Política e Sociedade

Considerações Sobre a Política Direitista de Jair Bolsonaro
Joaquim Pedro
Que nenhum seja enganado por uma pretensão de honestidade
(Papa Leão XIII, Humanum Genus: Sobre a Maçonaria, 1884)
 
 
 
Introdução
 
Devido à proliferação propagandista de católicos comprometidos com a eleição de Jair Bolsonaro, resolvemos dissertar sobre a questão para despojar o aclamado “modelo de honestidade” das qualidades que estão lhe atribuindo leigos e sacerdotes da Igreja Católica. De antemão, recordamos aos fervorosos eleitores da direita política que, mesmo havendo a possibilidade de escolha de um “mal menor”, não é lícito manifestar uma adesão formal, fazendo propaganda política para candidatos que professam erros gravíssimos contra os preceitos do catolicismo.
 
Em relação ao atentado sofrido pelo deputado Jair Bolsonaro, não apenas reprovamos o ato criminoso – tentativa de homicídio – como também seus fanáticos motivadores que, seguindo o histórico exemplo dos tiranos genocidas, inflamam seus adeptos orientando-os a fuzilar aqueles que consideram “bons conservadores”. Esse foi o criminoso discurso de um integrante do Partido Comunista Brasileiro (PCB), Mauro Iasi, na Universidade do Rio de Janeiro:
 
“Mas considerando que você (conservador), como afirma, é uma boa pessoa, nós estamos dispostos a oferecer a você o seguinte: um bom paredão, onde vamos colocá-lo na frente de uma boa espingarda, com uma boa bala, e vamos oferecer depois de uma boa pá, uma boa cova” (1).
 
Após essas preliminares, reforçamos que um artigo que visa analisar alguns aspectos da vida e das ideias do maior expoente conservador na atualidade, não significa, em hipótese alguma, um incentivo ou aprovação de uma tentativa de assassinato fomentado pela doutrina terrorista do comunismo. No terreno da argumentação e reflexão, queremos apenas questionar alguns inverídicos elogios de católicos ao Bolsonaro, bem como esclarecer algumas ideias desse candidato que, em nossos dias, é visto com simpatia pela “bancada” conservadora da Igreja. Atinentes a essa finalidade, precavemos nossos leitores que não haverá nessa redação qualquer intenção de influenciar votos na escolha do próximo Presidente da República.   
 
 
A falsa direita política e religiosa
 
Com o advento da crise politica que desmoralizou os partidos de esquerda, principalmente o PT de Lula e sua cúpula socialista – artífices da corrupção – ressurge, consequentemente, o fenômeno inevitável da legião de zumbis, constituída de liberais direitistas e personificados na enigmática figura do deputado Jair Bolsonaro. 
 
Nas vibrações entusiasmadas com sua candidatura à Presidência da República, avistamos os etiquetados “tradicionalistas” que, preocupados com o avanço da ideologia comunista, são empurrados como um pêndulo para os tentáculos de uma traiçoeira direita conservadora. Da mesma forma sucede no terreno religioso, quando personagens defensores de uma esotérica “Tradição”, dissimulam a erva da heresia modernista sob uma fachada de catolicismo.
 
Nesse sentido, recordamos que muitos católicos – incluindo membros da hierárquica eclesiástica – não economizam improvidentes elogios ao gnóstico e “direitista” Olavo de Carvalho. Iludidos por uma falsa aparência de ortodoxia, recorrem a esse pseudofilósofo como quem avista um oásis de puro catolicismo. Enquanto fulminam energicamente os asseclas do comunismo, silenciam covardemente ou, em alguns casos, até justificam com malabarismos os graves erros filosóficos e teológicos do astrólogo anarquista (2).
 
Essa mesma política desastrosa vislumbramos em relação à “tradicional” TFP do “imortal” Plínio Correa de Oliveira, fragmentada em duas correntes: o IPCO (Instituto Plinio Corrêa de Oliveira) e os Arautos do Evangelho, que estão sob investigação do Vaticano. Embora esteja suficientemente demonstrado, com farta documentação e testemunhos qualificados, os ensinamentos heréticos e a seita secreta do falecido “profeta” de Higienópolis, são realmente irrisórios ou quase invisíveis as manifestações públicas de advertência e condenação à religião tefepista. Além da omissão cúmplice perante uma “direita gnóstica”, existem os reconhecedores e enaltecedores de um escravo em pele de realeza, Dom Bertrand (Plínio Miguel), herdeiro de um império corrompido pela maçonaria e responsável pelo triunfo da República (3).
 
De modo idêntico os católicos também acreditaram no direitismo de Charles Maurras, fundador da condenada Ação Francesa. Absorvidos pelas seduções anfibológicas da retórica “conservadora”, engoliram imprudentemente as mentiras de um nacionalista francês, contaminado pela criminosa ideologia nazi-socialista de Adolf Hitler. Até mesmo o grande teólogo Cardeal Billot não resistiu ao pensamento maurraciano, condenado posteriormente pelo Papa Pio XI (4).
 
A ilusão por uma direita católica também se manifestou por Joseph de Maistre. Esse martinista, seguidor das teses gnósticas de Jacob Boehme, é considerado, por grupos tradicionais, grande católico e contrarrevolucionário. A seu favor evocam o escrito Du Pape, supostamente defendendo a infalibilidade Pontifícia. Mas, submetido à luz do catolicismo, descobre-se que o gnóstico francês acreditava que o Papa era infalível, não porque recebeu de Cristo esse poder, e sim por motivos nacionalistas, considerando – para de Maistre – que todo soberano, religioso ou secular, pronuncia sentenças infalíveis quando irrecorríveis (5).
 
Adotando procedimentos dissimulados e uma linguagem encharcada de sutilizas, a direita política ou religiosa consegue conquistar o consentimento dos católicos que, perante o extremismo da esquerda, só enxergam luzes nos inimigos que planejam uma ardilosa destruição.
 
Já no tempo de Cristo a direita mística-tradicionalista dos fariseus penetrou de modo mais eficaz na alma do povo judeu em relação ao materialismo esquerdista do partido dos saduceus. Por essa razão o farisaísmo gnóstico-judaico foi veementemente combatido pelo Verbo de Deus (6).
 
Quantos não são arrastados para o falso misticismo da liberal Renovação Carismática por causa do racionalismo esquerdista da Teologia da Libertação? Quantos não são devorados pelos erros do liberalismo em razão da perversidade do comunismo antinatural? E assim acontece porque a maldade encoberta da direita engana mais que o erro escancarado do esquerdismo. Como ensina Santo Tomás, o extremo comparado ao moderado, aparenta ser o extremo oposto. Com efeito, a direita “moderadamente” anticatólica, comparada com a esquerda radicalmente antirreligiosa, parece extremamente virtuosa. Desse modo, astutamente disfarçada com uma sedutora moderação, a direita liberal arrasta mais facilmente os católicos para um banquete contaminado.
 
É o que ensinou o Papa Pio IX em março de 1873, ao presidente e aos membros do Círculo de Santo Ambrósio de Milão:
 
"Não falta quem tente fazer uma aliança entre a luz e as trevas, e uma associação entre a justiça e a iniqüidade, em favor das doutrinas chamadas católicas-liberais, que, baseadas em perniciosos princípios, mostram-se favoráveis às invasões do poder secular nos negócios espirituais; inclinam seus partidários a estimar, ou ao menos, a tolerar leis iníquas, como se não estivesse escrito que ninguém pode servir a dois senhores. Os que procedem assim são, sob todos os ângulos, mais perigosos e funestos que os inimigos declarados, não só por que, sem que sejam advertidos, talvez mesmo sem que percebam, secundam os projetos dos maus, mas também porque, mantendo-se dentro de certos limites, eles se mostram com aparências de probidade e sã doutrina, para iludir os imprudentes amigos da conciliação, e seduzir as pessoas honradas que teriam certamente combatido o erro manifesto" (7).
 
Na história política também identificamos uma manobra sorrateira para confundir os católicos e assim perpetuar um governo feroz e estrategicamente inimigo da Igreja Católica. A propósito, nessa aparente disputa entre partidos políticos, tanto o liberalismo da direita como o comunismo da esquerda são severamente condenados pelo Magistério Pontifício. No ensinamento do Papa São Pio X (Divinis Redemptoris), a doutrina liberal é acusada de progenitora do sistema comunista (8). É o que demonstrou de modo irrefutável o Cardeal Louis Billot em sua magistral obra “O erro do Liberalismo” (9). Proclamando a divinização da liberdade individual, desprovida de responsabilidades, os direitistas liberais provocam a gestação do terrível sistema totalitário.
 
Do liberalismo da direita nasce a tirania da esquerda.
 
Expostos esses princípios, desprezados por “católicos direitistas”, prosseguimos analisando a história que desvela a “prudência” dos filhos das trevas.
 
É bem sabido que o fascista Benito Mussolini era convictamente esquerdista. Nessa condição, ele fundou o jornal socialista La Lott adi Classe (A Luta de Classes) e ocupou o cargo de diretor do Jornal Marxista Avanti.  Posteriormente, expulso do partido socialista, inclinou-se para o patriotismo direitista, bradando seu exacerbado nacionalismo: “Viva a Itália”. Por fim, como uma serpente em ziguezague, voltou-se para o lado esquerdo, proclamando a República Socialista de Saló (10).
 
Na ditadura de 1964 dos militares – defendida por Bolsonaro – observamos a direita conservadora executar, sem remorso, a agenda revolucionária dos partidos esquerdistas. Naquela época, quem apoiou a intervenção militar para salvar o Brasil de um regime comunista, testemunhou no transcorrer do governo direitista, a rápida socialização do ensino, da economia e das leis brasileiras. A direita canhota não precisou de cortina de ferro, nem de uma ilha cercada de tubarões para fazer de modo eficaz o socialismo no Brasil. Nesse sentido, os direitistas foram bem mais “talentosos”, porquanto fizeram o trabalho da esquerda sem necessitar recorrer ao paredón revolucionário, impregnando a economia e as ideias com os erros socialistas.
 
Imediatamente após assumir o poder máximo na República, Castelo Branco promulgou o “Estatuto da Terra”, uma lei favorável, em seu cerne, à Reforma Agrária comunista (11). Era uma lei de desapropriação de terra mais radical que a do socialista João Goulart (12). E foi no governo direitista-esquerdista dos generais que surgiu o famoso INCRA, instituto responsável pela execução e implantação da Reforma Agrária no Brasil (13). A lei do divórcio, tão destrutivo ao matrimônio, recebeu sua lastimável aprovação no governo do então General Ernesto Geisel (14). Avançando na radical socialização da economia, a direita militar promoveu uma estatização mais comunista do que a de países sob domínio soviético.
 
Essa história do esquerdismo progressivo do Regime Militar é narrada no Livro “Ideais Traídos”, cujo autor, General Sylvio Frota, foi ministro do Exército do Governo Geisel. O opúsculo é bem pouco difundido entre aqueles que se intitulam anticomunistas.
 
A direita assim explicitava ao mundo o seu mais sincero “antiesquerdismo”. E pensar que ainda existem tradicionalistas que clamam pela canhota intervenção militar.
 
Tola ilusão!
 
Pior que o falido comunismo da esquerda, introduzido pela tirania do fuzil, é o comunismo da direita, implantado pacificamente no pensamento e nas leis da sociedade.
 
Essa aliança entre direita e esquerda não é sequer mencionada na defesa acirrada de Bolsonaro ao governo dos militares. É um falso direitista e anticomunista que aplaude – sem reservas – o governo socialista da ditadura de 1964. Ora, aprovando ser qualquer restrição, Bolsonaro acaba por admitir, como política correta, a socialista Reforma Agrária de Castelo Branco, a proposta comunista do INCRA, o divórcio de Geisel e a formação de um Estado sovieticamente centralizado. 
 
Diante desses fatos, é razoável indagar: será Bolsonaro um confiável anticomunista? Ou estamos diante de mais uma manobra política para manutenção e intensificação do socialismo no Brasil?
 
Que direita e esquerda são irmãs gêmeas, corrobora o apoio público do direitista Delfim Neto – colaborador do regime dos militares – ao então presidenciável comunista Lula do PT. É sem constrangimento que um aliado da direita dos generais tornou-se um partidário do governo socialista:
 
“O Lula é um gênio. O Lula é um diamante bruto. Não adiante ficar triste. O Lula é uma inteligência absolutamente privilegiada. Fez um bom governo...” (15).
 
Eis um “direitista” repleto de amores pela esquerda marxista. 
 
Nessa marcha inconstante entre direita e esquerda, também Paulo Maluf, direitista da ditadura militar, de repente resolveu tornar-se esquerdista, declarando apoio a candidata do PT à prefeitura de São Paulo, Marta Suplicy. E não foi um ato isolado de Maluf, pois seu partido, a antiga ARENA, também procedeu nessa direção:
 
"Como o Partido Progressista faz parte da base de sustentação do governo no Congresso Nacional, recomendamos ao nosso líder Paulo Maluf e aos companheiros de São Paulo, o apoio à candidata do presidente Lula na maior cidade brasileira" (16).
 
E novamente a direita se uniu à esquerda, surpreendendo os politiqueiros tradicionalistas.
 
Essa falsa dicotomia política também é constatada na inesperada aproximação entre Estados Unidos e a China Maoísta. Em 1972 o então direitista Nixon firmou acordo com o tirano e assassino Mao Tsé Tung, numa recíproca simpatia simbolizada por um “emblemático” aperto de mão, que mais uma vez desvelou a histórica relação entre liberais de direita e socialista de esquerda (17).
 
A direita norte-americana sempre tendeu para o esquerdismo comunista. Por causa do igualitarismo protestante – base de formação dos Estados Unidos – que os “americanos” estadunidenses forneceram à leninista URSS grandiosa ajuda financeira que salvou o governo bolchevista na Segunda Guerra Mundial. Foi o direitista Roosevelt que concedeu à esquerda soviética a possibilidade de ocupar 11 países na Europa. E foi Kennedy quem favoreceu as reformas socialistas na América Latina e quem prometeu proteção a Cuba de Fidel Castro.
 
É por existir grandes semelhanças doutrinárias entre direita e esquerda que facilmente verificamos essas espantosas mudanças ou alianças partidárias. Assim, Dom Evaristo Arns, na juventude, era inimigo das greves operárias. Mas acabou ficando esquerdista, defensor de Fidel Castro no Brasil. Carlos Lacerda, militante do Partido Comunista Brasileiro, rompeu com a ideologia revolucionária, dizendo-se, doravante, um direitista conservador. Dom Eugênio Sales, tido por antiesquerdista, escondeu em seu Palácio Episcopal “perseguidos” da ditadura, como, por exemplo, o comunista Frei Beto (18).
 
Por esse retrato histórico percebe-se como é uma ilusão confiar no discurso direitista. O caso intrigante e recente do eleito Presidente da Argentina, Mauricio Macri, é uma demonstração dessa arapuca conservadora. Em sua campanha à presidência, assumia com insuspeita sinceridade posições católicas em relação ao aborto. Para dissimular sua hipocrisia, e assim iludir o público conservador, participou inclusive de um congresso eucarístico. Assim o lobo vestia-se de ovelha piedosa para ganhar, com votos tradicionalistas, a eleição à presidência na Argentina. E foi só assumir o máximo poder, o eleito presidente Maurício Macri despojou-se de sua camuflagem de ovelha bondosa mostrando suas garras esquerdistas em favor da legalização do aborto (19).
 
É sintomático que a direita conservadora, tal como um autômato, acaba por perfazer o plano subversivo da esquerda. No caso da Argentina, em 12 anos de governo esquerdista, não houve aprovação do aborto. Contudo, imediatamente após assumir a presidência – com votos católicos – o conservador Maurício Macri iniciou a marcha pela aprovação do assassinato intrauterino. O que a esquerda não consegue, a direita o faz democraticamente.
 
Assim também aconteceu em relação ao uso de células tronco-embrionárias. Enquanto a esquerda ocupava a presidência da câmara dos deputados – João Paulo Cunha –, não houve aprovação. Mas foi só a direita conservadora assumir a presidência – Severino Cavalcante – conseguiu-se a aprovação quase unanimemente, do crime da destruição de embriões (20).
 
A história assim nos ensina, com certa frequência, que a direita nada mais é que o fantoche da esquerda.
 
Por oportuno, salientamos que essa análise sobre a política conjunta de direta e esquerda de forma alguma diminui os graves erros dos governos petistas. Mas é importante notar como os católicos conservadores atacam pouco os erros doutrinários desses governos, como por exemplo, a supremacia do Estado sobre as famílias.
 
Tudo isso nos impele a refletir se realmente existe esse perigo iminente do Brasil se tornar uma Venezuela ou Cuba castrista. A princípio, isso nos parece um alarme exagerado, cujo escopo é facilitar uma adesão dos católicos ao Bolsonaro como solução emergencial e indispensável. Pela lógica, essa mesma preocupação deveriam ter manifestado os grupos conservadores quando da disputa presidencial entre Lula e José Serra. Igualmente, deveriam ter alardeado, por todos os cantos, que o PT vencendo, o Brasil se tornaria uma nova União Soviética, com fuzilamento, cortina de ferro, fim da propriedade privada, destruição de Igrejas e descriminalização do aborto. Nada disso aconteceu. Foram quase 16 anos de PT na Presidência da República. Sem contar que o comunista Lula exaltava o regime de Fidel Castro, e sua aliada de governo e ex-guerrilheira, Dilma Rousseff, comemorava, com brados de vitória, o aniversário da Revolução Cubana (21).
 
A verdade é que o comunismo nem sempre é obra da esquerda revolucionária.
 
Em síntese, a história nos ensina que a artimanha diabólica para capturar os católicos e afastá-los da verdadeira doutrina – sem corrupções –, consiste em fomentar e conduzir duas forças contrárias (direita e esquerda), com doutrinas relativamente contraditórias. Apesar dos caminhos serem diferentes com algumas divergências, eles cooperam e conduzem o homem para uma mesma herética finalidade: o triunfo da maldita religião do Homem (22). 
 
 
Alguns aspectos da vida política e do pensamento de Bolsonaro
 
Por todos os lados do conservadorismo são cada vez mais numerosos os louvores em apoio à candidatura de Jair Bolsonaro. A cada pronunciamento do candidato fogos de artifício e irônicas insinuações aos católicos que ainda cogitam a anulação do voto nas eleições. Esses seriam puritanos que insana e criminosamente irão favorecer a vitória do comunismo. Resumindo, de acordo com o inédito compêndio moral direitista, abster-se do voto nessas eleições configurará matéria de pecado, e segundo muitos, gravíssimo.
 
Antes de desmitificar o Bolsonaro Superman, mostrando o perigo moral e religioso que ele representa devido às suas alianças e seu comportamento serpentino, trataremos brevemente sobre o princípio do mal menor e sua aplicação nas eleições políticas.
 
Erroneamente sustenta-se que diante de um possível “mal menor” o católico estaria obrigado a votar no intuito de, hipoteticamente, impedir a eleição do que seria, a princípio, um candidato do “mal maior”. Dizemos a princípio porque na história nem sempre os piores males foram causados pelos piores governantes, mas pelos que eram considerados moderados ou menos inimigos. Embora seja lícito votar no “menos pior”, disso não se deduz, inelutavelmente, que seja obrigatório favorecer sua eleição, sobretudo quando uma análise histórica demonstra as contradições e astúcia do candidato para confundir seus seguidores.
 
Para dar luz a essa questão, transcrevemos uma conclusão contrária a obrigatoriedade do voto no contexto em discussão:
 
“Se não existe aprovação unânime dessa doutrina, a mesma tem caráter provável ou se se queira mais provável, e, em consequência, a doutrina oposta, que afirma a ilicitude de eleger o mal menor, é também provável, mesmo que seja menos provável que a outra. Se ambas as doutrinas, a que declara a licitude e a que declara a ilicitude de eleição do mal menor são prováveis em maior ou menor grau, fica claro que nenhuma tem deste ponto de vista moral caráter de certeza. Aplicadas ditas doutrinas às eleições gerais nas condições que exige a teoria do mal menor, se deduz que se bem é lícito votar nos candidatos “menos maus”, quando não há “bons”, também é lícito naquele caso não votar em nenhum” (23).
 
Dessa forma, da licitude de um princípio não se pode extrapolar, apaixonada mente, para uma obrigatoriedade de votação. O que é permitido nem sempre é uma obrigação. Portanto, não poderão ser acusados de covardes ou puritanos, e muito menos réus de pecado gravíssimo, os católico que por motivos de consciência ou por uma análise razoável, não quiserem apostar no governo supostamente menos pior de Jair Bolsonaro.
 
***
 
Analisando a orquestra católica em defesa de Bolsonaro como suposto mal menor, tem-se a impressão de que o que era tido por menos perverso tornou-se um bem a ser ovacionado e favorecido mediante campanha eleitoral. Algumas dessas espantosas propagandas – em favor do candidato – chegam às raias do fanatismo. A declaração de Carlos Nougué exprime esse nada belo descontrole emocional:
 
“O que está em perigo nesta eleição não é nada menos que o futuro de nossos filhos. Hesitar quanto ao voto em Bolsonaro – um mal MUITO menor que todos os outros candidatos – beira o criminoso e o insano. Unamo-nos em oração e em campanha por Bolsonaro. Sua eleição propiciará que o Brasil se alinhe de algum modo ao renascimento da resistência europeia e hispano-americana à revolução globalista, preparadora do Anticristo. BOLSONARO PRESIDENTE” (24).
 
Para o tomista Nougué, hesitar em votar no que ele sintetiza como “mal muito menor” é algo muito próximo do crime e da insanidade. Eleger o quase “bem maior” Bolsonaro é fundamental para evitar o triunfo da revolução preparadora do Anticristo. Um pouco de história teria sido suficiente para evitar esse delírio antitomista.
 
Como poderia Bolsonaro ser o precursor da resistência católica, implantando fanaticamente uma criminosa e insana política de planejamento familiar por laqueadura e vasectomia, que se não fosse por restrições legais seria disseminada até para meninas de dezesseis anos? Como conceber um combatente do anticristo que promoverá uma liberal sociedade de união e promoção igualitária entre homossexuais e heterossexuais? Poderia a resistência antirrevolucionária ser favorável ao aborto nos casos de estupro, risco materno e anencefalia? E esse imaginário contrarrevolucionário poderia impedir a preparação para o anticristo tendo como aliados membros da maçonaria, cujos princípios se coadunam com a revolução globalista anticatólica? Seria esse grande líder um batizado no Rio Jordão segundo uma cerimônia judaica-protestante?
 
Nada belo e nenhum pouco tomista essa propaganda de Carlos Nougué que beira o insano fanatismo. Quem sabe esse descabido apoio ao Bolsonaro tenha origem na falta de esperança da ação da graça sobrenatural, que sempre vem ao mundo através da Igreja Católica e da sua hierarquia.
 
Alinhados a esse exagero que pinta um “Messias” Bolsonaro redentor da humanidade, temos outros títulos, não menos delirantes, que são indevidamente imputados ao candidato campeão da honestidade. Dizem, por exemplo, que ele é defensor da família. Ora, essa afirmação faz pensar e acreditar que Bolsonaro é contrário a tudo aquilo que atenta contra os fundamentos do matrimônio. Sabemos, contudo, que ele é ferozmente defensor do controle de natalidade, propondo, a título de urgência, uma rígida (ou ditatorial?) política de planejamento familiar por laqueadura e vasectomia, entre outros perversos métodos contraceptivos (25). Com efeito, embora parcialmente contra o aborto, ele irá favorecer a destruição da família, combatendo a finalidade primária e essencial do Sacramento – a geração e a educação da prole –, bem como irá preparar a sociedade para a eutanásia, a eugenia, e a descriminalização do infanticídio intrauterino.
 
Em um discurso tipicamente antifamiliar e naturalista, que repudia a ação de Deus na sociedade, Bolsonaro defendeu medidas emergentes contra o crescimento populacional, lamentando o nascimento de pessoas, que na sua grande maioria, não terá utilidade para o futuro do Brasil:
 
“Uma das grandes causas da fome, da miséria e da violência, é o crescimento populacional exagerado em nosso País (...) é gente demais. Nós temos que colocar um ponto final nisso, se quisermos produzir felicidade em nosso País (...) Nós temos uma proposta de emenda número 584 de 2000 que visa liberar vasectomias e laqueaduras em nosso País e vasectomia (...) E não fiquem apenas, cada vez mais, botando gente no mundo, que infelizmente, em sua grande maioria, não servirá para o futuro de nosso País” (26). 
 
O nazi-socialista, George Bernard Shaw, exprimiu idêntico pensamento, sugerindo, ao invés do planejamento familiar, o extermínio daqueles considerados inúteis para o progresso da nação:
 
“Todos vocês devem conhecer meia dúzia de pessoas, pelo menos, que não são úteis neste mundo (...) Se você não pode justificar a sua existência, se você não está puxando o seu peso no barco social, se você não está produzindo tanto quanto você consome ou talvez um pouco mais, então, claramente, não podemos usar as organizações do nossa sociedade com a finalidade de mantê-lo vivo, porque a sua vida não nos beneficia... ” (27).
 
Não é absurdo supor que Bolsonaro caminha em direção a essa alocução que aconselha a eliminação do quantitativo excessivo de indivíduos improdutivos. Nada como uma política pró-eutanásia para resolver o que a laqueadura, a vasectomia e os métodos contraceptivos não evitaram para o futuro do País.
 
Em outra declaração, Bolsonaro insiste na necessária implementação de uma política feroz de controle de natalidade, disposto a enfrentar até mesmo a Igreja:
 
“Duvido que alguém vá falar que nós devemos, para combater a fome, a miséria e a violência, nós devemos ter um rígido, adotar um rígido, uma rígida política de controle da natalidade, porque vão criar uma certa aresta com a Igreja. O pessoal tem que falar não interessa com quem vai criar aresta. Chama também alguém da Igreja e conversa com ele” (28) 
 
Esse discurso de Bolsonaro está muito de acordo com o método comunista implantado pela China de controle da natalidade, e totalmente aposto ao que ensinaram os Papas durantes séculos sobre a família.
 
O impávido defensor da família e da vida embrionária – segundo alguns tradicionalistas – estará disposto a enfrentar a Igreja para executar sua política cátara de destruição da sociedade familiar.
 
Em discurso similar, o deputado mostra sua fanática política para limitar os nascimentos:
 
“A minha proposta de planejamento familiar infelizmente não tem como atingir essas meninas, porque elas são menores de idade. E sendo menor de idade você não pode convencê-las a fazer uma laqueadura. Agora o governo tem que jogar pesado dentro da escola com uma política nesse sentindo...” (29).
 
Bolsonaro então quer jogar pesado contra a moral católica, instaurando, se necessário, uma guerra antinatalidade contra o catolicismo.
 
Enganam-se, portanto, aqueles que consideram Bolsonaro amigo da família e inimigo do aborto. Os fatos contradizem seus propugnadores.
 
Em um artigo do Pe. Luiz Carlos Lodi da Cruz (perguntas e respostas) sobre anticoncepção, somos informamos que os métodos contraceptivos também podem ser abortivos: 
 
12. Então a pílula anticoncepcional é também abortiva?
Sim. Este é um dos seus mecanismos de ação: impedir a implantação da criança no útero. Isto está escrito, por exemplo, na bula de anticoncepcionais como Evanor e Nordette: “mudanças no endométrio (revestimento do útero) que reduzem a probabilidade de implantação (da criança)”. A bula de Microvlar diz: “Além disso, a membrana uterina não está preparada para a nidação do ovo(a criança)” (30).
 
Dessa verdade científica, podemos argumentar que, ao defender e promover radicalmente métodos contraceptivos, Bolsonaro irá promover uma série de abortos, destruindo o zigoto que, para a ciência e para a Igreja, é um verdadeiro ser humano. Aliás, com essa rígida propaganda de anticoncepção, será alimentada, na mentalidade da sociedade, que uma nova criança não planejada é um incômodo, um desastre lamentável, que deve ser evitado tenazmente. Com essa visão negativa, as mulheres inevitavelmente serão impelidas a procurar pelo aborto para resolver o desastre de uma gravidez não planejada, cujo nascituro provavelmente não será útil para a felicidade do casal e muito menos do País.
 
É importante destacar como aborto e planejamento familiar caminham juntos para destruir a família e consumar a revolução globalista, precursora do Anticristo. Isso é satisfatoriamente demonstrado pelo Padre Luiz Carlos Lodi, em um artigo intitulado “O perigo do ‘Planejamento Familiar’”:
 
“... a maior rede privada de aborto, esterilização e contracepção chama-se Federação Internacional de Planejamento Familiar (IPPF). Jorge Scala adverte que a expressão ‘planejamento familiar’ (family planning) foi empregada pela IPPF após a Segunda Guerra Mundial, depois de vencido e desmoralizado o nazismo, para substituir “controle de natalidade” (birth control). O objetivo foi, única e exclusivamente, mascarar o caráter eugenésico e coativo de suas práticas antinatalistas. Um termo cunhado pelos fautores da cultura da morte deveria ser evitado pelos defensores da vida” (31).
 
Nesse sentido, também ensinou o Papa João Paulo II:
 
“O século XX ficará considerado uma época de ataques maciços contra a vida, uma série infindável de guerras e um massacre permanente de vidas humanas inocentes. Os falsos profetas e os falsos mestres conheceram o maior sucesso possível. Para além das intenções, que podem ser várias e quiçá assumir formas persuasivas em nome até da solidariedade, a verdade é que estamos perante uma objectiva ‘conjura contra a vida’ que vê também implicadas Instituições Internacionais, empenhadas a encorajar e programar verdadeiras e próprias campanhas para difundir a contracepção, a esterilização e o aborto. Não se pode negar, enfim, que os mass-media são frequentemente cúmplices dessa conjura, ao abonarem junto da opinião pública aquela cultura que apresenta o recurso à contracepção, à esterilização, ao aborto e à própria eutanásia como sinal do progresso e conquista da liberdade, enquanto descrevem como inimigas da liberdade e do progresso as posições incondicionalmente a favor da vida” (32).
 
E finaliza o Sumo Pontífice:
 
“Por isso, é moralmente inaceitável que, para regular a natalidade, se encoraje ou até imponha o uso de meios como a contracepção, a esterilização e o aborto” (32).
 
A imoralíssima política de Bolsonaro – programa das instituições abortistas –favorece a destruição da família pela contracepção e pelo incentivo do aborto e do homossexualismo.
 
Que não se diga, portanto, que o candidato é a favor da família. Ele pode não concordar – por enquanto – com a ampliação do aborto para até 12 semanas de gestação, mas assim como os promotores desse crime, ele é pela destruição da família e da sociedade via planejamento familiar. E por que dizemos que ele não é completamente inimigo do assassinato de embriões? Simplesmente porque nos casos previstos na lei positiva (risco de vida para a mulher e estupro), Bolsonaro não manifesta qualquer indignação. Se a lei prevê o aborto nessas condições, então ele não condena, deixando para o casal a escolha pelo assassinato da criança:
 
“... a mulher foi estuprada e engravidou. A mulher pode o aborto é legalizado. Eu não entro no mérito. É legal. E nessa situação, o casal que decide. Se vai querer gerar um filho daquela pessoa que ocasionou aquele crime de estupro. Eu nunca fui favorável ao aborto...” (33).
 
Para confundir o incauto telespectador, Bolsonaro, ao mesmo tempo em que justifica sua defesa ao aborto – em caso de estupro –, imediatamente nega ser favorável a esse assassinato. Quanto a essa absurda contradição, nenhum comentário dos conservadores que cegamente consideram o candidato “claramente” contra o aborto.
 
Em outra explicação, o político faz questão de esclarecer, de modo inequívoco, o fundamento de sua politiqueira e instável oposição ao aborto:
 
“A única situação em que a mulher decide juntamente com o marido ou sozinha sobre o aborto, é nos casos deferido em lei no momento: risco de vida, anencefalia, e caso de estupro. Esses casos a mulher quem decide se vai abortar ou não. Tá em lei, Ela pode não abortar. Nos demais casos sempre fui radicalmente contra” (34).
 
Dessas duas ponderações do candidato, na tentativa de acalentar seus eleitores tradicionais, temos claramente que Bolsonaro nunca foi favorável ao aborto enquanto criminalizado pela Lei positiva. Trata-se de uma oposição relativa, em razão de um impeditivo jurídico, e não uma convicção absoluta, fundada na Lei Natural de que a vida inicia na concepção e que esse novo ser possui direitos invioláveis. As palavras do “direitista” nos permite deduzir, sem perigo de distorções, que ele só é contra o aborto até 12 semanas enquanto não é condenado pelo direito penal. Mas, caso seja descriminalizado, ele não terá dificuldades para mudar de opinião – ou assumir a verdadeira – como o fez em relação aos casos de estupro, anencefalia e risco de vida materna.
 
Essa aversão meramente jurídica do aborto, despojada de uma convicção científica, religiosa ou filosófica, verifica-se na seguinte observação do candidato: “nos demais casos sempre fui radialmente contra”. Logo ele confessa que é favorável ao aborto nos casos legalizados.
Quando a resistência não é clara e não está fundamentada na Lei Natural, dificilmente permanece ante uma pressão de adversários. Para Bolsonaro estender sua adesão ao aborto até nove meses de gestação é só uma questão de legalização.  
 
Diferente do que propagam os grupos conservadores, ele não é evidentemente e tampouco convictamente contra o aborto. Pode-se dizer que ele é um abortista dentro da “legalidade”, posição essa idêntica a outros esquerdistas da linha política da teologia da libertação, tão presente nas fileiras do PT.
 
Na mesma linha dessa oposição meramente positivista, temos o pronunciamento do deputado federal Eduardo Bolsonaro em sua página do facebook:
 
“Em que pese essa decisão caber a cada mulher eu, se fosse mulher, tb não teria filho fruto de estupro” (35).
 
Tal pai, tal filho.
 
Essa adesão formal ao assassinato no ventre materno contém o princípio que torna suspeita, frágil e efêmera a oposição desses políticos ao aborto até sua máxima extensão. Ora, se a mãe pode matar o filho inocente por um motivo injusto – estupro –, por que não poderá matá-lo igualmente por qualquer outro motivo injusto, até o limite da gestação? E se Bolsonaro admite o crime do aborto nos casos legalizados, significa que ele não considera o feto uma pessoa de direitos, podendo prevalecer o “direito” da mãe de assassiná-lo. Nesse caso, por qual motivo fundamental o aborto não poderia ser aprovado se para o candidato conservador a vida no ventre não detém direitos invioláveis? Bolsonaro não tem, portanto, motivos razoáveis para impedir uma feroz tentativa de aprovação do aborto. Na menor pressão, é possível que ele faça concessões e sancione esse crime que ele já defende nas três condições sancionadas pelo governo. E não podemos deixar de frisar que esse pensamento, que coloca o “direito” da mãe assassinar acima do direito da criança viver, é a base do sistema nazista, que colocava como direito, a raça superior assassinar a raça inferior.
 
Que Bolsonaro não é claramente contra o aborto e o PT – ao contrário do que dizem seus militantes de campanha –, temos mais um registro incontestável em sua declaração pública de voto no então presidente Lula (36).
 
O incoerente Bolsomito, que sempre se disse contrário ao aborto, votou sem remorso (em 2002) no Lula do PT, cuja ideologia socialista contempla a descriminalização do aborto. Evidentemente que o deputado, ao favorecer mediante voto a agenda comunista-assassina do PT, sabia das posições que nunca foram secretas para a população.
 
Ao ser questionado em 1998 sobre o aborto, respondeu então Lula à Folha de São Paulo: “... uma questão de saúde pública quando for necessário, até para cumprir a lei" (37).
 
Concordando com Lula e com o PT, Marta Suplicy corroborou a convicção abortista de Lula: “Concordo com o Lula. Enquanto mulher também não faria um aborto. Mas como governadora vou cumprir o Código de Saúde vigente" (38).
 
O direitista Bolsonaro, contra o aborto e o socialismo do PT, contribuiu de forma consciente e democrática para a vitória de Lula e de sua concepção abortista-socialista.
 
Em recente entrevista, Bolsonaro tentou justificar, frustradamente, seu voto que cooperou para a eleição do Lula e seu partido revolucionário. Segundo o candidato, ele assim decidiu porque acreditou que o socialista do PT poderia “fazer diferente”. Que Lula não poderia fazer diferente da ideologia que professa seu partido é razoavelmente compreensível. Logo Bolsonaro não estava preocupado em impedir a revolução globalista defendida pela agenda comunista do PT. Essa foi uma enorme e consciente contradição de um suposto anticomunista e antiabortista (39).
 
Isso demonstra que o “arrependimento” de Bolsonaro (voto no partido comunista) é resultado de uma frustração acerca de uma ação concreta de Lula e do PT – que não correspondeu a sua expectativa – e não propriamente por causa da ideologia socialista do Partido dos Trabalhadores.
 
Nos passos de Benito Mussolini, Bolsonaro soube se aproximar e se distanciar do Partido Socialista, estrategicamente, como uma serpente que marcha sinuosamente. Da direita para a esquerda, e vice-versa, mostrando que esses dois lados, aparentemente divergentes, se unem na mesma proposta igualitária. Essa inconstância do candidato pode ser apreciada na matéria “O petismo de Bolsonaro” (40).
 
A resistência ao aborto e ao comunismo parece ser uma encenação, aproveitando-se de uma sadia reação da nossa sociedade. É a geração São João Paulo II e Bento XVI que se manifesta.
 
Para reforçar o caráter duvidoso das declarações pró-vida de Bolsonaro, lembramos à torcida católica do candidato, que o presidente de honra e fundador do Partido (PSL), aliado e lançador da campanha de Bolsonaro, é convictamente favorável ao aborto. Luciano Bivar defendeu o aborto em 2006, quando disputava as eleições para presidente, e depois em um livro “Burocracia a Invasão Invisível” (41).
 
Considerando que Bolsonaro favoreceu o aborto e o comunismo ao votar conscientemente no Lula do PT; que é favorável ao aborto em caso de estupro, anencefalia e risco materno, dizendo tratar-se de uma decisão do casal; que seu aliado e patrocinador, o presidente e fundador de seu partido é declaradamente abortista, temos motivos plausíveis para duvidar da sinceridade de Bolsonaro sobre sua parcial e fragilíssima oposição ao aborto.
 
E os tradicionalistas prosseguem forjando um Bolsonaro defensor da família e salvador do Brasil.
 
Sobre o comunismo, não apenas a aprovação incondicional de Bolsonaro ao governo socialista dos militares, bem como seu voto ao Lula do PT, denota sua incoerência e inconstância ideológica. Em 1999, ao ser entrevistado pelo Estadão de São Paulo, o então deputado manifestou sua admiração e esperança no socialista Hugo Chávez:
 
“É uma esperança para a América Latina e gostaria muito que esta filosofia chegasse ao Brasil (...) Ele não é anticomunista e eu também não o sou” (42).
 
Bolsonaro não é anticomunista. Por isso elogiou Hugo Chaves, o socialismo dos militares e votou no Lula do PT.
 
Pior que defender as manobras concretas do comunismo, é defender essa filosofia esquerdista antinatural e assassina. 
 
E antes que os militantes do esquerdista Bolsonaro venham dizer que ele não sabia que Hugo Chaves era um socialista, apresentamos os indicativos de que o ditador venezuelano sempre assumiu publicamente e sem constrangimento seu comunismo e aprovação ao regime cubano. Por essa razão, Hugo Chaves discursou em Cuba diante do assassino Fidel Castro:
 
“Cuba é um bastião da dignidade latino-americana. E como tal, devemos querê-la, e como tal, devemos segui-la, e como tal, devemos alimentá-la” (43).
 
A posição socialista cubana de Chaves se manteve inalterada. Por isso em 1999, quando concorria a presidência da Venezuela, ele se recusou a condenar, em rede de televisão, a ditadura de Fidel Castro:
 
“É uma ditadura. Mas não posso condenar Cuba” (44).
 
Seria cômico dizer que um deputado direitista desconhecia a ideologia de Hugo Chaves.
 
Bolsonaro sabia claramente quem estava enaltecendo como pró-comunista e modelo de filosofia para o Brasil. E por que ele não condena o socialismo dos militares de 1964? Por que não reprova a comunista legalização das invasões de propriedade privada pelo então Castelo Branco?
 
Bolsomito anticomunista e antiabortista?
 
Somente no delírio antitomista de Nougué e dos católicos hipnotizados pela direita “tradicionalista”.
 
Os eleitores também enchem os pulmões para dizer que ele é um radical opositor ao homossexualismo. Porém, se existem declarações que favorecem, aparentemente, uma posição de condenação, outras nos permitem deduzir que o candidato, na condição de político, só reprova o homossexualismo enquanto ativismo ideológico, e não enquanto opção sexual, imoral e antinatural.
 
É o que fica patente nessa declaração:
 
“Nós todos estamos no mesmo barco. Não interessa a opção sexual...  Nós precisamos de nos unir (homossexuais e heterossexuais)...” (45).
 
Ele se manifesta contra o ativismo LGBT, mas não contra a homossexualidade. Assim ficou entendido, quando diante de um homossexual, Bolsonaro disse que somos todos iguais, e reafirmou seu compromisso, declarando que, no que depender dele na Presidência da República, o ser humano (homossexual) será livre para exercer a atividade que quiser e ser feliz da maneira que achar melhor.
 
Para Bolsonaro o importante é ser feliz e não cumprir a vontade de Deus expressa na Lei Natural. Qual a diferença entre essa posição e o pensamento da esquerda?
 
Nessa frase liberal e promiscua podemos incluir um reconhecimento das uniões homossexuais, pois, se somos todos iguais, e todos tem o direito de ser feliz da maneira que quiser, sendo a causa dessa felicidade moral ou imoral, então certamente não haverá restrições para Bolsonaro endossar e não dificultar as uniões condenadas pela moral católica, mantendo e até ampliando a igualdade e felicidade entre héteros e homossexuais.
 
Outro detalhe também relevante, e que enfraquece a hipotética visão de “mal menor” atribuída ao Bolsonaro, diz respeito à sua simpatia liberal pelas falsas religiões, sendo a maçonaria uma possível influência em seu governo presidencial.  É fato público que o Bolsomito compareceu a uma loja maçônica para discursar (46). Seu admirado e futuro Ministro da Defesa (General Heleno) palestrou no Grande Oriente do Distrito Federal e foi condecorado pela maçonaria (47). O candidato a vice de sua chapa, General Mourão, saudado como irmão pelos maçons, ministrou palestra no Grande Oriente do Brasil (48). Por fim, o Senador pelo PSL (Major Olímpio), maçom declarado e aliado de Bolsonaro, afirmou querer o apoio da maçonaria (49):
 
“O deputado Major Olímpio (PSL-SP), candidato do partido ao Senado, diz que pedirá apoio da maçonaria para a candidatura de Jair Bolsonaro ao Palácio do Planalto. Olímpio é maçom e calcula que há cerca de 64 mil maçons em São Paulo. Diz que o capitão do Exército representa ‘o voto conservador’ e ‘tem muito fundamento nos princípios maçônicos’".
 
Conforme divulgado pela imprensa, Luiz Philippe de Orleans e Bragança estava cotado para assumir a vaga de vice-presidente na chapa de Jair Bolsonaro (50).
 
Ora, esse sobrinho de Dom Bertrand assumiu publicamente que é membro da maçonaria: “Eu aceitei o convite de entrar para a maçonaria porque eu estudei e também vi as grandes obras que a maçonaria fez não só no Brasil mas fora. A maçonaria ela é atuante, ela sempre foi atuante. Ela sempre foi relevante. Cabe então assumir uma missão, uma missão histórica, de refundação do Brasil numa nova carta magna... a união da maçonaria com esse objetivo é essencial” (51).
 
Essa preferência por maçons em seu possível governo presidencial – razoavelmente analisando – pode representar uma provável influência da maçonaria nas decisões políticas de Bolsonaro.
 
Dispensamos discorrer sobre os princípios da maçonaria que os Papas insistentemente condenaram. Limitamos a transcrever as advertências do Papa Leão XIII em sua Encíclica Humanum Genus, sobre a maçonaria:
 
“Nesta época, entretanto, os partisans (guerrilheiros) do mal parecem estar se reunindo, e estar combatendo com veemência unida, liderados ou auxiliados por aquela sociedade fortemente organizada e difundida chamada os Maçons. Não mais fazendo qualquer segredo de seus propósitos, eles estão agora abruptamente levantando-se contra o próprio Deus. Eles estão planejando a destruição da santa Igreja publicamente e abertamente, e isso com o propósito estabelecido de despojar completamente as nações da Cristandade, se isso fosse possível, das bênçãos obtidas para nós através de Jesus Cristo nosso Salvador” (52).
 
Os fatos inequívocos nos permitem uma evidente conclusão:
 
Bolsonaro não é um candidato digno e tampouco confiável. No atual cenário politico – podendo sofrer alterações – ele não representa, de modo indiscutível, a opção menos drástica. Sua vida repleta de contradições e ambiguidades, favorecendo o PT, o aborto e o comunismo, não possibilita uma adesão pública e muito menos uma militância dos católicos pela sua eleição a Presidente da República. O candidato com posições esquerdistas é, como tantos outros, uma serpente inimiga da Igreja Católica. A falsa propaganda católica em favor de Bolsonaro, escamoteando seu esquerdismo e os elementos que dificultam sua qualificação de opção menos desastrosa, serve como camuflagem para que a direita canhota continue o plano perverso de destruição completa dos princípios católicos.
 
Por fim, reforçamos a advertência de que esse artigo não representa uma orientação sobre a escolha de um candidato para Presidente da República. A intenção é esclarecer o público católico e principalmente aquele grupo conservador de que o pensamento de Jair Bolsonaro está muito longe do ensinamento e da doutrina católica.
 
Assim, não recusamos a hipótese do voto em Bolsonaro, mas devemos reconhecer que se assim for, este ato se dá pela absoluta impossibilidade de escolha de outro candidato, e não pelas qualidades do “mito”, ou “minto”, melhor dizendo. Jair Bolsonaro é um mal, ainda que seja menor deles.
 
Antigamente, quando se estava com enjoo e dor de estomago, procurando um mal menor, se colocava o dedo na garganta. Mesmo com a dor de estômago tendo passado, ninguém ficava satisfeito com o resultado produzido pelo organismo, pelo contrário, ele produzia nojo e horror.
 
Como toda analogia nosso exemplo não corresponde perfeitamente a realidade, mas o que o corpo social terá produzido no caso de uma vitória de Bolsonaro é algo semelhante ao dedo na garganta.
 
Que Nossa Senhora livre o Brasil da raça da serpente, e não apenas da ponta esquerda de sua língua bífida e traiçoeira.
 
In Corde Jesu e Mariae
 
Joaquim Pedro
 

 
 
Referencial Bibliográfico
 
 
 
(2)  Orlando Fedeli. A Gnose “tradicionalista” de René Guénon e Olavo de Carvalhoh. Disponível em: www.montfort.org.br/bra/cadernos/religiao/guenon/
 
(3)  Orlando Fedeli. No país das maravilhas: a Gnose burlesca da TFP e dos Arautos dos Evangelhos. Disponível em: www.montfort.org.br/bra/veritas/religiao/contra-pco/
 
(4)  Orlando Fedeli. Charles Maurras. Disponível em: www.montfort.org.br/bra/cadernos/religiao/maurras1/
 
(5)  Paulo Miranda. Considerações acerca das “Considérations sur la France” de Joseph de Maistre. Disponível em: www.montfort.org.br/bra/veritas/igreja/consideracoes/
 
(6)  Orlando Fedeli. Escribas, Doutores da Lei e Fariseus. Disponível em: www.montfort.org.br/bra/cadernos/religiao/escribas1/
 
 
 
 
 
(7)  apud Dr. D. Félix Sardá Y Salvani. O Liberalismo é Pecado. São Paulo: Eitora Panorama, 1949, p.39)
 
(8)  Papa Pio XI. Divinis Redemptoris: sobre o comunismo ateu. Disponível em: https://w2.vatican.va/content/pius-xi/pt/encyclicals/documents/hf_p-xi_enc_19370319_divini-redemptoris.html
 
(9)  Louis Billot. El Error del Liberalismo. Argentina: Cruz e Fierro Editores.
 
(10)              Enciclopédia Britânica. Benito Mussolini. Disponível em: https://www.britannica.com/biography/Benito-Mussolini
 
(11)              Lei Nº 4.504 de 30 de Novembro de 1964. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/LEIS/L4504.htm
 
(12)              Decreto nº 53.700, de 13 de Março de 1964. Disponível em: http://www2.camara.leg.br/legin/fed/decret/1960-1969/decreto-53700-13-marco-1964-393661-publicacaooriginal-1-pe.html
 
(13)               Histórico do Incra. Disponível em: http://www.incra.gov.br/historico-do-incra
 
(14)              Lei N° 6.515 de 26 de Dezembro de 1977. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/LEIS/L6515.htm
 
(15)              https://www.youtube.com/watch?v=qS-TtLw4Qnk
 
(16)              Partido de Maluf recomenda apoio a Marta Suplicy. Disponível em: https://politica.estadao.com.br/noticias/geral,partido-de-maluf-recomenda-apoio-a-marta-suplicy,20041007p9920
 
(17)              https://www.youtube.com/watch?v=NWPFuOFxV50
 
 
(19)              https://www.youtube.com/watch?v=DGgmdkpOEEI
 
(21)              https://www.youtube.com/watch?v=FKLc7ehGQFk
 
(22)              Orlando Fedeli. Direita & Esquerda. Disponível em: http://www.montfort.org.br/bra/veritas/politica/direitas/
 
(23)              Julián Gil de Sagredo in Altar Mayor. Nº 180. Noviembre-Diciembre 2017. El mal menor y las elecciones
 
 
(25)              https://www.youtube.com/watch?v=3ZHMUBO9e3E
 
(26)              https://www.youtube.com/watch?v=lgke4_V5a3A
 
(27)              https://www.youtube.com/watch?v=hQvsf2MUKRQ
 
(28)              https://www.youtube.com/watch?v=0dxK1ua_VhI
 
(29)              https://www.youtube.com/watch?v=4zy8AqdKod4
 
 
 
 
(33)              https://www.youtube.com/watch?v=vy5dBXxOBGs
 
(34)              https://www.youtube.com/watch?v=bPcGySCec8w
 
 
(36)              https://www.youtube.com/watch?v=zL0YDuALJt0
 
 
 
(39)              https://www.youtube.com/watch?v=i17EkZ51AVo
 
(40)              https://www.oantagonista.com/brasil/o-petismo-de-bolsonaro/
 
 
(42)              https://www.youtube.com/watch?v=b5IWU8HOV_s
 
(43)              https://www.youtube.com/watch?v=zw-gmUVUkk0
 
(44)              https://www.youtube.com/watch?v=Qjwj6PAzWP4
 
(45)              https://www.youtube.com/watch?v=VCXT1kV5k4w
(46)              https://www.youtube.com/watch?v=IIVYk2MmBNE
 
(47)              https://www.youtube.com/watch?v=jNPGKZQcdVM
 
(48)              https://www.youtube.com/watch?v=Njp-7k7N3sY
 
_____ http://www.glojars.org.br/noticias/r/4916
 
 
 
 
(52)              Papa Leão XIII. Carta Encíclica Humanum Genus. Disponível em: http://w2.vatican.va/content/leo-xiii/pt/encyclicals/documents/hf_l-xiii_enc_18840420_humanum-genus.html

    Para citar este texto:
"Considerações Sobre a Política Direitista de Jair Bolsonaro"
MONTFORT Associação Cultural
http://www.montfort.org.br/bra/veritas/politica/consideracoes_bolsonaro/
Online, 19/11/2018 às 18:06:41h