Igreja

Ecce Nuntia: Lentes embaçadas e sem luz...
André Roncolato

"Entretanto, embora os socialistas, abusando do próprio Evangelho para enganar mais facilmente os incautos, costumem torcer seu ditame, contudo, há tão grande diferença entre seus perversos dogmas e a puríssima doutrina de Cristo, que não poderia ser maior" (Leão XIII - Quod Apostolici Muneris, 14).
 
            Veiculava-se nestes últimos dias, graciosamente pelo sítio da CNBB uma singela notícia intitulada No encerramento do FSM entidades assumem compromissos; sobre o Fórum Social Mundial que se pode ler na íntegra no endereço: http://www.cnbb.org.br/index.php?op=noticia&subop=10289.  Notícia esta, aveludadamente tecida pelo pacífico Rev. Padre Martinho Lenz, SJ. Provavelmente ele também participante do dito Fórum,  e enviado especial, para cobrir o evento. Mas, Padre Martinho não foi o único a cobrir o evento. Digamos que Padre Martinho não fez nenhum furo de reportagem em seu artigo.
Consultando outras agências de informação, percebemos como que uma divergência entre o noticiado pela CNBB e o que de fato acontecia no mencionado fórum.
Haveria uma espécie de lente filtrante nas informações que a CNBB publica aos católicos? A CNBB estaria censurando as informações?
Para a verificação disso, comparamos as mesmas informações dadas no artigo de Padre Martinho pela CNBB com as informações da agência de notícias ADITAL.
 A ADITAL é uma agência completamente insuspeita para fazer esta nossa comparação. Ela tem como colaboradores no Brasil, dentre outros, Frei Betto, além de membros da própria CNBB como Padre José Alfredo Gonçalves da Comissão Episcopal para o Serviço da Caridade, Justiça e Paz do Setor Pastoral Social da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil e que normalmente assessora Dom Demétrio Valentini bispo que se declara esquerdista (sinistrae libera nos, Domine); membro desta mesma comissão. E para que não se restem dúvidas quanto a isso, a ADITAL é chancelada com o prêmio CNBB  por "uma prática exemplar de jornalismo cidadão", como ostenta o multicolorido banner em destaque em seu website.
Montamos um quadro comparativo para que se vejam claramente as divergências:
 
CNBB (via Padre Martinho)
[1] (No encerramento do FSM entidades assumem compromissos; CNBB http://www.cnbb.org.br/index.php?op=noticia&subop=10289 )
 
ADITAL
[2] (Saudação à Revolução Bolivariana; ADITAL http://www.adital.com.br/site/noticia.asp?lang=PT&cod=20853)
Todos os destaques são nossos.
Salienta os aspectos pacíficos do Forum Social Mundial dizendo que Hugo Chávez falou em "trabalhar mais a opinião pública, pela desmilitarização da América Latina e pela PAZ", e que, no encerramento do FSM, "entidades assumiram compromissos".
Chávez, depois de citar Karl Marx e Rosa Luxemburg,  proclamou: ";Socialismo ou Morte!" [3]
Padre Martinho relata: "...o acampamento da Juventude fervia de atividades, criatividade e sonhos. (Faltou luz, mas sobrou energia!)".
Chávez declarou:"Não estamos aqui para perder tempo!", instigou. Chávez defendeu também que seja pensado um modelo "autenticamente socialista", mas que também respeite a singularidade de cada país, fato que, segundo ele, não ocorreu na União Soviética, o que acabou levando ao fracasso da experiência no Leste Europeu. [3]
O Monge Marcelo Barros "(presente no FSM...)brindou-nos com  momento de reflexão espiritual, numa celebração, durante o primeiro encontro do FSM com Chávez, dia 27. 
O Monge Marcelo Barros foi solicitado a introduzir Hugo Chavez em seu discurso revolucionário. Blasfema contra Cristo e ataca a Igreja. Por fim conclama Chavez como comandante da Revolução nestas palavras: "eu tenho a alegria e a honra de convidar a esta tribuna o homem que é símbolo e mais do que símbolo, guardião e comandante em chefe da revolução bolivariana: o presidente Hugo Chávez Frías...." [2]
Não há menção.
Chaves elenca os nomes dos presidentes dispostos a implemantar o comunismo castrista na América Latina: CHÁVEZ, KIRCHNER, EVO MORALES e LULA. "Hugo Chávez não teve dúvida em unir todos os presidentes "de esquerda" num só campo"; [3]
"Foi muito comentada a quase ausência de movimentos sociais venezuelanos.";
Não há menção. (Óbvio)
 
 
Antes de Hugo Chavez iniciar seu discurso marxista, Padre Marcelo Barros foi aplanar o caminho para ele.
Padre Martinho, efusivo, diz em seu artigo:

"O Padre Marcelo Barros brindou-nos com  momento de reflexão espiritual, numa celebração, durante o primeiro encontro do FSM com Chávez, dia 27";
[1]
 
O monge e padre Marcelo Barros, já é bem conhecido pelas suas missas macumbíferas e por sua petulância que chega a desafiar o próprio Papa. A partir daí, é possível imaginar, sem nenhum exagero, a "magnitude" e a "profundidade" desta "reflexão espiritual", comentada com louros e honras. Em sua "reflexão espiritual", o monge defende sem nenhum assombro a mais ampla gama de heresias e chega até à blasfêmia de igualar Cristo, que é Deus encarnado, com Buda e Maomé:

"Vocês sabem que os grandes iniciadores de caminhos espirituais foram todos grandes revolucionários e inspiradores de ideais transformadores. Na Índia antiga, Sidartha Guatama, o Buda, por solidariedade aos mais pobres, rompeu com sua vida de príncipe e iniciou o caminho que depois se chamou o Budismo. Na terra da Bíblia, Moisés e séculos depois Jesus de Nazaré, ambos se consagraram a libertar os excluídos. Séculos depois, na Arábia, o profeta Maomé... E assim poderíamos citar todos os grandes mestres da espiritualidade."
[2]
 
Para este monge herético e comunistóide, Cristo não passa de um "mestre espiritual". Para ele, sagrada é "a revolução" comunista:
 
"(...)se for uma verdadeira revolução, não precisa ser abençoada. Ela é que nos abençoa (...) Toda verdadeira e profunda revolução é, em si mesma, sagrada..."; [2]
 
O que causa perplexidade aos católicos é como a CNBB não condena veementemente tal atitude... pelo contrário, publica sobre ela uma notícia "aveludada".
            E o monge herético continua atacando a Igreja integralmente quando afirma com desdém: "A religião é outra coisa." [2]
E pacificamente padre Martinho homologa essas heresias chamando esta "reflexão" de "brinde"...
Como pode esta reflexão ser um "brinde" para qualquer católico, e, mais ainda, para um Sacerdote? Seria uma questão de simples otimismo de Padre Martinho, ou uma nota capciosamente preparada?
Ora, atacando a Religião Verdadeira, conseqüentemente ele ataca a Igreja, e desse modo se chega num ataque indireto aos próprios Bispos.
Como pode a CNBB mascarar uma ofensa indireta a seus membros, razão da existência de uma conferência episcopal? Mas, pior que isto, como podem permitir os Bispos do Brasil um ataque tão herético e explícito à Cristo, Verbo de Deus? Como podem nossos Bispos tolerar que Cristo e a Igreja sejam ultrajados por um Padre rebelde? Sabemos que existem, graças a Deus, ainda Bispos bons. Esperamos que exerçam sobremaneira, por fidelidade à Lei de Deus -- como o Papa Bento XVI pediu -- a Virtude da Fortaleza ... Ou se dobrariam os Bispos ao uivar solitário de um padre rebelde apoiado, talvez, por alguns poucos Bispos já sem força na voz porque já sem fé...
            Como o Papa São Félix III exortou: 

"Não se opor ao erro é aprová-lo e não defender a verdade é suprimi-la; com efeito, não denunciar o erro daqueles que praticam o pecado - quando o podemos fazer - não é pecado menor do que apoiá-los"
(Papa Leão XIII, Encíclica Inimica Vis)
 
Padre Martinho constata que "faltou luz..." [1]Caro padre! Faltou a LUZ! A Luz Verdadeira : Cristo... "et mundus eum non cognóvit"... Padre, é impossível encontrar a luz da verdade, tal como deve ser manifestada, em meio a heresia e a rebeldia. A Igreja sempre ensinou isso. Desde sempre. E sem luz não se enxerga nada: "...se um cego guia outro cego, ambos caem na mesma fossa" (Mt. XV,14)
Caro Padre, como é possível com lentes embaçadas e no escuro seguir a Via? Seguir na Via?
Depois de pronunciar tantos absurdos, o Monge Marcelo Barros faz uma honraria piegas e romantizada ao assassino Guevara:
 
"Vejam, ali perto de onde eu estava sentado, está Aleida Guevara. Como o teu papai gostaria de estar aqui conosco, agora, não Aleida? E como todos nós gostaríamos de ter aqui conosco o nosso companheiro, o comandante Che Guevara! (Todo o ginásio de esportes aplaude e se põe de pé). Pausa de emoção..." [2]
 
Mas quanta emoção! Só emoção, e diga-se, irracional. Cospe-se em Cristo Verbo de Deus, e clama-se por Barrabás, o assassino.
Por fim, o padre rebelde apresenta, confirma e abençoa o novo comandante da revolução comunista castrista na Amárica Latina:

"eu tenho a alegria e a honra de convidar a esta tribuna o homem que é símbolo e mais do que símbolo, guardião e comandante em chefe da revolução bolivariana: o presidente Hugo Chávez Frías....  (O presidente vem, me abraça, agradece minhas palavras e começa o seu discurso)." [2]
 
Prezados leitores, como se pode perceber, essa "singela" reunião que a CNBB trata com candura, e respeitando os tais "compromissos assumidos", se esconde na realidade uma manobra de grande envergadura, em mais uma das tentativas de se estabelecer o socialismo no Brasil e na América. Com a ajuda do PT, prole do clero esquerdista da condenada Teologia da Libertação. Com a cumplicidade do presidente Lula. Como confessa o próprio néo guerrilheiro Hugo Chávez, no artigo veiculado pela insuspeita ADITAL:
 
"Hugo Chávez não teve dúvida em unir todos os presidentes "de esquerda" num só campo, ao contrário do que tem sido a prática de alguns setores da imprensa mundial e de parte dos próprios movimentos sociais da América Latina. Ele acredita que Luiz Inácio Lula da Silva, do Brasil, Nestor Kirchner (Argentina), Ricardo Lagos (Chile) e, agora, Evo Morales (Bolívia), estão no mesmo campo, embora, segundo ele, "cada um nas suas circunstâncias, mas no mesmo caminho".[3]
 
Lula, o PT, Chavez, Fidel e seu séqüito, querem declaradamente o socialismo. E até onde podemos supor, pelo menos uma forte ala da CNBB também quer isso. Pois, como o dito popular exprime: "quem cala consente", a CNBB continua calada. Não houve oposição alguma a todas estas declarações. Principalmente nas que dizem respeito à Verdade de Cristo.
 
E essa imposição do socialismo na América é a qualquer custo. Bradava Chavez: "socialismo ou morte!" [3]. É um socialismo que deve ser imposto a preço de sangue.
 
Fidel é comunista. Chávez é comunista. Lula é comunista. O PT é comunista. E há uma tentativa como que orquestrada para assediar aos católicos afim de que eles adiram ao comunismo.
 
Fazemos questão de repetir insistentemente o que diz a doutrina da Santa Igreja sobre isso:
 
"Socialismo religioso, socialismo católico são termos contraditórios: ninguém pode ser ao mesmo tempo bom católico e verdadeiro socialista" (Pio XI - Quadragesimo Anno; o sublinhado é nosso).
 
Quem se declara socialista não pode ser católico! Quem se declara católico não pode ser socialista. Não há como unir a verdade e o erro. Ser socialista é romper com os mandamentos da Lei de Deus. Não dá para ficar no meio termo. Não existe meio termo. A lei de Cristo é do "Sim, Sim, Não, Não". A lei de Deus premia os bons e castiga os maus, e é misericordiosa e bondosa para os que se arrependem e se voltam para a verdade: "Dignum et justum est", cantamos na Missa.
Rogamos a Deus Nosso Senhor, que nos conceda a fortaleza e o entendimento necessário a nós, e, principalmente, ao nosso clero para que combata essas heresias e esse novo levante sub-reptício e sibilante do comunismo na América e no Brasil. Para que façam isso por amor a Deus e à Santa Igreja, e, por obediência e comunhão com o Santo Padre, que combatam destemidamente os lobos que querem devorar as ovelhas do rebanho de Cristo.
  
 
In die judicii, ut nobis parcas, Domine.
André Roncolato

    Para citar este texto:
"Ecce Nuntia: Lentes embaçadas e sem luz..."
MONTFORT Associação Cultural
http://www.montfort.org.br/bra/veritas/igreja/lentes_embacadas/
Online, 21/09/2017 às 19:55:27h