Ciência e Fé

Algumas coisas mais sobre Galileu
Emerson Chenta

Há algum tempo, durante uma aula extremamente densa e seca, em que os alunos reprimiam o sono mal dormido com pálpebras pesadas e bocejos silentes, largos e esticados, entre axiomas e demonstrações, um comentário veio como um despertador ou uma sobrevida à atenção dos alunos: “É graças a Galileu que a ciência deu um salto extraordinário. Ele inaugurou o método experimental. Pena que a Igreja era contra a Ciência e o condenou... E etc  e etc.... “ Ao que veio uma voz perdida no auditório escolhido, selecionado por um vestibular nacional, cortando o silêncio que tornara a primeira frase solene: “Galileu foi queimado”.
Parecia uma resposta à pergunta de um colega próximo.
Quanta ignorância!
Galileu jamais foi queimado. Morreu em sua cama, entre lençóis e almofadas
Procurei identificar o gênio que emitira aquela imaginária sentença de morte, atentando às orelhas, para ver qual deles a tinha maior.
Em vão! Todas do mesmo tamanho! E por quê? Naquele momento ninguém contestava a sentença. Pus-me a contestar. Burburinho. A aula devia continuar. O professor chama a atenção. Voltamos às dormidinhas disfarçadas e aos bocejos inconteníveis.
O fato acima mencionado deixava clara a falta de conhecimento histórico sobre aquele assunto, inclusive por parte dos chamados “intelectuais” ou “acadêmicos”. Um conhecimento mínimo do assunto bastaria para constatar o descabimento das acusações. Naquele momento, não se considerava a História. Era apenas a fé irracional no ‘ouvi-dizer’ que repetia tolices.
Pelo dever mínimo de justiça intelectual, ao tratar da questão, é imprescindível lembrar alguns pontos sobre a história de Galileu: seus tropeços, seus fracassos, seu lado místico, sua posição filosófica antitética à filosofia perene e finalmente seus erros teológicos, o motivo pelo qual foi condenado.
Já foram publicados no site Montfort dois artigos tratando do assunto, de maneira que esse vem como complemento. Quanto à questão da violação do dogma da Santíssima Eucaristia como conseqüência de um pensamento occamista, assim como sobre as regalias concedidas a Galileu no decorrer de seu processo, abordá-los novamente seria chover no molhado.  Vejamos alguns pontos mais que também não nos contaram.

Galileu carismático: místico metido a exegeta
 
Atualmente, quando se fala da ciência do século XVI, é muito evidente um certo tom otimista exagerado. Imagina-se que ela teve sucesso atrás de sucesso nas descobertas, e que o homem, ao confiar exclusivamente em sua inteligência e não mais na razão iluminada pela Fé, saiu das trevas da ignorância medieval. É comum considerar o binômio “Galileu e Ciência” como indissociáveis. A Igreja quando o condenava, estaria condenando a própria Ciência como um todo. Ao ouvir o nome “Galileu” a imaginação do ouvinte se desdobra para montar uma figura severa, segurando luneta e telescópio no lusco fusco de uma sala cheia de livros com régua e compasso postos sobre a mesa. Daria um belo quadro de Rembrandt!
É claro que não se deixa faltar a barba, elemento essencial à sua imaginária severidade. E ainda, se Galileu vivesse em nossos dias, dir-se-ia que ele seria da Teologia da Libertação, não só por causa da barba, mas por se lhe atribuír um espírito racionalista com todos os seus métodos e arrogâncias, desacreditando de qualquer sobrenatural ou misticismo.
Na realidade: 

Galileu falava como cientista, mas um cientista inspirado, e se punha um papel explícito de exegeta e ao de expositor de uma teologia mística: um misticismo especulativo que evocava acentos agostinianos e recorria explicitamente ao neoplatonismo de são Dionísio Areopagita, uma fonte que a nova nova teologia de são João da Cruz tornava atual.” (Pietro Redondi, Galileu Herético, Editora Schwarcz Ltda, São Paulo, 1991, p.18)
 
Em poucas palavras, Galileu dizia-se inspirado, e queria nada mais e nada menos do que se outorgar o poder das chaves para interpretar as Escrituras à luz de sua sabedoria pseudo-ciêntífica. Para ele, as chaves da interpretação da Sagrada Escritura convinham ao iluminado pela Ciência, e não ao Papa. Em sua famosa carta a Benedetto Castelli, isso pode ser constatado.
O misticismo do físico extrapolava todos os limites e vinha à tona, muitas vezes, na tentativa de explicar um fenômeno fisico ou químico.
Na primavera de 1611, Galileu levara a Roma seu telescópio e uma caixa com fragmentos de uma pedra há pouco descoberta pelos alquimistas de Bolonha. Essa pedra, ao ser transformada em cal pela ação do fogo, processo chamado calcinação, ou submetida a luz do dia, tinha a propriedade de brilhar no escuro. Atualmente sabemos que era o vulgar sulfato de bário e o fato de brilhar no escuro após a calcinação ou à exposição ao sol é bem explicado atualmente. A explicação de Galileu, longe de científica, era baseada em um profundo misticismo.
Para ele, havia um “espírito que aquece e fecunda todas as substâncias corpóreas, o qual partindo do corpo solar propaga-se com enorme velocidade pelo mundo inteiro“ (Apud. Pietro Redondi, Galileu Herético, Editora Schwarcz Ltda, São Paulo, p.19.). Falando da luz, dizia ele: 

substância espiritualíssima, sutilíssima e velocíssima que difundindo-se pelo universo penetra tudo sem resistência, aquece, vivifica e torna fecunda todas as criaturas viventes.” (Carta de Galileu a monsenhor Pietro Dini, 23 mar.1615, Opere,V, p.289). 

Baseava sua teoria da luz na metafísica exposta no livro de “De Revolutionibus” de Copérnico, e, “sob a escolta de Dionísio Areopagita, mostrava a sugestiva concordância entre esses poéticos versos do Salmo XVIII e as idéias sobre a emanação da luz celeste e terrestre que a pedra de Bolonha, a cintilação das estrelas e as manchas solares haviam lhe sugerido (...)”. (Pietro Redondi, Galileu Herético, Editora Schwarcz Ltda, São Paulo, 1991, p.18). Evidentemente tudo bem “científico”, e absolutamente não “religioso”... Já podemos imaginar agora uma outra figura de Galileu...uma figura um pouco menos severa, um tanto mais carismática... talvez com olhos esbugalhados, tagarelando palavras incompreensíves e rabiscando-as no pergaminho em uma tentativa frustrada de expressar a iluminação inefável recebida do alto. Deixemos esse prazer ao leitor...  
Para o físico iluminado, então, a teoria da luz e o heliocentrismo tinham um significado espiritual, religioso. Galileu não possuia provas naturais conclusivas para sustentar a posição copernicana. E isso era sabido entre os estudiosos da época. Por isso: 

“(...) também interlocutores científicos favoráveis a Galileu, como o padre Cristoforo Grienberger, matemático do Colégio Romano e sucessor de Clavius, haviam expressado algumas reservas, dado que nenhuma experiência ou demonstração permitia tornar “certa e segura” a verdade copernicana
.”(Pietro Redondi, Galileu Herético, Editora Schwarcz Ltda, São Paulo, 1991, p.18).
 
As provas apresentadas eram fundamentalmente baseadas em autores místicos e textos religiosos. Nasciam como consequências de princípios doutrinários. Para ele, o sol era o centro do universo, por ser fonte de um espírito que se difundia e penetrava todas as coisas, conforme foi visto.
Quando a Igreja condenava o heliocentrismo em Galileu, portanto, entre outras coisas, condenava-o enquanto portador de uma doutrina copernicana gnóstica e não enquanto científica. Enquanto hipótese astronômica, era aceitável. Por isso, foi dito por São Roberto Bellarmino:

Em terceiro lugar, eu digo que se houvesse uma demonstração verdadeira de que o Sol está no centro do Mundo e a Terra no terceiro Céu, e que o Sol não circula a Terra, mas a Terra circula o Sol, então, ter-se-ia de proceder com grande cuidado em explicar as Escrituras, na qual aparece o contrário. E diria antes que nós não as entendemos do que, o que é demonstrado é falso. Mas, eu não acreditarei que exista tal demonstração até que esta me seja mostrada
”. (Carta do Cardeal São Roberto Bellarmino ao padre Foscarini, 12 de abril de 1615. Na Internet: http://galileoandeinstein.physics.virginia.edu/lectures/gal_life.htm).
 
Galileu influenciado por um misticismo copernicano não é deslocado do contexto histórico em que vivia. A influência do hermetismo, da magia e de um certo misticismo proveniente de um mundo imagético, em todos os grandes figurões da revolução científica, é inegável. A idéia difundida pelo iluminismo e pelo positivismo de uma marcha apoteótica do saber científico atravessando as trevas da magia já está ultrapassada. 

Na defesa da centralidade do Sol, Nicolau Copérnico invoca a autoridade de Hermes Trismegisto. Por sua vez, William Gilbert se refere a Hermes e a Zoroastro, identificando a sua doutrina do magnetismo terrestre com a tese da animação universal. Francisco Bacon, por outro lado, na sua teoria das formas, é fortemente condicionado pela linguagem e pelos modelos presentes na tradição alquimista. Johanes Kepler é um profundo conhecedor do Corpus Hermeticum.(...) Tycho Brahe vê na astrologia uma aplicação legítima da sua ciência(...) Nas páginas da obra “De motu cordis de William Harvey, dedicadas à exaltação do coração como “Sol do microcosmo”, ecoam os temas da literatura solar e hermética dos séculos XV e XVI.(...)Também na concepção newtoniana do espaço como sensorium Dei foram ressaltadas influências das correntes neo-platônicas e da cabala judaica. Newton não só lia e resumia textos alquimistas, mas dedicou muitas horas da sua vida em pesquisa do tipo alquimista. ”(Rossi, Paolo. O nascimento da ciência moderna na Europa, Editora EDUSC, Bauru, SP, 2001, p.59-61)  
 
Tropeços e remendos 
 
Sobre as experiências de Galileu como físico, experiências que de fato existiram, temos algumas delas descritas detalhadamente, por exemplo, no seu “Discursos sobre as duas novas ciências”. Entre outras, temos a experiência do plano inclinado. Essas experiências sobre velocidade, aceleração, espaço, no campo da cinemática, não implicaram em nenhuma interpretação filosófica ou teológica. Por isso, constituiram um ponto pacífico com relação a Igreja, não causaram nenhum conflito. Mesmo assim, não se pode omitir a posição dos que questionaram os seus resultados, o seu método e os instrumentos utilizados. Os opositores de Galileu, baseados na precariedade dos instrumentos da época e no método utilizado, argumentaram contra os resultados obtidos. Se considerarmos que o relógio utilizado pelo ilustre físico era um “balde cheio d´água” com um orifício no fundo, pelo qual a água escoava, e que a água escoada era então pesada numa balança de precisão, e o tempo era medido pela quantidade de água escorrida, é razoável pensar em erros experimentais consideráveis. Soma-se a isso o fato de que o ramo da matemática da probabilidade, com todo seu ferramental de análise de dados e resultados, ainda não existia no século XVII. Por isso, afirmou-se: 

Que acúmulo de fontes de erro e de incerteza! É evidente que as experiências de Galileu são completamente destituídas de valor” (A.Koyré, Études d´histoire de la pensée scientifique, p.235,p.258; e Études galiléennes,p.154. Edição portuguesa: Estudos galilaicos, Publicações Dom Quixote,1986). 

O Pe. Mercenas, contemporâneo a Galileu, disse: 

”Duvido que o senhor Galileu tenha feito as experiências das quedas sobre o plano
” (Obra de 1636-37, o autor não poderia ter tido conhecimento da edição impressa dos Discursos de 1638). 

E Descartes: 

“todas as experiências de Galileu, pelo menos todas as experiências reais, conduzindo a uma medida e a um número, foram consideradas duvidosas pelos seus contemporâneos
.” (Apud. Pierre Thuiller, De Arquimedes a Einstein, Jorge Zahar Editor, Rio de Janeiro, p.123.)
 
O historiador Ronald Naylor e Thomas Seatle também expuseram suas dúvidas quanto a seriedade das experiências do físico Galileu. Refizeram a experiência do plano inclinado seguindo o método descrito por Galileu em Discursos, e chegaram a erros comprometedores. Depois de a experiência ser repetida várias vezes, concluíram que o ilustre físico havia “embelezado” alguns de seus relatos de experiências. (Cfr. Pierre Thuiller, De Arquimedes a Einstein, Jorge Zahar Editor, Rio de Janeiro, p.140-41.)
Galileu erradamente pensava que na queda dos corpos a velocidade era proporcional ao espaço percorrido. (Cfr. Pierre Thuiller, De Arquimedes a Einstein, p.125, Jorge Zahar Editor, Rio de Janeiro). Só anos mais tarde chegará à verdade.
Outro tropeço de Galileu foi identificar a rotação da terra como causa das marés. A causa do erro pôde ser localizada no fato que o físico se esquecera de que, em um mesmo dia, há duas marés. Convenhamos que faltou um pouco de observação e reflexão da parte de Galileu. Sem dúvida, a observação e a reflexão sobre o fato que há duas marés eram importantes para poder explicá-las...Extremamente importantes... E, por esquecer-se da segunda maré, Galileu acabou morrendo “afogado”...
 
Mentiras de Galileu
 
Atribui-se à Igreja falta de seriedade no estudo da natureza, e uma submissão cega ao Magistério e à doutrina dos santos padres, em detrimento do saber científico. Segundo os opositores, a Igreja não estudava a natureza tal qual ela era, e não fazia experiências para conhecer o mundo. Sem acrescentar nem subtrair, essas eram exatamente algumas das calúnias de Galileu e da Academia dos Lincei contra o Colégio Romano.
Quanto à seriedade no estudo da natureza, se considerarmos que, de acordo com Santo Alberto Magno, “A prova pelos sentidos [isto é, a indução] é a mais segura no estudo da filosofia natural, e situa-se acima da teoria sem observação (Meteoros 3, tr. 1, c. 21).”( Cf. Luis Alberto De Boni. Filosofia Medieval: texto. 2ª. ed. Porto Alegre: EDIPUCRS, 2005, p. 173); e que “A experiência, através de repetidas observações, é a melhor mestra no estudo da natureza (Sobre os animais 1. c. 19)( Cf. Luis Alberto De Boni. op. cit. p. 173); e ainda: “Compete à ciência natural não aceitar simplesmente o que foi narrado. Cabe-lhe, muito mais, a serviço da filosofia natural, buscar as causas das coisas naturais (Sobre os minerais 2, tr. 2, c. 1), fica difícil sustentar essas acusações. 
O Padre Orazio Grassi, quando disputava com Galileu sobre os cometas e metodologia científica, convidou alguns membros da Academia dos Lincei (academia da qual Galileu fazia parte) para assistirem suas experiências no Colégio Romano, mostrando seriedade e imparcialidade ao tratar da questão. (Cf. Pietro Redondi, Galileu Herético, Editora Schwarcz Ltda, São Paulo, 1991, p.50) O contrário não ocorreu. Na realidade o ódio e a falta de imparcialidade da parte dos opositores era evidente. Escrevia um membro da academia, D. Giovanni Ciampoli, protegido do Cardeal Mafeo Barberini, em uma carta dirida a Galileu:

Admirável, miraculoso, algo novo(...)uma coisa que não deixou de agradar é a vontade de atacar o Colégio Romano(...). Os jesuítas mostram-se muito ofendidos...” (Opere, XII, p.465)

Segundo Phillipe Decourt, novecentos anos antes, o Venerável Beda havia formulado uma explicação para as marés bem mais justa que a de Galileu. (Cfr Philippe Decourt, “Archives Internationales Claude Bernard” — La Véritable histoire du procès de Galilée, p. 19.)
Quanto à submissão cega ao Magistério e aos santos padres em detrimento do saber, é difícil sustentar tal posição, se considerarmos que Santo Tomás ensinava:  

Não atentes a quem disse, mas o que é dito com razão e isto, confia-o à memória.”
(Cf. Luiz Jean Lauand. Cultura e educação na Idade Média: textos do século V ao XIII. São Paulo: Ed. Martins Fontes, 1998, p. 304), e Santo Alberto: “Aceitamos dos antigos aquilo que eles afirmaram corretamente (Livro das causas 1, tr. 1, c. 1).”(Cf. Luis Alberto De Boni. op. cit. p. 172) e ainda: “Tome-se, pois, por princípio que, em questões de fé e de bons costumes, Agostinho deve ser preferido aos filósofos, caso haja idéias deferentes entre eles. Mas, em se tratando de medicina, tenho mais confiança em Galeno ou Hipócrates que em Agostinho; e se ele fala sobre ciências naturais, tomo em maior consideração a Aristóteles ou a outro especialista no assunto (II Sent. d. 13, a. 2) (Cf. Luis Alberto De Boni. op. cit. p. 173).
 
A Sombra de Galileu
 
Podemos notar que, a quatro séculos de distância, a figura de Galileu mudou muito, esquecendo-se a sua verdadeira imagem. Ao contrário da visão do real, conforme nos distanciamos dele, maior Galileu se nos apresenta. A exaltação que se faz do físico atualmente excede muito os seus méritos. Típico fenômeno da sombra. Quanto mais longe o anteparo, maior a sua projeção. 
A herança dessa sombra de ignorância ironicamente é fruto do assim chamado “Século das Luzes” com todos os seus livros e enciclopédias. “A imagem, de proveniência iluminista e positivista, de uma marcha triunfal do saber científico atravessando as trevas e as superstições da magia, hoje parece ter desaparecido definitivamente.” (Rossi, Paolo. O nascimento da ciência moderna na Europa, Editora EDUSC, Bauru, SP, 2001, p.59). E apesar de não ser possível sustentá-la, há quem prefira continuar nas trevas do engano, odiando a luz.
Eis uma das sombras que o iluminismo trouxe aos nossos dias.
Parafraseando um poeta: Dios con magnífica ironia dió a ellos, a la vez, los libros y enciclopedias y la noche…
 

    Para citar este texto:
"Algumas coisas mais sobre Galileu"
MONTFORT Associação Cultural
http://www.montfort.org.br/bra/veritas/ciencia/coisas_galileu/
Online, 27/05/2017 às 20:10:20h