Últimas Notícias

Por que a peregrinação de Chartres é cada vez mais atraente
Jean-Marie Guénoi
Neste fim de semana de Pentecostes, 16.000 peregrinos deixarão o pátio da igreja Saint-Sulpice em Paris para caminhar até Beauce e sua famosa catedral. Um público recorde. No coração de uma planície na França, a coluna de peregrinos se desdobra em direção à catedral de Chartres. Charles Péguy cantou esta paisagem, "oceano de trigo", "espuma em movimento". Foi em 1912. Ele caminhava para implorar a cura de seu filho Pierre. “A estrada nacional é a nossa porta estreita”, confidenciou seguindo o Evangelho. Mais de um século depois, a atmosfera parece imutável. No horizonte, acima das espigas de trigo, os dois pináculos do edifício religioso apontam para o céu. Notre-Dame de Chartres continua sendo uma meta muito procurada.
 
Serão 16.000 católicos que caminharão neste fim de semana de Pentecostes de Paris a Chartres sob a liderança da associação Notre-Dame de Chrétienté. Presidida por um leigo, Jean de Tauriers, animada por leigos, esta organização unida a Roma afirma pertencer à “tradição” na Igreja. O que significa que ela se identifica com a missa, rezada em latim, segundo o rito do missal de 1962, antes do Concílio Vaticano II.
 
Esta nova edição da "Peregrinação a Chartres" reuniu inscrições como nunca antes, a ponto de ter recusado pessoas. Com um terço das inscrições a mais num ano, os responsáveis ​​asseguram que tiveram de tomar esta decisão tendo em conta as normas de segurança. A primeira em quatro décadas para esta peregrinação lançada em 1983 pelos católicos franceses, inspirados pela experiência da peregrinação de Czestochowa na Polônia. Desde então, a coluna de oração, como um rio calmo, continua a crescer.
 
A viagem não é um passeio no parque. Rosário na mão, estandarte ao vento, os 16.000 participantes, divididos em “capítulos” de várias dezenas de pessoas e acompanhados por 330 sacerdotes, percorreram os 97 quilómetros em apenas três dias. Ou 30 quilômetros diários, o que é muito, mesmo para caminhantes experientes. Dormem sumariamente em dois acampamentos em terrenos agrícolas arrendados para a ocasião. Entre as primeiras chegadas e os últimos peregrinos que percorrerão a esplanada da catedral de Beauce, na segunda-feira, 29 de maio, no início da tarde, tendo deixado a igreja de Saint-Sulpice em Paris na madrugada de sábado, passarão três a quatro horas… A longa fila de caminhantes se estende por quase 10 quilômetros! A estrada aberta por Péguy parece agora muito estreita.
 
Participantes com idade média de 20,5 anos
 Este escritor nacionalista, convertido, observador perspicaz e crítico da vida social e política, falecido no campo de batalha em 1914, poderia hoje colocar-se duas questões: como explicar a dinâmica desta marcha peregrina que reúne participantes com idade média de 20,5 anos, um enigma para a França secular? Segunda pergunta: por que a "sensibilidade" eclesial desta peregrinação, o mundo tradicionalista, abertamente contestado pelo Papa Francisco, mas longe de morrer, parece redobrar sua vitalidade e emergir da marginalidade a que as atuais autoridades romanas querem reduzi-lo, quando Bento XVI havia encorajado claramente o impulso tradicionalista? Segundo Odile Téqui, responsável pela comunicação da peregrinação,  “um quarto dos católicos praticantes com menos de 40 anos na França são tradicionalistas”. Esse número ainda precisa ser provado, mas nao está longe da realidade, já que a idade média dos católicos praticantesna França é de 75 anos.
 
Na véspera da partida, vamos descobrir, nas fileiras destes jovens, o que os leva a calçar as botas, enfiando um rosário no bolso. Benoît, um engenheiro de minas de 30 anos, também está envolvido na peregrinação nacional a Lourdes no verão. “O que atrai os jovens a Chartres é antes de tudo uma experiência de oração integral e forte”, explica. Rezamos com o nosso corpo. Então, é uma verdadeira vida de caridade fraterna: há muito mais diversidade do que se pensa; cantamos muito em latim, mas também há canções de Emmanuel, e todas as classes sociais estão representadas. Por fim, é uma caminhada intelectualmente rica. Tem sermões, ensinamento, a gente reza, mas a gente pensa muito, tem uma dimensão formativa.
 
Questionado se esta peregrinação não seria também uma demonstração da vitalidade, até da força, do movimento tradicionalista em França, responde com toda a franqueza: “É uma peregrinação. A única reivindicação que se pode ter é a oração! Nossa geração não vive as mesmas tensões que os mais velhos. As decisões do Papa Francisco, expressas no motu proprio Traditionis custodes, limitando o movimento tradicionalista, mergulharam-nos na incompreensão e na tristeza. Mas não somos uma ilha de radicais! Temos nosso lugar na Igreja. Basta ver que  partimos da igreja de Saint-Sulpice e terminamos na catedral de Chartres.
 
Em uma piscadinha ao Papa Francisco, muitos desses jovens usarão uma camiseta estampada com estas palavras: "Guardião da tradição", uma tradução do nome do decreto papal Traditionis custodes, fatal para os "tradis". Ela está sendo disputada na loja online de peregrinação. Osmane Caillemer, 23 anos e prestes a ser advogada, observa: “Não estamos fazendo uma peregrinação de 100 quilômetros a pé para protestar! Não estamos em espírito de contestação, não é uma postura militante, é um ato de aprofundamento pessoal e testemunho de fé. Minha geração não está mais nessa dimensão de combate. Ela é atraída pela beleza, pelo sentido do sagrado, pelo silêncio da missa tradicional. Esse recolhimento não encontramos em nenhum outro lugar, e isso atrai os jovens que assistem à missa ordinária nas paróquias. A nossa geração carece sobretudo de formação e de transmissão. Sentimo-nos plenamente na Igreja. Não há ambiguidade, a capelania da peregrinação é assegurada pela Fraternidade de São Pedro, que escolheu a fidelidade a Roma e ao Papa.
 
Louis-Marie Marcille, 23 anos, politécnico e graduado pela École des Mines, diz estar ciente de estar em minoria, mas também muito confortável na sociedade de hoje: "Nossa geração sabe que poucos de nós somos católicos e menos ainda seguiremos o rito tridentino. É uma oportunidade para perguntas e discussões entre amigos ou colegas. Fico impressionado com o fato de não haver hostilidade a esses assuntos no mundo da cultura científica com o qual entro em contato todos os dias, quando comparamos argumentos, nos explicamos, tudo em busca da verdade.”
 
Também há adultos nesta procissão, mesmo veteranos. Um deles é belga, tem 52 anos e nunca se cansa deste encontro anual que entrou na sua vida. “Vemos muito cedo e de muito longe, esta catedral, acompanha-nos pelos campos de trigo. Esta flecha atrai, é magnífica, mas o essencial está em nós, na oração”, confidencia Bernard de La Croix, que também lidera um dos “capítulos”, um grupo de peregrinos, dedicados ao Oriente e ao Ocidente: "Com sírios, libaneses, rezamos em árabe, isso surpreende!" Ele disse que ficou impressionado com a “mistura considerável” da multidão: “Não somos radicais. É o inverso de uma torre de marfim. Claro que há jovens, cheios de energia, que procuram o desafio, ou militantes experientes, mas este povo de crentes é acima de tudo simples, ele também reza com os pés. Venha ver antes de julgar. Não somos a caricatura que as pessoas querem fazer de nós!”
 
Na verdade, os tempos estão mudando. Durante as primeiras edições da peregrinação, a Igreja da França proibiu esses "tradis" de celebrar na Catedral de Chartres ou em Notre-Dame de Paris, ponto de chegada e partida. Os portões estavam fechados, trancados. Quando o Arcebispo Lefebvre ordenou bispos contra a ordem de Roma em 1988, ocorreu uma cisão no movimento tradicionalista. Alguns o seguiram na Fraternidade de São Pio X, outros permaneceram fiéis a Roma criando a Fraternidade  São Pedro. Isso também explica por que a Fraternidade São Pio X organiza desde então, e neste fim de semana como todos os anos, sua peregrinação a Chartres. Mas, na outra direção, de Chartres a Paris. Quanto à peregrinação de Pentecostes de Paris a Chartres, ela já é efetivamente reconhecida pela Igreja. No momento em que a coluna passa pela diocese de Nanterre, Dom Mathieu Rougé vem cumprimentá-la. Assim como o bispo de Chartres, Mons. Philippe Christory, da comunidade carismática de Emmanuel. Acolhe anualmente 400 peregrinações de todas as origens a Chartres. Ele caminha na manhã de domingo com esta peregrinação e preside a missa de encerramento.
 
Em Paris, o arcebispo Laurent Ulrich encarregou o padre Julien Durodié, pároco de Saint-Eugène-Sainte-Cécile, de celebrar a missa de despedida no sábado de manhã em Saint-Sulpice. Este padre clássico não vem de um ambiente tradicional. Ele observa: “Não devemos reduzir o ímpeto desta peregrinação apenas à questão da liturgia. Estes jovens têm sede de formação. Eles procuram emergir da confusão doutrinária. Se os organizadores estão maravilhados com o sucesso, é porque a peregrinação não é a de um mundo tradicional fechado em si mesmo. Não é a peregrinação do burguês católico. Longe de ideologias, atrai pessoas que redescobrem a fé católica em todos os círculos sociais. Para este pároco, que teve de aprender a celebrar segundo o rito antigo, “este mundo 'tradicional' é pouco conhecido. Ele desperta medo e há feridas em ambos os lados. Mas o diálogo nem sempre é fácil entre os sacerdotes. Achamos difícil abordar o tema da liturgia”. Quanto ao Concílio Vaticano II, ele assegura: “Não observo nenhum questionamento como tal, mas questionamentos sobre sua interpretação e sua aplicação. Esses fiéis são muito ligados à Igreja Católica, por isso não vejo risco de ruptura. Por outro lado, é o equilíbrio que é difícil de encontrar.

    Para citar este texto:
"Por que a peregrinação de Chartres é cada vez mais atraente"
MONTFORT Associação Cultural
http://www.montfort.org.br/bra/imprensa/ultimas/peregrinacao-chartres-2023/
Online, 21/04/2024 às 02:11:40h