Movimento pela Vida

Montfort contra a aprovação do Projeto de Lei de Biossegurança que permite usar embriões humanos como cobaias
Orlando Fedeli

Excelentíssimo e Nobre Deputado,       
 
Como Presidente da Associação Cultural Montfort, que coletou 150.000 assinaturas para um Manifesto pela Vida, contra a o projeto de lei de Biossegurança, que pretende permitir a utilização de células tronco-embrinárias, dirijo-me a Vossa Excelência, na hora em que se anuncia o debate desse projeto de lei na ilustre Câmara de Deputados do Brasil, a fim de lhe ponderar o seguinte:
 
Uma lei só é legítima se respeitar a lei natural e os direitos fundamentais humanos impostos  pela sua própria natureza e dignidade. Ora, o projeto de lei de Biossegurança viola o direito à vida dos seres humanos concebidos, e renova assim o espírito racista e eugenista que presidia as experiências nazistas do famigerado criminoso Dr. Mengele.
 
O Santo Padre o Papa, João Paulo II, condenou expressamente esse tipo de experiência, usando células-tronco embrionárias, quer para clonagem, quer -- pior ainda -- para fins terapêuticos, pois que isso permitiria usar seres humanos como meros fornecedores de órgãos. A aprovação do projeto de Biossegurança poderia propiciar o surgimento de um infame e criminoso comércio de seres humanos, que seria pior do que a reinstalação da escravatura. Rogamos então a Vossa excelência que não vote a favor dessa lei que seria o oposto da Lei Áurea.
 
Ainda em livro ora publicado, Memória e Identidade, o Santo Padre João Paulo II demonstrou que ninguém, nem a maioria da humanidade, pode legitimar algo contrário à lei de Deus e aos direitos inalienáveis da pessoa humana.
 
A ONU, que iniciara o impulso em todo o mundo pelo uso de células tronco-embrionárias, reviu sua posição, e acaba de emitir uma Declaração condenando o uso de células tronco-embrionárias para fins terapêuticos e para clonagem humana. Não vá o Brasil contrariar o que até a ONU reconheceu como contrário aos Direitos humanos.
 
Inúmeros Cientistas de reconhecido valor tem provado que a utilização de células-tronco adultas tem proporcionado curas e melhoras em doenças, enquanto a utilização de células embrionárias não se tem provado capazes de efeitos terapêuticos positivos. Pelo contrário se tem constatado que elas podem, muitas vezes, causar cânceres e outros males. Infelizmente não se propiciou que esses cientistas de renome fossem devidamente ouvidos no Congresso Nacional. Neste sentido, a Dra. Alice Texeira Ferreira  professora e pesquisadora do Departamento de Biofísica UNIFESP coloca-se a disposição através de seu e.mail para quaisquer esclarecimentos
 
Esses mesmos cientistas consagrados têm mostrado e comprovado que o embrião humano é um ser vivo, com dignidade humana e senhor de direitos próprios do homem, e que utilizá-lo como cobaia equivale a uma assassinato.
 
O Parlamento brasileiro não pode seguir essa linha que em nome de um pseudo espírito científico viola direitos naturais  humanos.
 
 A própria Dra  Mayana Zatz, a maior defensora dessa lei iníqua que se pretende aprovar, confessou, há certo tempo atrás, que o embrião humano é, de fato, um ser vivo. A contradição flagrante da Sra. Zatz ficou demonstrada publicamente em debate entre cientistas favoráveis ao projeto de lei e ilustres deputados na Câmara Federal, entre eles os Nobres Deputado Durval Orlatto, Salvador Zimbaldi, Osmanio Pereira e Angela Guadagnin
 
A Sociedade brasileira em sua imensa maioria é contrária ao uso de embriões como cobaias. Isso ficou provado pela facilidade com que coletamos, em pouquíssimos dias, 150.000 assinaturas contrárias ao projeto hora em discussão final na ilustre Câmara de Deputados Federais.
 
A CNBB acaba de enviar carta ao Senhor Presidente da República com dados estatísticos e enquêtes de opinião pública insuspeitas, provando como a imensa maioria do povo brasileiro é contrária ao aborto e à violação dos Direitos Humanos dos fetos e embriões. A aprovação desse projeto de lei de Biosegurança, no qual se colocou como que de contrabando, a utilização de experiências eugenistas com embriões humanos, experiências próprias do famigerado nazista Dr. Mengele, contraria a vontade da imensa maioria do povo brasileiro, sendo assim anti democrática e anti constitucional.
 
O Ilustre Deputado João Paulo Cunha, que até há pouco presidiu a Câmara de Deputados Federais, reconheceu que, nos debates públicos realizados no Congresso Brasileiro, não foram ouvidas grandes parcelas da Sociedade Científica e da Sociedade Civil que se opõem ao projeto de lei de Biossegurança , ora em discussão na Câmara de Deputados. Só um lado foi ouvido, infelizmente. Por isso, o ex-Presidente da Câmara, Deputado Dr João Paulo, prometeu  que esse projeto de lei não seria posto em votação sem que houvesse um debate público, em que fosse garantida a presença de cientistas de renome, contrários á utilização de embriões humanos como cobaias. Também na Comissação da Família e Seguridade Social foi aprovada a convocação de cientistas contrários a utilização dos Embriões Humanos em pesquisa,  para uma Audiência Pública, cuja data ainda não foi marcada.
 
Considerando, pois, tudo isto,  e exercendo nossos direitos de cidadãos brasileiros e nosso dever de Católicos, vimos à presença de Vossa Excelência pedir seu voto contrário a esse iníquo projeto de lei, ou que se peça o adiamento da votação até que sejam ouvidos os Cientistas contrários ao uso ilegítimo de embriões humanos, pois que o projeto de lei em pauta reduz homens a cobaias,  a simples fornecedores de órgãos para outros homens, criando-se assim uma nova casta, pior do que escrava.
 
Que Deus ilumine Vossa Excelência a que não dê seu voto a  favor da aprovação de uma lei “Mengele” na Terra de Santa Cruz, o nosso amado Brasil.
 
Associação Cultural Montfort,
Orlando Fedeli
Presidente.

    Para citar este texto:
"Montfort contra a aprovação do Projeto de Lei de Biossegurança que permite usar embriões humanos como cobaias"
MONTFORT Associação Cultural
http://www.montfort.org.br/bra/veritas/vida/contra_lei_biosseguranca/
Online, 22/03/2017 às 19:19:24h