Política e Sociedade

Será que Lula não é comunista?
Orlando Fedeli

            Basta ter um mínimo de conhecimento da doutrina comunista para se reconhecer que o PT é o Partido Comunista travestido de roupagem democrática, “ética” e trabalhista.
Não só a sua política que acirra a luta de classes, mas também a propulsão das invasões de terras, a política latino-americana”, isto é, castrista, o apoio ao ditador Chávez da Venezuela e a Evo Morales da Bolívia, o contínuo esforço para aprovar leis antinaturais e destruidoras da família (aborto, uso de células- tronco embrionárias fundamentada na fraude coreana de pseudo descobertas científicas exaltadas aqui por Mayana Zatz e Dráuzio Varela, o favorecimento do movimento gay e de suas reivindicações anti naturais), tudo isso demonstra claramente o pensamento marxista que embebe até a medula o governo petista de Lula.
Os principais homens desse governo são comunistas reconhecidos, desde o stalinista castrista Zé Dirceu, passando pelo comunista Aldo Rebelo, chegando até o inabalável negador de evidência chamado Palocci. O trotzkista Palocci, qualificativo que “carinhosamente o próprio Lula lhe deu, na sua melancólica despedida do ministério, quando do desmoronamento do castelo de “verdades” que Palocci afirmara friamente ante o país.
Ia eu me esquecendo dos comunistas de sacristia que sempre circundaram Lula, esse “católico à sua maneira” como o chamou o Cardeal Hummes: Frei Betto, o ex seminarista Gilberto Carvalho...
Será preciso trazer, como mais uma prova do espírito soviético de Lula e de seu PT, o apoio sistemático que sempre lhe deram os Bispos comunistas da Teologia da Libertação encastelados na CNBB? 
            Sim, porque foi a CNBB a grande eleitora de Lula. Foi o apoio da CNBB e de suas CEBs, células comunistas paroquiais de base, devotos sovietes paroquiais, que forjaram o mito Lula e garantiram a sua eleição. O Brasil deve à CNBB o “presente” de Pandora que foi o ético e moralizador PT, o partido do mensalão.
 
Doutrina, política leis, projetos, auxiliares e ministros, tudo e todos demonstram que Lula sempre foi -- e é -- metalúrgico instrumento do comunismo.
 
Será preciso dizer que Lula, como todo tirano comunista, procura concentrar todos os poderes em suas mãos?
Quem não vê que neste seu governo Lula juntou em suas mãos o Executivo, o Legislativo e até o Judiciário?
 O Legislativo foi mensalonado. O Judiciário vota sistematicamente liminares e habeas corpus preventivos só como Lula quer, já que o STF é recheado de pessoas ligadas ao PT ou com idéias marxistas. Será preciso lembrar a que ideologia pertence certo Ministro do Supremo? Será preciso lembrar que Lula colocou lá um Juiz que durante muitos anos ostentava na lapela a estrela vermelha comunista do PT e que comete erros graves sempre a favor de Lula? Será preciso recordar que outro juiz obedece, sôfrego por ambicionar ser o “vice”?
Se Lula, já em seu primeiro mandato, num sistema oficial e juridicamente democrático, dominou de tal modo os três poderes da República, imagine-se como ele concentrará o poder, se for reeleito?
Se tal desgraça acontecesse — coisa que julgamos muito improvável visto a desmoralização verdadeiramente mensalônica em que caiu o homem da picanha e da cervejinha do Alvorada e do Torto (que nome lindo e apropriado! Lá parece que nada é do Direito) — se tal desgraça ocorresse, o atual Presidente democrático(???) se tornaria Sua Tirania Majestática Lula, Primeiro e único, promotor da República Socialista Soviética Latino Americana. Tendo a seu lado o Vice.
Não bastasse tudo isso para provar o comunismo venoso do PT, veja-se, logo abaixo, o documento que um leitor nos enviou: um manifesto do PC do B, o partido marxistóide mais radical do Brasil, dando apoio a Lula por ver em sua política o meio de comunistizar o Brasil. O documento é de 2.002, mas conserva atualidade e seu interesse político.
 
 
http://www.vermelho.org.br/pcdob/apresentacao.asp

O QUE QUER O PARTIDO COMUNISTA DO BRASIL
Porto Alegre 2002: bandeiras comunistas no Fórum Social Mundial
 
O PCdoB quer um Brasil socialista, um país verdadeiramente democrático e soberano. Atualmente a conquista deste objetivo estratégico passa pela vitória da linha política aprovada na sua 9ª Conferência Nacional: atuar pelo êxito do governo Lula na realização das mudanças.
Desde a posse de Lula, novas forças políticas e sociais estão à frente do governo da República brasileira. A partir de então elas têm diante de si um difícil desafio: o de governar um grande país que se encontra mergulhado numa grave crise econômica e financeira – aprisionado nos fundamentos nefastos da política neoliberal. O novo governo tem a tarefa de superar tais limites para que seja possível a realização do projeto de mudanças: a implementação de um modelo de desenvolvimento que privilegie o crescimento da economia, a afirmação da soberania nacional, valorização do trabalho e distribuição de renda.
Tendo sido uma dos construtores da histórica vitória, os comunistas decidiram apoiar e participar do governo Lula e integram a sua base de sustentação política. Julgam que têm a responsabilidade de contribuir para que o governo resgate os compromissos que assumiu com a nação. Esta é a primeira vez que participam diretamente no ministério do governo federal e exercem a liderança da bancada do governo na Câmara dos Deputados.
Os comunistas acreditam que é por meio deste governo que será possível realizar uma mudança democrática, soberana e popular no país. Atualmente não existe alternativa mais avançada e viável para se atingir, ainda que parcialmente, os objetivos maiores.
O fracasso do governo Lula seria também a derrota política das forças progressistas e o caminho mais fácil para a volta das correntes políticas neoliberais e conservadoras ao governo. Por isso, o centro da tática política atual é atuar pelo êxito do governo Lula na condução das mudanças. Este êxito será completo somente com a superação da política neoliberal e a realização do projeto mudancista.
No entanto, entre o programa do governo e o programa do Partido existem diferenças, e é natural que isso ocorra. Os objetivos dos comunistas vão muito além dos objetivos colocados pelo atual governo. Por isso, o Partido tem exercido sua independência, apresentando críticas e sugestões ao governo, como foi o caso da reforma da Previdência e tem sido o da política macroeconômica. O PCdoB defende também a autonomia do movimento sindical, estudantil e popular nas lutas por seus interesses e sublinha o papel destes movimentos para impulsionar as mudanças. Assim contribuindo para a vitória do governo Lula.
Os comunistas brasileiros têm a consciência que para haver mudança de rumo é preciso uma política ampla e o fortalecimento, no interior do governo e na sociedade, de uma forte convicção mudancista. É preciso agregar e mobilizar amplas forças políticas e sociais que se opõem ao neoliberalismo, tendo por centro os trabalhadores. Esta mobilização deve se dar no sentido de fortalecer o processo de mudanças e da consecução do novo projeto.
O crescimento econômico, o aumento dos postos de trabalho e a distribuição da renda passaram a ser um problema político decisivo e, por isso, o PCdoB defende a deflagração de um amplo movimento nacional por desenvolvimento, produção e emprego.  
Neste processo é necessário o país recuperar a sua autonomia na gestão de sua política econômica. Isto possibilitará as alterações dos parâmetros da política econômica que herdamos. A luta pela soberania nacional adquire um papel decisivo. Por isso os comunistas apóiam decididamente a nova política externa brasileira. Uma política de inserção ativa e soberana do Brasil no cenário internacional que tem como destaque a defesa da integração da América do Sul, com o fortalecimento do Mercosul, a formação de parcerias estratégicas com grandes países (Índia, Rússia e África do Sul), ampliação de relações com os países socialistas (China, Cuba, Vietnã e Coréia).
A defesa de um mundo multipolar, a condenação da guerra contra o Iraque, a posição altiva do Brasil em face da proposta norte-americana de implantação da Alca também colabora para a construção da autoridade internacional do Brasil. Tudo isso se choca contra os interesses hegemonistas do Império do norte, cuja estratégia central é a colonização do planeta, particularmente da América Latina”.


            
          CHEGA!!!
           
O documento é mais longo. Mas poupamos nossos muito pacientes leitores, -- para os quais meia palavra basta --, de lerem o resto desse palavreado chato e indigesto.
Lula, o PT e o atual governo eticamente mensalônico são comunistas mesmo.

São Paulo, 4 de Abril de 2.006
Orlando Fedeli


    Para citar este texto:
"Será que Lula não é comunista?"
MONTFORT Associação Cultural
http://www.montfort.org.br/bra/veritas/politica/lula_comunista/
Online, 18/08/2017 às 07:41:00h