 150 anos da publicação da primeira edição de “A Origem das Espécies”. Esse aniversário não mereceria nossos comentários se não tivéssemos sido provocados a fazê-los, uma vez que o aniversário de uma teoria tão remendada e em nada comprovada é tão importante quanto o aniversario de uma tartaruga
  • Algumas coisas mais sobre Galileu - Emerson Chenta
    A exaltação que se faz de Galileu atualmente excede muito os seus méritos. Típico fenômeno da sombra. Quanto mais longe o anteparo, maior a sua projeção
  • A Teoria da Evolução contra a ciência e a Fé (O conto do macaco) - Raul Leguizamon - Revista SEMPER
    
    Seguindo o conselho de Santo Tomás, de que há que rebater os sofistas com os argumentos dos próprios sofistas, o autor pulveriza a presunção darwinista citando somente autores evolucionistas. Derruba a postura da opinião evolucionista em nome da ciência; daí o atrevido e inclusivamente mal sonante título do artigo, mas que resume de modo claríssimo o seu conteúdo.
  • A ressurreição foi um fenômeno da evolução? - Orlando Fedeli
    Comentário da homilia do Sábado Santo em que o Papa Bento XVI disse que a ressurreição de Cristo foi uma mutação
  • Darwin aposentado por invalidez - Fábio Vanini
    Num recente Congresso realizado nas Ilhas Galápagos, o World Summit on Evolution, Dr. William Provine, professor de história e filosofia da ciência na Universidade de Cornell, confessara: “Nós precisamos de outra teoria da evolução”
  • Épocas obscuras? - Rogério Côrte Sassonia
    São muitas as vozes, amplificadas pelos meios modernos de propaganda, que defendem que a Igreja Católica Apostólica Romana propaga o obscurantismo e impede o desenvolvimento científico. Este artigo traz argumentos que mostram a participação fundamental da Igreja na institucionalização e organização da Universidade, instituição que tem sido, reconhecidamente, uma das criações mais fecundas do Ocidente medieval, na qual os doutores escolásticos transmitiram o amor à verdade, que precisava ser descoberta onde estivesse, e no desenvolvimento científico, onde numerosos integrantes do corpo eclesiástico deram significativas contribuições.
  • Clonagem humana: um castelo de mentiras repleto de erros e buracos fatais - Rogerio Pazetti
    Mais uma parte do castelo de falsificações científicas, sobre clonagem humana, construído pelo prestigiado cientista sul-coreano Woo-Suk Hwang, veio abaixo nos últimos dias. Desta vez, a revelação da fraude foi feita por Sung-Il Roh, um dos colaboradores de Hwang e co-autor de um artigo publicado na revista Science, em junho deste ano. Ele informou que Hwang teria “fabricado” parte dos resultados apresentados, sendo que das 11 linhagens de células-tronco embrionárias supostamente estabelecidas, NOVE seriam falsas
  • Eugenia: o pesadelo genético do século XX. Parte III: a ciência nazista - Paulo Sérgio Rodrigues Pedrosa
    Esta é uma continuação do artigo Eugenia – O Pesadelo Genético do Século XX, Parte 2 – A Cultura da Morte, que evidencia o vínculo entre as instituições de planejamento familiar e a Eugenia do começo do século XX, além de demonstrar que a Cultura da Morte começou a se implantar no mundo há quase um século atrás.
    O tema deste novo artigo tratará do pleno uso da Eugenia pelo Nazismo e suas trágicas conseqüências, de forma a compreendermos melhor esse passado tenebroso que volta a nos rondar. Um passado para cuja a reedição o mundo, adotando a “cultura da morte”, caminha a passos largos. Veremos como a Eugenia foi importada pela Alemanha dos EUA e como se mesclou com o racismo Nazista, gerando o horror do holocausto. Também veremos como fundações americanas financiaram e promoveram pesquisas eugenistas alemãs, os resultados colhidos pela Eugenia Nazista e suas aplicações no mundo moderno. Veremos também qual foi a punição para os crimes dos cientistas nazistas no pós-guerra.
  • Monstruosidade - Paulo Sérgio R. Pedrosa
    Nos corredores por vezes limpos, por vezes nem tanto, dos hospitais, ronda um monstro sedento que se alimenta do orgulho daqueles que dispõe da técnica para preservar a vida, mas que, como deuses, querem dela dispor segundo seus próprios interesses. Este monstro é chamado de Eugenia.
  • Eugenia: o pesadelo genético do século XX. Parte II: a cultura da morte - Paulo Sérgio Rodrigues Pedrosa
    Continuação do artigo Eugenia – O Pesadelo Genético do Século XX, Parte 1 – O Início, que versava sobre o início desta pseudo-ciência na Inglaterra do final do século XIX e seu desenvolvimento inicial nos Estados Unidos, onde se misturou ao ideal racista americano.
    Hoje vemos a cultura da morte ressurgir com muita força, contando com grupos políticos importantes no cenário mundial manobrando para implantar o aborto e a eutanásia à discrição dos indivíduos e por fim do estado. Neste novo artigo, investigaremos o início da difusão e da implantação desta “cultura da morte”, combatida pelo papa João Paulo II e que tem hoje um impacto terrível neste mundo paganizado em que vivemos. Veremos que, de fato, a “cultura da morte” já existe há muito tempo e que teve defensores entusiasmados dentro da comunidade científica e política da primeira metade do século vinte, tendo como desfecho violento a ciência racial Nazista (esta a ser tratada no próximo artigo).
  • Eugenia: o pesadelo genético do Século XX. Parte I: o início - Paulo Sérgio R. Pedrosa
    O que levou ao papa Pio XI a condenar, na encíclica Casti Conubii, os “fins eugênicos”, que desejavam impedir o casamento e impedir a reprodução daqueles que se supõe gerar uma prole defeituosa? Os estados pretendiam legislar sobre o direito reprodutivo das pessoas já na primeira metade do século XX? E com base em que?
    A resposta para estas perguntas podemos encontrar ao estudar a Eugenia, uma pseudo ciência filha do Darwinismo e da Genética Mendeliana, que pretendia aplicar à humanidade os mesmos princípios e práticas que os criadores de animais usam, de forma a conseguir a “melhoria genética da raça humana”.
    Tal estudo nos levará a descobrir à quais caminhos tortuosos a ciência mal utilizada e o secularismo conduzem a humanidade.
  • Teologia da "Ecologia Integral" e a defesa do "Ambiente Inteiro" - Orlando Fedeli
    A defesa do meio ambiente pode chegar a absurdos completamente contrários à doutrina católica. Neste artigo analisamos a confusa exposição da teologia da 'Ecologia Integral' e a defesa do 'Ambiente Inteiro': Deus, o universo e o homem seriam uma só realidade, viva e orgânica. É a repetição de velhos erros conhecidos: o panteísmo e a gnose.
  • As células-tronco a serviço da vida - Dom Luciano Mendes de Almeida
    O progresso no campo da biogenética merece todo incentivo e suscita, também, preocupações de cunho ético referentes à obtenção das células-tronco.
    Com efeito, a vida humana, que é fim em si mesma, deve ser respeitada sempre, desde a sua concepção até o seu término. Não é lícito e nenhuma razão pode justificar que se sacrifique uma vida humana já presente no embrião em benefício de outra.
    Compreende-se, pois, que seja necessário rejeitar, com firmeza, a produção de embriões e a utilização dos já existentes, tanto para pesquisas quanto para a eventual produção de tecidos e órgãos. Graças aos esforços da ciência, há outras formas para obter as preciosas células-tronco.
  • Alguns esclarecimentos sobre os fetos anencéfalos - Dalton Luiz de Paula Ramos
    A discussão que acontece hoje no Brasil a respeito da decisão do ministro do STF sobre os fetos anencéfalos suscitou amplo debate. A partir das indagações que me chegaram pela Internet, apresento algumas breves reflexões, sem pretender esgotar tão complexa questão, basicamente sobre dois questionamentos que me foram apresentados:
    Os fetos com diagnóstico de anencefalia já não estão mortos?
    E o sofrimento dos pais? Não é mais lógico interromper essa gestação, uma vez que mesmo que a gestação chegue ao final a sobrevida dessas crianças será breve? Dessa forma não se abreviaria o sofrimento dos pais?
  • O que defendia Galileu? - Rogério Sassonia
    Parte da resposta a esta questão, e a mais divulgada, é o sistema copernicano. Defender o sistema copernicano significava defender que a Terra não está imóvel, nem no centro do mundo, mas que se move em torno de si mesma e que o Sol é o centro do mundo, e totalmente imóvel de movimento local. Galileu defendia, entretanto, outras idéias, que, analisadas cuidadosamente, não somente revelam marcadamente seu pensamento, como mostram-se determinantes na sua condenação pelo Tribunal do Santo Ofício em 1633.
    Pietro Redondi, em seu livro Galileu Herético, mostra que o verdadeiro motivo de sua condenação foram as implicações teológicas de suas idéias a respeito da constituição da matéria.

  • Espiritismo e Evolucionismo, o encontra da falsa religião com a falsa ciência - Paulo Pedrosa
    À primeira vista pode parecer incoerente querer traçar um paralelo entre duas coisas aparentemente tão diversas como espiritismo e evolucionismo; contudo, existem pontos de contato e similaridades que não podem ser desprezadas.
  • A condenação de Galileu - Robson Nascimento
    O caso Galileu é amplamente difundido para apresentar a Igreja como inimiga da ciência. Ora, o tribunal do Santo Ofício não se ocupava de astronomia, mas de questões de ortodoxia católica. Na denúncia contra Galileu, enviada pelo Padre Grassi ao Santo Ofício, objetava-se que a incompatibilidade da filosofia do Saggiatore - livro publicado por Galileu - com a eucaristia era muito mais importante do que a questão "se a Terra se move". Podia-se ser católico e copernicano, mas não se podia ser católico sem respeitar o dogma tridentino da eucaristia. Iniciado o inquérito contra Galileu, entra em cena o Papa Urbano VIII. Para livrá-lo de uma condenação grave, o Papa ocultou as denúncias e transformou o processo-farsa em polêmica científica.
  • Os Bois-Apis do século XX - Orlando Fedeli
    Neste artigo fazemos uma crítica à Freud, um dos "Bois-Apis" do século XX. A psicanálise freudiana pretende ser puramente científica, racional e materialista. Entretanto, todo o sistema de Freud tem raízes na doutrina cabalista, uma doutrina mística, defensora do irracionalismo.
  • Budas em cacos - Orlando Fedeli
    Este decepcionado fim de século XX assiste ao desmoronamento de ídolos erguidos pelo racionalismo. Todas as gerações de nosso tempo tiveram que prostrar-se diante de três ídolos intocáveis, novos Budas inventados pela "ciência" racionalista : Marx, Darwin e Freud. Curiosamente, o êxito e o prestígio desses três pseudo-cientistas vinha do fato de terem trabalhado para a destruição tanto da Religião como também do culto do homem iniciado pelo Humanismo renascentista.
  • Mas que gente ignorante... - Orlando Fedeli
    Neste século científico, progressista e tolerante, aprendemos como teses universalmente aceitas que a Idade Média foi uma época de gente muito ignorante - é até chamada a Idade das Trevas - na qual se queimava quem não era católico e se ensinava que a Terra era plana e chata. De tanto se repetir uma mentira, os homens acabam acreditando nela como verdade. Como essa, há tantas outras mentiras sobre a Idade Média e sobre a História.