Igreja

A conversão do homem a Deus é a tarefa da Igreja
Pe. Nicola Bux e Pe. Salvatore Vitiell

Cidade do Vaticano (Agência Fides) - Jesus quis a Igreja para falar de Deus ao mundo e para que o homem se converta e viva. Mas, ao invés, sempre mais frequentemente nos deparamos com livros escritos por cristãos e intervenções públicas de Pastores que descrevem ou induzem a compreender a Igreja como fenômeno geográfico e político, a ponto de se julgar a eficácia caso vença ou não ‘o desafio’, ou melhor, ‘os desafios’ - palavra preferida de leigos e eclesiásticos - colocadas a ela naturalmente e sempre pelo mundo.
 
Assim está-se atento a verificar que esta defenda os direitos humanos e não as ditaduras, que proteja os povos em extinção ao invés de se interessar de economia, e assim por diante.
 
Mas a Igreja é chamada justamente a isso? Essa é a sua missão? Esse é o motivo pelo qual seu fundador Jesus Cristo a instituiu? Hoje, a sua própria extensão global, fato pelo qual recebe o atributo de católica, pretende-se que seja avaliada segundo os parâmetros das multinacionais: ou seja, quanto do ‘produto religioso’ de um continente esta consegue implantar em um outro, de preferência com todas as atenções ao made in, ou seja, à inculturação, outra palavra mágica que Jesus infelizmente não conhecia no momento em que convidava os seus a ir a todo o mundo. Tanto é verdade que hoje é mais importante que um missionário saiba tudo da cultura dos homens de uma nação do que da sua sede de Deus, sempre igual em todos os tempos e sob todas as latitudes. Pois bem, hoje se tornou mais importante entender os desafios que as culturas e as mentalidades representam para a Igreja do que não o apelo à conversão que Jesus desejava e deseja dirigir a todo homem de todos os tempos, anunciando-lhe o Evangelho, já que, no seu início, há o apelo à conversão (cfr Mc 1,14-15).
 
Os movimentos eclesiais hodiernos, assim como as ordens mendicantes medievais e as congregações religiosas modernas, se moveram da Europa para dar a conhecer o nome de Jesus a quem ainda não o conhecia, porque de tal modo ele recebe a saúde da alma e do corpo, ou em termo clássico, a salvação. A tal fim, essas formações não são emanação de uma mega associação de voluntariado para revolver definitivamente a fome ou levar a paz ao mundo ou outras semelhantes graves emergências, nem os missionários são heróis chamados a gestos épicos parecidos: uns e outros fazem parte da Igreja, e são chamados simplesmente a fazer hoje a “nova evangelização”, - termo cunhado por João Paulo II, mas elaborado por Paulo VI no rastro do impulso à missão dado com a Fidei donum por Pio XII - porque o homem secularizado europeu ou norte-americano, aquele pobre latino-americano, africano ou asiático, sem conhecer o Evangelho de Jesus permanece ainda mais pobre, privo da resposta ao sentido da vida.
 
Mudam os Papas, mas a Igreja e a sua missão permanecem a mesma desejada por Jesus: a conversão do homem a Deus. O Senhor fez a Igreja para doar ao homem o conhecimento d’Ele do Pai; por isso, o encontro com Jesus é a motivação exaustiva de toda sua ação, inclusive social. E isso explica o motivo pelo qual à Igreja não importa, e não pode importar muito, o sucesso mundano ou a resposta, e talvez a vitória, sobre os ‘desafios’ do mundo. Cristo disse que já venceu o mundo (cfr Jo 16,33): em que sentido? Basta que um único homem abandone o pecado e se converta ao amor de Deus: Deus caritas est. Se depois, como acontece, isso ocorre a muitas pessoas em uma nação mais do que em outra, em um tempo mais do que em outro, é somente por causa da sua graça e não do ‘plano pastoral’ - outra palavra hoje abusada, que substituiu aquela bem mais significativa de ‘apostolado’ -. Assim renasce sempre desde o início o povo de Deus. E a Igreja tem a única tarefa de custodiar a fé do povo de Deus.
 
A conversão e a fé não dependem simplesmente das formas e dos modos, da adaptação - como se diz - das categorias teológicas elaboradas no Ocidente. Dois exemplos: à Igreja, depois de cuidar de cada homem doente, não se pede para elaborar ou apoiar planos de saúde de prevenção da Aids, mas ajudar cada ser humano a entender que o coração e o corpo, se for abstêmio de toda impudicícia, como diz Paulo, não contraem nenhuma doença física e moral: à Igreja não se pede para ser majoritária mais que minoritária em um continente, ou entender como é vista pela mentalidade dominante, enquanto a sua tarefa não é manter uma negociação ou, como se diz hoje, um diálogo inter-religioso, mas promover o único diálogo que Jesus veio promover com homens religiosos ou não, morais ou imorais, mas que sejam todos atraídos por Ele, tenham o desejo de abrir-se a Deus e converter-se. Somente deste modo a Igreja tem as “cartas em regra” diante d’Aquele que a quis para a salvação do mundo. (Agência Fides 6/9/2007)
 

 
COMENTÁRIO
 
Em relação ao artigo acima dos teólogos do Papa Bento XVI,  Pe. Bux e Pe. Vitiello, acima, imagino o seguinte e CLARO 'COMUNICADO da CNBB' --- tão pródiga de palavras e expressões mágicas -- aos homens e mulheres’, ’ irmãos e irmãs’ , etc e etc., deste imenso Brasil, conforme segue:
 
Texto imaginário
 
“O artigo acima vai propiciar o início de um processo de reflexão, estudo e mobilização em todas as atuais e atuantes 26 Pastorais da CNBB, sempre na escuta’, visando criar momentos de debates e aprofundamentos e apresentar propostas para a aplicação das concretas mudanças que vêm sendo implantadas pelo Vaticano. Tudo isto buscando rearticular as forças sociais e jamais esquecendo que é preciso repensar a sua prática e a metodologia para o acompanhamento dos cristãos comprometidos.
 
E para aplicação imediata das diretrizes do Revdo. Pe. Bux, será criada uma nova Pastoral que organizará o Mutirão do Respeito Mútuo para possibilitar o surgimento de uma mentalidade mais solidária, além de tornar-se um espaço unitário de partilha e de memória, diálogo e de conscientização da nova realidade eclesial, sempre na linha de uma nova ética que aponte para uma nova dimensão comunitária, mais criativa e participativa.
 
Assinado: Secretaria Regional pela Secretaria Nacional"
 
 
Texto muito 'claro'....não?...
 
Enquanto isso, porém, fico em dúvida se os pobres fiéis vão entender claramente que, segundo as palavras do Pe. Bux, a CNBB precisa realmente seguir as ordens de Nosso Senhor: “Ide e ensinai a todos os povos, batizando-os....”  (Mt 28, 19) e “Procurai primeiro o Reino de Deus e sua justiça, e tudo o mais vos será dado por acréscimo” (Mt VI, 33), substituídos que foram respectivamente por “Ide e dialogai.. protestando contra as imposições do Vaticano ..”  e “Procurai primeiro o Reino do Homem e seus Direitos ...não querendo ver que, assim, todas as desgraças desta terra, uma a uma,  sobre nós vão caindo neste Reino do Homem.
 
Marcelo Fedeli

    Para citar este texto:
"A conversão do homem a Deus é a tarefa da Igreja"
MONTFORT Associação Cultural
http://www.montfort.org.br/bra/veritas/igreja/conversao_igreja/
Online, 30/03/2017 às 07:41:46h