Crônicas

Mensagem de Natal - 2021
Alberto Zucchi

Em sua mensagem no site Montfort no Natal de 2005 o Professor Orlando escreveu:

“No Natal, nós católicos festejamos o nascimento do Redentor, a possibilidade que a humilhação e o sofrimento de Deus conquistaram para nós: a possibilidade de ir ao céu.

E uma grande luz brilhou para os que habitavam nas sombras da morte. 

Mas hoje quem se lembra da Luz de Cristo?

Hoje, até parece que nem houve Natal. Mas a luz de Cristo é imperecível e brilhará para sempre, por mais que a fumaça de Satanás tenha penetrado até no Templo de Deus."

Diante do Presépio, que o Professor tão bem descreve nesta mensagem, não devemos nos lamuriar pelos nossos pequenos infortúnios, especialmente aqueles que sofremos neste último ano.

Pelo contrário, se Deus nos permite sofrer, é porque ele nos ama, é porque deseja que sejamos semelhantes ao seu Filho, o Verbo de Deus Encarnado, que sofreu por amor a nós desde o nascimento até a sua crucificação.

Durante a Guerra Civil da Espanha - uma guerra que os comunistas e anarquistas fizeram contra a Igreja Católica - uma fortaleza, o Alcázar de Toledo, resistiu aos ataques das tropas do governo. A resistência dos católicos foi liderada pelo Coronel Mascardó, um homem de poucas virtudes tanto naturais como sobrenaturais.

Durante setenta dias de cerco e de ataques constantes e furiosos, o quartel foi praticamente destruído pelas tropas governamentais: duas de suas torres foram explodidas por “traçoeiras” minas subterrâneas. Os que estavam dentro da fortaleza passaram por todo o tipo de provação e dificuldades. Houve muitas mortes daqueles que defendiam o quartel e também, infelizmente, houve algumas traições e deserções. O Coronel Moscardó preferiu perder o seu filho do que entregar o Alcazar. Mas, mesmo permitindo tanto sofrimento, Nossa Senhora jamais abandonou aqueles que estavam cercados e a fortaleza só não caiu devido a fatos realmente miraculosos.

Finalmente, depois de 70 dias, as tropas contrárias ao governo libertaram a fortaleza. O Coronel Mascardó colocou então o que havia sobrado de suas tropas em um pátio em ruínas para receber as tropas libertadoras que chegavam. Então o Comandante dessas tropas se dirigiu ao Coronel para que ele apresentasse o relato do que tinha se passado.

O Coronel se limitou a afirmar: “sin novedad”. Ao invés de se lamentar, o Coronel considerou que toda a luta e todo o sacrifício pelo qual tinham passado era algo corriqueiro na vida no quartel.

Nós da Montfort, em nosso hino, composto pelo professor Orlando, cantamos repetidas vezes:

O que Te resta,

o que se recusa,

dai-me em partilha,

combates e coragem,

oh meu Deus.

(...)

A mim, meu Deus,

a cruz do desprezo,

que eu fique sozinho,

no maior esquecimento,

oh meu Deus.

 

Portanto, em um ano como este, só temos a agradecer - com muita alegria, sim com uma enorme alegria, e sem lamúrias - diante do Presépio, ao Menino Jesus e a Sua Santíssima Mãe por eles terem sido tão generosos em atenderem aos nossos pedidos.

E para aqueles que nos perguntarem como estamos, respondemos:
“Sin novedad”

Desejamos a todos os nossos amigos e leitores, um Santo Natal. Que Nossa Senhora proteja a todos e que o Menino Jesus traga a todos muitas graças.

 

Alberto Luiz Zucchi

 

São Paulo, 24 de dezembro de 2021

 

    Para citar este texto:
"Mensagem de Natal - 2021"
MONTFORT Associação Cultural
http://www.montfort.org.br/bra/veritas/cronicas/natal2021224/
Online, 17/01/2022 às 07:58:57h