O Papa

Já se ouvem lobos uivando... E ameaçando cisma
Orlando Fedeli

Nem bem iniciou-se  o reinado de Bento XVI, apenas fez ele alguns discursos e tomou poucas primeiras medidas, já os defensores da liberdade de religião e de consciência ameaçam se rebelar, caso o Papa contrarie o que eles chamam de “espírito do Vaticano II”, isto é, o direito de desobedecer a qualquer autoridade, de se rebelar contra qualquer ordem, e de não se submeter a qualquer dogma que não seja o seu próprio palpite.
 
Nesse sentido, é muito sintomático o artigo publicado no The New York Times apresentando o povo e o miúdo clero brasileiro como prestes a se amotinar contra o Papa, caso ele não mude a Lei de Deus, eterna e imutável, submetendo-se ao palpite “ético” do clero desinibido -- na “onda” -- e moderninho.
 
O artigo foi publicado em 10 de maio deste ano, e se intitula  "Catholic Devotion, and Doubts" (Devoção Católica e dúvidas)
 
Seu autor é Nicholas Kristof que parece torcer para acontecer o pior, isto é, o cisma, pois diz que aqui, no Brasil:  “alguns católicos têm um duro alerta a fazer ao papa Bento 16 -- a menos que a Igreja Católica mude de rumo, ela poderá se aproximar de um autêntico suicídio”
 
O autor afirma que  “A América Latina às vezes parece um pouco a cidade de Wittenberg, de Martinho Lutero, em 1517, às vésperas da Reforma. Há um abismo ou brecha crescente entre muitos adeptos de mente independente, com os padres nas regiões rurais de um lado, e os cardeais e o papa do outro”.
 
O que é absolutamente falso.
 
Se há alguém ameaçando separar-se do Papa, esse alguém está entre os Bispos ou Cardeais ligados à Teologia da Libertação, e não no povo.
 
O autor afirma que “muitas paróquias católicas locais silenciosamente já romperam com o controle do Vaticano sobre questões sexuais. O papa pode trovejar contra o controle da natalidade (em vez de um método baseado nos períodos dos ciclos femininos, ridicularizado pelos críticos como a "roleta do Vaticano"), que mesmo assim 70% das mulheres brasileiras utilizam métodos anticoncepcionais artificiais. Dessa forma o papa pontifica, e em seu rebanho (as ovelhas) bocejam”.
 
Se no povo muitos deixam de obedecer desinibidamente as normas morais da Igreja, declarando acintosamente seu espírito de revolta, muito provavelmente é só porque padres os convenceram de que a Igreja Católica permite o que esses modernistas acham lícito, em sua nova Moral.
 
O autor coloca como desejos do povo aquilo que ele mesmo deseja: controle da natalidade, divórcio e ordenação de mulheres, que ele expressa pudicamente como “o papel das mulheres”

Mas a visão mais comum aqui é que a igreja dispersou sua autoridade com posições que parecem aos fiéis retrocessos, e não avanços, em relação ao divórcio, controle da natalidade e o papel das mulheres”.
 
Kristof citou um sacerdote que ousou exprimir ameaças de cisma com relação ao Papa Bento XVI:
 
"Existe a hierarquia da igreja, e há também a igreja que funciona efetivamente a nível local", diz o reverendo Valeriano Paitoni, um padre amplamente admirado em São Paulo por administrar abrigos de primeira qualidade para os órfãos de vítimas da AIDS”.
 
Segundo o “admirado” Padre Paitoni – do qual só hoje ouvi falar -- :

”A maioria dos católicos brasileiros quer ver mudanças na posição da igreja quanto ao controle da natalidade, homossexualidade, casamento dos padres e sobre a posição das mulheres na igreja. "Se a igreja não tiver coragem de levantar essas questões, e de ouvir a ciência e o mundo, então acontecerá um desastre", diz o reverendo, acrescentando que ainda está otimista quanto à chegada das reformas”.
 
Que desastre profetiza essa nova admirada Cassandra clerical?
 
“Se o Vaticano não se reconectar com as pessoas normais aqui no maior reduto do catolicismo, então as dezenas de milhões que encontram significado espiritual nos bancos das igrejas, mas que se desestimularam com tantas posições da igreja, diante da obstinação do Vaticano, poderão atiçar uma Re-Reforma”
 
Está aí claramente expressa a ameaça de cisma feita por Padre Paitoni.
 
No Brasil, se os fiéis bocejam – e disso não há dúvida, basta ver os rostos ouvindo sermão de padres “admirados” – os guarás uivam. Digo guará porque aqui, no Brasil, não há lobos: há guarás, que são uma espécie de lobo avermelhado. Mas não de vergonha. Só de pêlo. Ou, falando analogicamente, de doutrina.
 
Se no Brasil não há lobos, eles existiam nos States. Lá havia lobos e coyotes uivantes nas pradarias.
 
E, sempre analogicamente, há lobos uivantes também nas paróquias e nas universidades americanas, especialmente nas católicas, claro. Lobo não come lobo. Por isso os lobos se inscrevem nas PUC's.
Que comeriam eles nas universidades protestantes ou atéias?
 
O Papa Bento XVI acaba de fazer o Padre Thomas J. Reese S.J. se demitir da direção da revista católica  America, que esse Padre dirigiu durante mais de sete anos. Esse importante sacerdote jesuíta, no passado, teve problemas doutrinários com a Congregação para Doutrina da Fé, dirigida pelo então Cardeal Ratzinger, porque defendera o casamento gay, o uso de células embrionárias, e que haveria salvação fora da Igreja. A revista America criticara também a Declaração Dominus Jesus, assim como fizera criticas pesadas contra “sins“ --falhas, erros - dos últimos Papas.
 
Ratzinger é agora o Papa Bento XVI...
 
E Padre Reese teve que se demitir.
 
Ótimo! Um modernista a menos, envenenando as almas.
 
Claro que esse primeiro efeito da eleição de Bento XVI causou uma onda de protestos nos meios lupinos americanos.
 
Como ?! Esse pastor não permite que se comam ovelhas?
 
Onde já se viu isso! Depois do Vaticano II?
 
Afinal os lobos não demonstraram boa vontade? Por acaso, não “vestiram até a camisa das ovelhas”?
 
Que maior dedicação se exige deles?
 
No Globe, em 10 de Maio de 2.005, Michael Paulson publicou um artigo no qual conta as reações de coyotes e lobos yankees indignados pela demissão “espontânea” do Padre Reese. Jornais e revistas americanas católicas de Chicago e Nova York discutiram acaloradamente o que isso significava como orientação do novo pontificado. E concluíram:  “Você será o próximo”.
 
No Boston College, se fala que os mestres católicos estão agora sob ameaça...
 
Padre Pat McCloskey, franciscano, editor do Mensageiro de Santo Antônio, revista de Cincinnati, concluiu que “O que aconteceu com a revista America pode acontecer com outras revistas”.
 
Muito sagaz o padre McCloskey!
 
E ele concluiu que tinha medo que muitos pensadores católicos, depois disso, iriam para revistas e instituições não católicas.
 
Que Deus atenda o temor do Padre McCloskey!
 
Alguns teólogos avançados se mostram preocupados com sua liberdade para escrever ou pensar o que quiserem, e que a demissão do Padre Reese comprova não ser mais total e nem sem conseqüências.
 
Como teólogos que se apresentam como católicos puderam julgar que eles teriam liberdade de escrever o que bem quisessem? Ignoram eles os princípios mais fundamentais da Fé? Não conhecem o Credo? Então, de que religião eles são teólogos?
 
Outros – muitos outros segundo o autor do artigo que citamos – “se mostraram furiosos” com o jeito que as coisas tomaram.
 
Que coisa! O Pastor defender as ovelhas contra os lobos! Onde já se viu isso! E depois do Vaticano II !
 
Essa atitude não é pastoral, clamam. É um recuo para a idade Média, época negra, na qual se negava o direito dos lobos sobre como usar as ovelhas.
 
Isso vai contra o aggiornamento!
 
O aggiornamento permitiu o usucapião dos lobos sobre as ovelhas! Como Bento XVI se atreve a retirar esse direito lobal?
 
Por que temem esses teólogos serem os “próximos”  a serem golpeados pelo Pastor, se são ovelhas? Por que se perguntam eles se serão o próximo ...lobo a ser desmascarado e expulso?
 
Quem teme o Pastor são os coyotes e os lobos...
 
Ou será que eles teriam “vestido a camisa das ovelhas”?
 
O professor de Teologia Thomas H. Groome, declarou: “A demissão do  Padre Reese deve ser entendida como um vergonhoso sinal contra  a discussão livre na Igreja Católica”. Outro teólogo declarou: “Isso certamente é uma ação repressiva”.
 
Considera-se que o acontecido com o Padre Reese não é um caso isolado. Isso vai acontecer em todo o país, declarou um teólogo claretiano que defendera no passado a ordenação de mulheres.
 
Que Deus confirme esses temores. Que as ovelhas se sentem bem aliviadas quando os lobos estremecem!
 
O temor de punições não se restirngiu aos States. Chegou logo à Espanha. Uivos vão longe.
 
Na Espanha também há lobos -- e de novo jesuítas -- que logo se manifestaram pedindo o estabelecimento de uma igreja mais democrática, com mais igualdade, mais liberdade e fraternidade.
 
Foi o que anunciaram logo no dia 11 de maio de 2005 os jornais El Pais, na Espanha, e Le Monde, na França, repercutindo o uivo lançado através da revista Mensajero del Corazón de Jesús, editada em Bilbao pela Companhía de Jesús sob a direção de Angel Antonio Pérez Gómez. Nessa revista, os jesuítas pedem a Bento XVI que instaure «uma igreja de participação e  comunhão» que, seja em primeiro lugar, «uma comunidade eclesial regida pelo princípio da igualdade de todos os seus membros, homens e mulheres, clérigos ou leigos».
 
Os jesuítas espanhóis reclamam contra a Igreja por "se preocupar com desvios e erros", e querem uma "igreja que não exclua ninguém", a não ser, é claro, os que não pensam como eles.
 
Pedem ainda os lobos espanhóis que haja "liberdade de opinião na Igreja", de tal modo que todas as correntes possam expressar-se abertamente "ainda que escandalizem". Acusam a Igreja Católica de manter uma estrura monárquica absoluta que de algum modo" viola os direitos humanos"
 
Bento XVI pedira orações aos fiéis para que Deus lhe desse coragem para enfrentar os lobos. Isso soou muito estranhamente, pois que há tanto tempo não se falava em lobos, que muitas ovelhas tolamente pensavam que os lobos eram uma “invenção de mamãe” para assustar criancinhas: um bicho papão inexistente.
 
Chegou Bento XVI e declarou ao mundo que lobos realmente existem.
 
Bendito seja Deus que ouviu as orações rogadas por Bento XVI !
 
Ele já mostrou não temer os lobos.
 
E começou a espancar o primeiro. Bastou a expulsão do primeiro lobo -- vestido de Jesuíta -- para toda a alcatéia se alvoroçar.
 
Os uivos ao luar ecoaram pelas pradarias e sertões. E até na Espanha de Santo Inácio...
 
Calma! Foi só o primeiro lobo espancado pelo bordão do Pastor! E Ad majorem Dei gloriam!
 
Mas acertou bem! Bem na cabeça!
 
Ouçam como, ao longe, nas pradarias, na meseta e nos cerrados, nos jornais e sermões uivam lobos e guarás...
 
As ovelhas até acordaram.
 
Deixaram de bocejar.
 
Rezam. Em latim também
 
E clamam: Viva o Papa !
 
 
São Paulo, Maio de 2.005
Orlando Fedeli

    Para citar este texto:
"Já se ouvem lobos uivando... E ameaçando cisma"
MONTFORT Associação Cultural
http://www.montfort.org.br/bra/veritas/papa/lobos_uivando/
Online, 18/12/2017 às 05:04:44h