Igreja

Presente de Natal inusitado: um levante da Teologia da Libertação contra D. Odilo?
André Roncolato
 

 

André Roncolato Siano

Circulam em alguns jornais e na internet notícias sobre transferências de párocos feitas por D. Odilo neste final de ano, na Região Episcopal Ipiranga. Este fato teria comovido alguns paroquianos que, pelo grande apego cultivado ao cura, sofreriam com a ausência deste em virtude de sua substituição pelo novo pároco. A transferência de párocos é, de certo modo, comum nas Dioceses, e particularmente comum na Diocese de São Paulo, sendo muito bem conhecida pelos párocos e paroquianos. O fato também é previsto no Código de Direto Canônico, que regula as leis na Igreja Católica.  Portanto, não há qualquer novidade neste tipo de transferência, embora sendo evidente que, quando ocorrem, há lamentações de uns e regozijos de outros, sabe-se que agrado e desagrado fazem parte de mudanças deste tipo. Mas o curioso é que desta vez um assunto tão cotidiano e tão comum na diocese, ganhe notoriedade na internet e em até alguns jornais de circulação nacional como o piedosíssimo Estado de São Paulo, sempre muito favorável à doutrina da Igreja, como se sabe... É inevitável perguntar: o que leva o jornal Estado de São Paulo a se solidarizar com paroquianos magoados, publicando uma notícia estritamente eclesiástica? Não é este jornal tão favorável a separação entre a Igreja e o Estado e, em consequência, ao que ocorre na esfera civil e na esfera religiosa? Quem articula o ataque contra D. Odilo é o genérico Edson Silva – será para não ser encontrado na internet? – ou o ainda bem genérico e truncado, Edson G. P. O. Silva. Na verdade, Edson Gonçalves Pelagalo Oliveira Silva, presidente do CLASP, Conselho de Leigos da Arquidiocese de São Paulo. Esse conselho marxista tem seus estatutos aprovados pela Arquidiocese de São Paulo, sendo uma das condições para sua atuação a de não ter vínculos político-partidários. O tal Edson, entretanto é ligado ao PSB, Partido Socialista Brasileiro, que tem como finalidade a “implantação da democracia e do socialismo no País” e disputou cargo de vereador em 2004:   Figura 1: http://www.seade.gov.br/produtos/eleicoes/candidatos/index.php?page=pol_det&cand=97468   A aliança de Edson com o esquerdismo não se limita a pertencer a um partido repetidamente condenado pela Igreja. Ele ideologicamente se alinha com as ideias esquerdistas, comungando das ideias da Teologia da Libertação, que também foi condenada pelo Papa Bento XVI quando este ainda era o Prefeito da Congregação para a Doutrina da Fé. Assim, a dissertação de mestrado de Edson, claramente marxista, foi uma ampla defesa, embora misturada com sutilezas, da Teologia da Libertação. Veja-se a seguinte afirmação: “O Serviço Social no Brasil surge como campo para a crítica social e para elaboração de projetos que atendam às necessidades humanas. (...) Consequentemente contribui com o Movimento de Reconceituação nos anos 60, preparando os caminhos que viabilizam o rompimento com o que se considerou conservadorismo, adotando a teoria marxista como eixo de seu projeto político e pedagógico do curso, a partir de 1979.”(Edson Gonçalves Pelagalo Oliveira Silva, Serviço Social e a ação sócio-pastoral da Igreja Católica: Assistência, promoção humana e emancipação social, 2010, p. 145 – Destaques nossos) É preciso lembrar que a adoção de ideias do socialismo ou comunismo foram e continuam a ser condenadas pela Igreja. Mas os integrantes da esquerda, tão simpáticos à Teologia da Libertação que frequentam o CLASP, não se limitam ao abreviado Edson Silva. Como exemplo, cito mais alguns integrantes oficiais do CLASP muito bem relacionados com partidos de esquerda e com a condenada Teologia da Libertação, que mais uma vez se levanta contra o Cardeal Arcebispo de São Paulo: Darci Peruci, do conselho fiscal da CLASP, é filiada também ao PSB. Outra preciosidade do conselho fiscal da CLASP é Paulo César Pedrini, coordenador da Pastoral Operária e bem relacionado com os “movimentos populares” da Teologia da Libertação, sindicatos e com o Grito dos Excluídos. Aliás, Paulo participou vivamente das mobilizações de defesa do Bispo rebelde D. Pedro Casaldáliga. Outro que vai na mesma linha é José Ramos Cardoso, também do conselho fiscal da CLASP, articulador e participante das CEBs, sabidamente associadas à Teologia da Libertação. Como gostam de mexer com dinheiro esses que só pensam no pão dos pobres. Mais? É só ter um pouco de paciência para procurar. Para não dizer que a esquerda do CLAPS está só no conselho fiscal apresentamos mais uma figura desta estranha associação: Antonio Carlos Ribeiro Fester, da comissão de formação e teologia da CLAPS, que dispensa maiores apresentações, é autor do livro “Justiça e paz: memórias da comissão de São Paulo”, claramente TL e que mostra de maneira positiva a história da esquerda católica em São Paulo. Se os leitores tiverem paciência e quiserem pesquisar mais alguns nomes do clubinho da CLASP, muito provavelmente encontrarão ainda pessoas da TL. Como se pode ver, o tal CLASP é praticamente uma agência da TL, com estatutos incrivelmente aprovados pela Cúria Arquidiocesana, e que, ao que tudo indica, trabalham frequentemente, inclusive com relacionamentos partidários, para atacar o Arcebispo de São Paulo, como já fizeram recentemente na PUC, nas manifestações e agora com a questão da transferência de padres. Tão estranho quanto o ataque que o CLASP é o silêncio de outras organizações da Diocese e mesmo do clero na defesa de Dom Odilo. Ao que parece, pelo relacionamento dos integrantes oficiais do CLASP, há um amplo trabalho na Arquidiocese de São Paulo, promovido pela TL, para sabotar o governo episcopal. Uma empresa deste espectro, normalmente, não pode se dar senão apoiada por uma rede oculta de padres e clérigos que coordenem essa ação sistemática. O que na realidade pretenderia mais um ataque da Teologia da Libertação a D. Odilo? Esta é a pergunta que fica e para a qual talvez tenhamos a resposta em breve.

    Para citar este texto:
"Presente de Natal inusitado: um levante da Teologia da Libertação contra D. Odilo?"
MONTFORT Associação Cultural
http://www.montfort.org.br/bra/veritas/igreja/presente-de-natal-inusitado-um-levante-da-teologia-da-libertacao-contra-d-odilo/
Online, 21/07/2017 às 19:45:02h