Igreja

Declaração heróica de Dom Mayer
Dom Antônio de Castro Mayer


Ordenação de Varre-Sai

Nosso Senhor Jesus Cristo dotou sua Igreja de um sacrifício perfeito, visível como convém à natureza dos homens. Fê-lo na véspera de sua Paixão, na Última Ceia, oferecendo-se como vítima ao Pai Eterno, sob as espécies de pão e vinho. E or­denou a seus Apóstolos - que no momento constituiu sacerdotes - e aos seus sucessores, que renovassem aquele mesmo sacrifí­cio, essencialmente idêntico ao do Calvário, embora incruento: o Santo Sacrifício da Missa.

Portanto, o Sacerdócio católico, como Nosso Senhor instituiu, é essencial à Igreja. Sem o padre não há o Santo Sacri­fício da Missa. Só ele é o sacrificador. Ele é que administra os Sacramentos e dispõe as almas para recebê-los.

Ora, vivemos - ninguém nega - uma terrível crise na Igreja, que atinge profundamente o sacerdócio católico. A per­petuidade do Santo Sacrifício da Missa, a administração dos Sacramentos, a guarda e transmissão fiel da fé católica estão hoje séria e gravemente ameaçadas:
  1. pelo novo conceito do sacerdócio: mero presidente de assembléia, como entre os protestantes;
  2. pelos novos seminários, que não oferecem mais uma formação autenticamente católica, mas uma orientação libe­ral e permissivista, diametralmente. oposta às diretivas do Concílio de Trento e dos documentos pontifícios até Pio XII;
  3. pela nova liturgia, particularmente pelo novo rito da Missa, que "representa, tanto em seu conjunto como em pon­tos particulares, um afastamento impressionante da doutrina católica da Santa Missa";
  4. pelas iniciativas "ecumênicas" promovidas pela mais alta hierarquia, as quais conduzem a um radical indiferentis­mo religioso;
  5. pelas publicações que pululam por toda parte, invadindo paróquias e lares, atacando as verdades da fé e pregando abertamente a luta de classes, o comunismo e o socialismo.
Por tudo isso é inegável o gravíssimo estado de necessidade na Igreja. Necessidade de padres católicos para o Santo Sacrifício, para os Sacramentos, para a doutrina.

Quando as autoridades da Igreja se recusam a dar-lhe destes padres verdadeiramente católicos, um bispo não pode pretender ter cumprido seu dever, se limita a resistir na fé, como um leigo. Diante de Deus, de Quem recebi, na sagração epis­copal, aplenitude do poder de ordem, afirmo que, na presente crise, não só élícito, mas urge mesmo como dever impostergável utilizar destes poderes para o bem das almas.

Declaro, por fim, que só realizo esta ordenação sacerdotal por sabê-la inteiramente lícita e de acordo com a vontade da Igreja perene. Cumpro a missão que me foi confiada: transmito o sacerdócio católico que recebi.

Dom Antônio de Castro Mayer
Dezembro de 1988

 


    Para citar este texto:
"Declaração heróica de Dom Mayer"
MONTFORT Associação Cultural
http://www.montfort.org.br/bra/veritas/igreja/ordenacao-varre-sai-dom-mayer/
Online, 22/03/2017 às 21:18:25h