Igreja

Dom Williamson é demitido da direção de seminário
DICI

 
Num Comunicado da agência DICI, a FSSPX explica a atual posição de Monsenhor Williamson e informa que ele foi demitido por Dom Fellay da direção do seminário de La Reja em Buens Aires.
 

 
A FRATERNIDADE SÃO PIO X DIRETAMENTE
 
Comunicado de DICI, sobre a entrevista que Mons. Williamson deu ao 'Der Spiegel'
9/2/2009
 
  
A entrevista que Mons. Richard Williamson concedeu a Der Spiegel não dia 9 de Fevereiro último, foi apresentada, já  antes de seu aparecimento, como uma negativa à solicitação da Santa Sé de 4 de Fevereiro de 2009.
 
Inclusive alguns chegaram a afirmar que “Monsenhor Williamson insiste”, para indicar que oe perseverava em seu negacionismo e que em absoluto desejava corresponder ao comunicado da Secretaria de Estado que lhe pedia “tomar públicamente distância e de modo inequívoco” de suas decarações sobre o holocausto.
 
Atualmente os leitores têem à disposição, não algumas passagens, mas o texto completo da entrevista, podendo assim observar que Mons. Williamson não recusa reconsiderar as decarações feitas à televisão sueca em 1º de Novembro de 2008 (difundidas no dia 21 de Janeiro de 2009) mas não quer “afirmar nada do que não esteja convencido”. Por eiso decidiu estudar o livro de Jean-Caude Pressac que contradiz as teses negacionistas: Auschwitz. Technique and operation of the gas chambers (1989).
 
Longe de ser uma negativa, e inclusive uma manobra dilatória, a decisão de Monsenhor Williamson expressa uma vontade de se informar objetivamente, abordando a tese contrária a que ele havia aderido até o presente. “Por causa de minhas investigações nos anos 80’ —assinala—, estava convencido da exatidão de minhas declarações (…) Devo reconsiderar tudo e analizar as provas”.
 
Acaso se preferiria ver Mons. Williamson sustentar uma tese anti-negacionista únicamente sob efeito de uma ordem? A sinceridade de tal postura seria mais que suspeita aos olhos de todos. Renova sem adiamento as condenações da Igreja contra o antisemitismo, “coisa que vai de si —reafirma— numa religião na qual seu Fundador e principais personagens são judeus de nascimento”.
 
Manifesta que sua análise levará tempo. Suportará a verdade histórica esta espera? Os fatos científicos deixarão de ser tais com o tempo? De modo algum. Contrariamente ao que afirma o jornalista do Der Spiegel, a Fraternidade não deu um “ultimátum” a Mons. Williamson; pediu-lhe que estude essas questões num prazo razoável. Não se lhe pode reprovar que leve tempo para chegar a conclusões convincentes.
 
Monsenhor Williamson, como ele mesmo indica em sua entrevista, não deseja “de modo algum prejudicar a obra da Fraternidade”; é por isso que aceitou em 31 de Janeiro a decisão do Superior General de retirá-lo de seu cargo de diretor do Seminário de La Reja (Argentina). [Destaque do tradutor]
 
Desejando colocar em perspectiva a campanha midiática de que ele é objeto, Monsenhor Williamson conclui assim sua entrevista: “Não sou mais do que um instrumento utilizado para agirem contra a Fraternidade São Pío X e contra o Papa. É evidente que os católicos de esquerda ainda não perdoaram ao Cardenal Ratzinger ter se tornado Papa”.
 
Por fim, os quatro Bispos da Fraternidade São Pío X dirigiram uma carta ao Papa Bento XVI datada de 29 de Janeiro de 2009, para expresar lhe seu unânime beneplácito pelo decreto de 21 de Janeiro de 2009, que retira o decreto de excomunão de 1988 [Destaque do tradutor].
 
[Tradução: Montfort. Texto original em francês na DICI]

    Para citar este texto:
"Dom Williamson é demitido da direção de seminário"
MONTFORT Associação Cultural
http://www.montfort.org.br/bra/veritas/igreja/demissao-williamson/
Online, 21/09/2017 às 19:57:25h