O Papa

Pequena polêmica com os sedevacantistas: a quem eles servem?
Padre Pierre Barrère

 
La Porte Latine, junho de 2010:
 
Eu me aproveito de um incidente para fazer uma observação bem precisa sobre o assunto em questão, mas deliberadamente evasivo quanto ao local onde o problema aconteceu.
 
"Pequenos missionários" zelosos se permitiram colocar folhas nos pára-brisas de carros em uma manhã de domingo, perto da capela, onde um de nossos sacerdotes celebrava a Missa.Dizemos claramente que não temos nada contra essas jovens que, sem dúvida, desconhecem totalmente o conteúdo do texto que difundiam. que foram de radiodifusão. Esse não é o verdadeiro problema.
 
Trata-se realmente um texto de quatro páginas cheias de ataques contra a FSSPX, principalmente porque ela, há certo tempo, iniciou, intensas discussões com a Roma (não negociações) contra os erros do Concílio Vaticano II. O documento termina com estas palavras escritas em caracteres grandes, à maneira de conclusão de todo o discurso:
 
“Recusemos apoiar e freqüentar a Fraternidade São Pio X! Exijamos que ela diga a verdade e que declare oficialmente que Bento XVI não é Papa”.
 
E isto é seguido pelo endereço de quatro centros de Missas sedevacantista onde se pode, eventualmente, ter a oportunidade de salvar a alma nessa região.
 
Alguns pensarão que não devemos responder a este tipo de documento.Em parte eles têm razão, porque fazer isso equivale a meter-se me discussões intermináveis e muitas vezes estéreis.Mas em certas ocasiões é preciso tocar com a mão, o problema real de Sedevacantismo.Verifica-se muitas vezes que esse problema é mais de ordem clínica do que teológica.Não é minha intenção ofender ninguém com uma princadeira mal colocada, mas se alguém está psicologicamente doente (por exemplo, preocupações excessivas e recorrentes sobre o Papa),é preciso saber que a cura é possível, mas não certamente pegando um grande número de citações de Teologiaa fim de encontrar respostas claras e distintas a todas as dificuldades atuais, dificuldades que os maiores teólogos não conseguiram resolver.
 
Pode-se perguntar para quem trabalham realmente esses padres Sedevacantistas que nos atacam com tanta violência? Quem é seu superior visível? Daremos sobre esse prolema uma opinião pessoal porque, visto que eles não têm um superior conhecido, que os envie cumprir uma missão (só isso já é par eles um grande problema), devemos necessariamente concluir que eles trabalham ou para si mesmos, ou para aqueles a quem prestam serviço. Então, quem se beneficia de sua ação? Veremos isso mais tarde.
 
Pode-se também perguntar como os seus seguidores, se eles têm um pouco de razão, como podem eles aceitar, sem pestanejar  um tal discurso?
A resposta é simples.Na melhor das hipóteses, esses fiéis não ouvem nada, ou só muito pouco, do que se lhes diz.São consumidores da Missa de São Pio V bio (não uma cum). Daí, os girovagos (sacerdotes avulsos que não dependem de ninguém, nem de Bispos, nem de Abadias, nem de Superiores religiosos) de nossa região que gostam de um pouco de tudo em tudo quanto é capela, porque eles acham que agir assim é bom para a sua fé.
 
Mas consideremos a frase mais interessante de toda essa literatura: "Exigimos que ela (a FSSPX) diga a verdade e declare oficialmente que Bento XVI não é Papa”, e imaginemos um puco o cenário que pode se seguir, se tal ato se fosse realizado. Sigamos então adiante.
 
Assim, numa bela manhã, o nosso Superior Geral, Dom Fellay, levanta-se firmemente e vendo claramente e depois do seu café da manhã, sai a declarar muito oficialmente, face a todo o mundo, como Jonas em Nínive, não só que Bento XVI não é Papa, mas também, como afirma sem rir o documento distribuído, que não houve mais Papa na Igreja desde o Concílio Vaticano II, ou seja, logo mais quase há 50 anos!
 
Que bom plano, não é? (Nota: É verdade que para todos os Sedevacantistas não é um problema que a Igreja esteja privada de Papa, durante um tão longo período. Por quê? O argumento é simples: a Igreja esteve já sem Papa, certa vez, durante 3 anos. Esse é um fato histórico. Portanto, pode ficar sem Papa durante 50 anos. Irrespondível! Mas então por que não também durante quinze vezes cinquenta anos?)
 
Continuemos a seqüência do cenário. Que pensam os senhores que que vai acontecer após este soberbo anúncio do Superior Geral, tão desejado pelos Sedevacantistas? Será que eles vão cantar um Te Deum, porque a Igreja renasce de suas cinzas graças à conversão dos "lefebvristas" para a verdadeira fé? Farsa!
 
Passemos por cima dos detalhes de ruptura e sobre as  desordens em nossas próprias tropas. Sem dúvida desgastes mínimos e insignificantes, quando muito, dois ou três padres sobre quinhentos abandonando a FSSPX, e algumas centenas de fiéis liberais que não aceitarão a declaração, isso seria tudo. Porque, bem entendido, todos os padres da SSPX e os fiéis que lhes estão apegados receberão sem discussão um tal anúncio do Superior e unanimemente acertarão o passo com ele na b ao direção. Vamos lá! Isso é tão cheio de realismo e de bom senso que isso é inegável!

Mas, acima de tudo, uma coisa é absolutamente certa e sobre isso é que talvez ainda seja preciso fazer os indecisos refletirem. Estejam seguros que os bispos modernistas seriam os primeiros a ficarem encantados com uma  tal declaração  nossa. Isso seria uma dádiva de Deus para eles que facilmente se livrariam então desses lefebvristas"  que eles odeiam, e que sempre odiaram por causa de seu apego à Tradição e por sua certeza tranquila de pertencer plenamente à Igreja Católica. 
 
Com certeza, com um só golpe, a pequena comunidade cristã fundada com paciência, dedicação e coerência por Monsenhor Lefebvre (a prudência é a virtude dos chefes) desmoronaria totalmente por causa de palavras tão destruidoras. Os frutos da bênção do céu, que se evidenciaram em todo o mundo, apesar das mil dificuldades e armadilhas, seriam aniquiladas por este simples ato.
 
Tudo, verdadeiramente tudo, cairia em pedaços. As Conferências Episcopais nas mãos dos modernistas em mãos poderiam declarar com satisfação real, mas também com uma lágrima falsa num olho: "A Fraternidade está fora da Igreja, como isso é triste. É agora evidente para todos, que eles já não são católicos. Os fiéis não podem mais freqüentá-la e é preciso não mais lhe Dara poio de forma alguma, sob pena de perder sua alma". Exatamente como diz o texto que estávamos examinando: "Recusemos apoiar e participar da SSPX”.
 
Este folheto espalhado nos dá o espírito que anima os Sedevacantistas, portanto, ele é muito instrutivo, e eu me sirvo deleomo um ponto para recordar àqueles que vêem nisso apenas uma posição um pouco exagerada, na situação atual. Ele demonstra, se fosse ainda preciso, o excesso de “sabedoria” que os guia e isso é o suficiente para saber o que pensar deles.
 
Em concreto, na prática, a tática sedevacantista favorece cem por cento as forças modernistas.Então, quem é seu chefe? Para quem eles verdadeiramente trabalham? Vamos fazer a pergunta, concretamente que fazem eles? Eles procuram aniquilar aqueles que os modernistas querem aniquilar, apenas o método deles é diferente.Nenhuma surpresa haverá se descobrirmos que muitos desses intransigentes são infiltrados do clã adversário, que sob a máscara da fidelidade à doutrina de sempre agem de mãos dadas com o Partido Liberal, que ainda prevalece no seio da Igreja. Assim, eles arrastam atrás de si os temperamentos "cartesianos" que querem, em toda parte idéias claras e distintas, mas cujo julgamento lapidar tem dificuldade em ver matizes. Tudo deve ser preto ou branco, o cinza não existe.
 
Terminemos com um texto do Cardeal Pie, Bispo de Poitiers, no século XIX, muito ligado ao Papa, mas não papolatra:
 

"Jesus Cristo prometeu aos Seus apóstolos e, acima de tudo, ao chefe dos Apóstolos, que estaria com eles até o fim dos tempos. No entanto, os sucessores dos apóstolos (os Bispos) não herdaram a infalibilidade, nem sobretudo a impecabilidade; e o próprio sucessor de Pedro infalível em doutrina, pode mostrar-se mais ou menos sábio, mais ou menos forte, em face das dificuldades que surgem,das soluções que são propostas, das determinações que devem ser tomadas. O que faz a grandeza de certos períodos da historiada Igreja, é a santidade brilhante; é a doutrina de eminente, é a intrepidez apostólica dos Pontífices Romanos, e é também a ciência e a coragem de Bispos, sua perfeita união com a Sé de Roma, a sua resistência às sugestões do Poder do mundo; enfim, é a fidelidade de todas as ordens eclesiásticas, a coesão de todos os espíritos, de todos os corações numa mesma lei e numa mesma caridade. " Volume IV, p. 270, "Obras do Bispo de Poitiers)
 
Abbé Pierre Barrère

    Para citar este texto:
"Pequena polêmica com os sedevacantistas: a quem eles servem?"
MONTFORT Associação Cultural
http://www.montfort.org.br/bra/veritas/papa/sedevacantismo-polemica/
Online, 27/05/2017 às 20:11:06h