Igreja

Sinodo Valdense e Metodista chia contra Bento XVI, defendendo o ecumenismo do Vaticano II

Nota da Montfort: Temos o prazer e alegria de publicar um manifesto dos hereges valdenses e metodistas italianos, declarando que, com o Motu Proprio restabelecendo a Missa de sempre, e com a Declaração de que só na Igreja Católica Apostólica Romana subsiste a única Igreja de Cristo, Bento XVI restabeleceu o espírito da Contra Reforma, e não o do Vaticano II. Qualquer um vê isso. Menos os que ficam cegos pelas trevas da falsidade.


http://www.chiesavaldese.org/pages/sinodo/sinodo2007/odg_ecumenismo.php

Sínodo 2007

O ODG SOBRE O ECUMENISMO

"Nós, membros componentes do Sínodo da Igreja Evangélica valdense, União das igrejas Metodistas e valdenses da Itália.
 
-- considerando a situação ecumênica criada em seguida ao recente Motu Proprio intitulado Summorum Pontificum de Bento XVI, que voltou a dar espaço à Missa em latim, conforme o Missal de São Pio V (1570) caracterizado pela negação de tudo oq aquilo o que a Reforma havia afirmado no plano da renovação do culto público cristão, e do documento intitulado Respostas a quesitos referentes a alguns aspectos acerca da doutrina da Igreja, datado de 29 de Junho de 2007, da Congregação para a Doutrina da Fé, na qual, entre outras coisas, se afirma que a única igreja de Cristo “subsiste exclusivamente na única Igreja Católica” romana, e que as igrejas nascidas da Reforma d9o século XVI “não podem, segundo a doutrina católica, ser chamadas igrejas `em sentido próprio”,
 
-- constatando que nesses dois documentos vaticanos sopra um espírito que é mais o da Contra Reforma, do que aquele que animou o Concílio Vaticano II nos seus impulsos e decisões reformadores,
 
-- agradecemos a Deus por ter chamado nossas igrejas à existência e a subsistir para servi-lo e testemunhá-lo,por ter posto em nosso coração a certeza de ser parte da igreja uma Santa Católica e apostólica, na qual Cristo por pura misericórdia nos acolhe, justifica e santifica, e por nos ter tornado conscientes de que esse participação depende apenas da Palavra de Deus, isto é, da promessa de Cristo que diz;” onde dois ou três estiverem reunidos em meu nome, ai estarei em meio a eles” (Mat., 18,20);
 
-- agradecemos a Deus por ter suscitado, há mais de um século, o movimento ecumênico, que foi e continua a ser para nós uma grande escola de humildade e de fraternidade vivida, e por ter suscitado também para nossas igrejas na Itália relações amigáveis e fraternas com tantos católicos - pessoas particulares grupos, movimentos, comunidades, paróquias - que constituem doravante uma realidade, certamente ainda minoritária, mas tanto mais preciosa, vivida junto na condivisão dos aspetos fundamentais da fé cristã, na escuta comum da Palavra de Deus e na tensão em direção a uma recíproca acolhida na Mesa do Senhor.
 
-- agradecemos a Deus por nos ter livrado há oito séculos, como valdenses, e há cinco séculos, como protestantes da subordinação ao Pontífice romano que nós reconhecemos como irmão em Cristo, mas não como mestre da Fé, tanto mais devendo constatar ainda uma vez que o papado e a cúria romana são hoje, como já no século XVI, um obstáculo à unidade cristã;
 
-- convidamos as Igrejas valdenses e metodistas a não desertarem, hoje, do movimento ecumênico, e a não diminuírem o seu empenho ecumênico, mas, antes a intensificá-lo e renová-lo em toda parte que seja possível, manifestando ao mesmo tempo com serenidade e firmeza esta nossa tomada de posição”.
(tradução nossa)

    Para citar este texto:
"Sinodo Valdense e Metodista chia contra Bento XVI, defendendo o ecumenismo do Vaticano II"
MONTFORT Associação Cultural
http://www.montfort.org.br/bra/veritas/igreja/valdense_metodista/
Online, 20/11/2017 às 21:07:31h