Igreja

Carta do Cardeal Ratzinger ao teólogo Heins Lothar Barth

Muito estimado Senhor Doutor Barth,
 
Eu lhe agradeço sua carta de 5 de Abril, à qual respondo só agora, por falta de tempo. O senhor me pede que me aplique a trabalhar para que haja uma autorização mais larga do rito romano antigo. O Senhor já sabe que acolho bem um tal pedido, visto que meu engajamento nesta questão é agora conhecido por todo o mundo.
 
Se a Santa Sé "autorizar de novo mundialmente o rito antigo e sem limitação" -- como o senhor o deseja e ouviu o rumor sobre isso -- não é tão fácil para dizer: católicos demais partilham ainda de uma atitude negativa -- doutrinados que foram há anos -- contra a liturgia tradicional, a qual eles orgulhosamente chamam de "pré-conciliar", e muitos Bispos se oporiam maciçamente a uma autorização geral do rito antigo.
 
A situação é diferente se se encara apenas uma autorizarão limitada, porque a demanda da liturgia antiga é limitada. Eu sei que seu valor não depende da demanda, mas o número de padres e leigos interessados, tem, entretanto, uma certa importância. Mais ainda, uma tal medida não pode ser realizada progressivamente, hoje, uma trintena de anos após a reforma litúrgica do papa Paulo VI; cada nova precipitação não produzirá bons resultados.
   
Mas eu creio que no futuro a Igreja romana deverá ter um só rito; a existência de dois ritos é dificilmente "gerível" pelos Bispos e padres. O rito romano do futuro deveria ser um só rito, celebrado em latim ou em língua popular, mas baseada inteiramente na tradição do rito antigo; ele poderia integrar alguns novos elementos que passaram bem pela prova, alguns prefácios, leituras mais longas -- mais escolhidas que antes, mas não demais -- uma "Oratio fidelium", quer dizer uma ladainha de orações de intercessão após o Oremus e antes do Ofertório, onde era o seu lugar primitivo.
 
Muito estimado Dr. Barth, se o senhor se engajar assim na questão litúrgica, o senhor não estará só, e o senhor preparará "a opinião pública da Igreja" para medidas eventuais em favor de um uso mais largo dos manuais litúrgicos antigos. É preciso, entretanto, ser prudente quanto à excitação de esperanças grandes demais, principalmente junto aos fiéis apegados à tradição.
 
Eu me sirvo desta ocasião para lhe agradecer seu engajamento apreciável em favor da liturgia da igreja romana, em seus livros e conferências, mesmo que eu desejasse, aqui ou lá, mais amor e compreensão pelo magistério do Papa e dos Bispos.
 
Que a semente que o senhor semeia cresça e traga frutos para uma nova vida renovada da Igreja, da qual a "fonte e o cume" são verdadeiro coração, é e será esta liturgia. Eu lhe dou de boa vontade a bênção pedida pelo senhor, cordialmente.
 
Josef Cardeal Ratzinger

    Para citar este texto:
"Carta do Cardeal Ratzinger ao teólogo Heins Lothar Barth"
MONTFORT Associação Cultural
http://www.montfort.org.br/bra/veritas/igreja/ratzinger_barth/
Online, 25/03/2017 às 08:47:14h