Igreja

A proximidade da Missa nova de Paulo VI com a ´ceia` Luterana
Marcelo Fedeli

Afirmações de Mons. Annibale G Bugnini, do jornal L'Osservatore Romano e de Jean Guitton, amigo íntimo de Paulo VI.
 
Sobre o "afastamento" da NOVA Missa de Paulo VI "da teologia católica da Missa"  [cf. cardeais Ottavianni e Bacci] à aprovação final por pastores protestantes em 1969 [cf. http://www.montfort.org.br/index.php?secao=veritas&subsecao=religiao&artigo=prot_missa_nova&lang=bra], vejam as seguintes citações:
 
1 - Mons. Annibale Bugnini, indicado por Paulo VI no dia 5 de maio de 1964 como Secretário da Comissão para elaborar o Novo Ordo, já em  março 1965 manifestava no jornal da Santa Sé, L'OSSERVATORE ROMANO, seu "desejo de eliminar [do futuro Rito em elaboração]  cada pedra que pudesse se tornar  ainda que só uma sombra de possibilidade de obstáculo ou de desagrado aos irmãos separados" (L'Osservatore Romano, de 11 de março de 1965; Doc. Cath. Nº 1445, de 4/4/1965, coll. 603-6040).
 
Pergunta-se: quais seriam as tais "pedras, obstáculos e desagrados" para os "irmãos  separados" , senão as orações e gestos que exprimiam muito claramente na liturgia romana as verdades católicas de sempre, tão repudiadas pelos protestantes, e reafirmadas no Concílio de Trento, como a Preseça Real na Eucaristia, o sacerdócio ministerial, e o caráter sacrifical e propiciatório da Santa Missa?
 
2 - L'Osservatore Romano de 13 de maio de 1967 [coincidentemente, na comemoração do 50º aniversário da 1ª aparição de Nossa Senhora em Fátima, e quando lá Paulo VI faz o seu famoso discurso enaltecendo os...."homens"...]:
 
"A reforma litúrgica realizou um notável passo na direção do campo ecumênico e se aproximou das formas litúrgicas da Igreja Luterana".
 
3 - Por sua vez, o filomodernista JEAN GUITTON -- amigo íntimo de Paulo VI --- e que no  livro "L’infinito in fondo al cuore", escrito juntamente com Francesca Pini, já afirmara que "a Missa de Paulo VI parece ser a tradução de um serviço protestante" (leia mais) - no dia 19 de dezembro de 1993, no debate "Lumière 101" da Rádio Courtoise,  declarou:
 
"..a intenção de Paulo VI em relação à liturgia, ou à vulgarização da Missa, era para reformar a liturgia católica para aproximá-la da liturgia protestante... à Ceia protestante. (...) repito que Paulo VI fez tudo o que estava em seu poder para aproximar a Missa católica --- apesar do Concílio de Trento --- à Ceia protestante".
 
Ao protesto de um sacerdote presente no debate, Guitton respondeu:
 
"A Missa de Paulo VI se apresenta principalmente como um banquete, não é verdade?... e insiste muito  pouco na noção de sacrifício, de sacrifício ritual (...). Em outras palavras, há em Paulo VI uma intenção ecumênica de eliminar, ou pelo menos de atenuar, o que há nela de muito 'católico', no sentido tradicional e de aproximá-la -- repito -- da Missa calvinista"! (UNA VOCE - Fança - maio/junho de 1994)

    Para citar este texto:
"A proximidade da Missa nova de Paulo VI com a ´ceia` Luterana"
MONTFORT Associação Cultural
http://www.montfort.org.br/bra/veritas/igreja/missa_nova_ceia/
Online, 23/08/2017 às 14:42:54h