Apologética

THE QUESTION BOX 2: ASTROLOGIA
Alberto Zucchi

          Recentemente, encontramos em uma antiga biblioteca, de um antigo seminário, desativado há muito tempo um livro cujo título é The Question Box, em português “Caixa de Perguntas”.

          O livro surgiu nos Estados Unidos por iniciativa dos Padres Paulinos que colocavam em seus locais de apostolado uma caixa onde todos, católicos e especialmente não católicos podiam colocar perguntas de forma impessoal, para que fossem respondidas.

          O sistema resultou em um grande sucesso, quer pela quantidade de perguntas respondidas, quer pela ótima argumentação apresentada nas respostas, quer pelas conversações que tornou possível.

          No site Montfort estamos reproduzindo algumas destas perguntas periodicamente. A explicação completa sobre o surgimento do livro pode ser encontrada na publicação da 1ª. questão: http://www.montfort.org.br/bra/cadernos/apologetica/thequestionbox001/

          Assim, acreditamos que será de grande proveito para nossos amigos e leitores ter acesso às perguntas propostas e suas respectivas respostas. Para tanto, aos poucos reproduziremos algumas em nosso site. Manteremos a grafia do livro que foi traduzida do inglês para a língua portuguesa em sua forma utilizada em Portugal.

          Ao final, quando conveniente, acrescentaremos alguns pequenos comentários nossos aplicando os princípios apresentados aos erros e dificuldades de nossos tempos.

          Caso você deseje outras esclarecimentos sobre este assunto pergunte através do email: cartas@montfort.org.br

 

PERGUNTA:

          Por que condena a Igreja Católica a astrologia? É pecado adivinhar os sucessos da vida de uma pessoa pelo estado do céu, no momento do seu nascimento?

 

RESPOSTA:

           A Igreja condena a astrologia por ser uma superstição pagã, que fomenta o fatalismo e leva diretamente à negação da divina Providência.

          As estrelas nenhuma influência exercem na vida humana,  para que se possa adivinhar por elas o porvir do recém-nascido.

          Dar crédito, portanto, a horóscopos, guiar-se por eles, é ultra-ridículo

Santo Agostinho ataca veementemente na sua “Cidade de Deus” (8,19), esta superstição.

          Dela escreve São Tomás na sua “Súmula” (2. 2. Q. 95, a. 5): “O que observa as estrelas para predizer futuros acontecimentos, ou futuras acções humanas, baseia-se em vã e falsa opinião.

          Como entram nela superstições e intervenção demoníaca, é ilícita”.

          Como se trata de futuros contingentes, nem mesmo o demónio os conhece de certeza.

          O conhecimento dos futuros contingentes é do domínio exclusivo de Deus. Daí o serem as profecias argumentos da divindade da religião (P.R.)  

 

COMENTÁRIO:

          É surpreendente, quase inacreditável que existam pessoas, e, sobretudo católicos que acreditem em tamanha tolice como a astrologia. É sintomático das muitas doenças espirituais do nosso tempo que em um mundo cientificista como o nosso a astrologia tenha tantos seguidores.

          Atualmente a “direita”, como decorrência da sua admiração pela filosofia e até mesmo pela teologia dos gregos antigos, a admiração e a aceitação da astrologia tem se expandido entre os chamados grupos conservadores, e infelizmente, muitos católicos acabam contaminados por essa enorme tolice.

Alberto Zucchi

 

    Para citar este texto:
"THE QUESTION BOX 2: ASTROLOGIA"
MONTFORT Associação Cultural
http://www.montfort.org.br/bra/cadernos/apologetica/thequestionbox002/
Online, 09/08/2020 às 05:57:48h