Igreja

Conferência dos Bispos alemães contra a readimissão da FSSPX
Conferência Nacional dos Bispos da Alemanha

 
A Conferência Episcopal alemã lança nota irritada contra a readmissão da FSSPX ao seio da Igreja

 
 
Declaração dos Bispos da Alemanha
sobre o atual caminho da Igreja Católica,
Hamburgo, 5 de Março de 2009
 
O levantamento da excomunhão dos quatro Bispos da Fraternidade Sacerdotal de São Pio X, depois de vinte anos, deu lugar a muita discussão na Alemanha e em todo o mundo, tanto dentro como fora da Igreja, e foi discutido em detalhe durante a Assembléia Geral da primavera de 2009. Chegamos a uma reiterada opinião, à qual damos particular importância.
 
1. A Fraternidade Sacerdotal de São Pio X separou-se da Igreja Católica. A seus Bispos e sacerdotes, mesmo depois de levantada a excomunhão dos Bispos não lhes é permitido celebrar a Santa Missa ou outros sacramentos. De modo especial, as ordenações sacerdotais anunciadas para este ano violam a ordem e a lei da Igreja. Pediremos à Sé Apostólica uma pronta explicação sobre quais são as conseqüências para um Bispo que as faça. O responsável na Cúria deve fazer rápidas melhoras na coordenação e na comunicação com as conferências episcopais. Isso é especialmente certo para situações de conflito.

2. A Fraternidade Sacerdotal São Pío X não está então em comunhão com a Igreja Católica, porque está fora da tradição da Igreja, pois rompeu a unidade com o Papa. Cabe à Fraternidade Sacerdotal São Pío X superar o cisma por meio de um processo de reintegração e de aceitação da unidade com o Papa e a doutrina da Igreja. O Santo Padre o Papa Bento XVI ao levantar a excomunhão dos Bispos lhes estendeu a mão como gesto de acomodação. É responsabilidade da Sé Apostólica determinar se a Fraternidade Sacerdotal São Pio X está preparada para afirmar e adotar claramente as convicções religiosas de toda a Igreja, e especialmente o ensinamento dos Papas e dos concílios. Os documentos do Concílio Vaticano Segundo pertencem à tradição Católica e não podem ser anulados, nem também os textos sobre a liberdade religiosa e as relações com as religiões não Cristãs, sobre o ecumenismo e sobre a Igreja no Mundo Atual, e os pronunciamentos sobre a colegialidade dos Bispos em sua relação com a autoridade papal.
 
3. Em tal contexto, lamentamos, que tenha nascido a incerteza sobre o caminho da Igreja. Experimentamos isso nas conversações e nas comunicações. Muitos Bispos já deram esclarecimentos numa etapa anterior. As condições teológicas e pastorais especialmente do Concílio Vaticano Segundo são o óbvio fundamento de nossos esforços para renovar espiritualmente a Igreja na Alemanha e dar respostas de fé sobre aspetos religiosos de nosso tempo, nova força da palavra e de ação. Esperamos que nas próximas semanas um novo interesse nas dinâmicas e nas orientações do Concílio Vaticano Segundo sejam despertadas. Essa é uma oportunidade que queremos utilizar.

4. Especialmente deprimente é a negação do Holocausto feita por um Bispo da Fraternidade Sacerdotal São Pio X e as correspondentes correntes anti semitas na Fraternidade Sacerdotal. Falta ainda um sério distanciamento da parte interessada de tais atitudes inaceitáveis, como a própria Sé Apostólica afirmou, em uma etapa anterior. O Papa Bento XVI em várias ocasiões afirmou claramente que a Igreja Católica repele as atitudes anti semitas e anti judias. Agrada-nos que o Santo Padre nas últimas semanas tenha podido continuar o diálogo com proeminentes representantes judeus. Na Alemanha, várias importantes reuniões com representantes judeus tiveram lugar, nas quais houve oportunidade de falar abertamente de temores e medos, e de aprofundar o compromisso mútuo. Somos agratos por isso, e levamos adiante esses esforços.
 
5. Infelizmente, comentários sobre os atuais eventos também foram feitos nas últimas semanas, os quais representaram o contexto de uma forma parcial e polêmica. Mesmo no interior da Igreja, houve vozes e ações sem caridade, extremamente parciais, ou inclusive degradantes, que prejudicaram a unidade. Deploramos esse estilo de tratar com os outros. Sobretudo, repelimos qualquer intento de por em dúvida a reputação e a integridade do Papa, de negar a constituição da Igreja Católica e de trabalhar para dividir.
Não ficou esclarecido se a Fraternidade Sacerdotal São Pio X está em plena comunhão com a Igreja Católica. Parece que muito fala contra isso, agora. Porém não é essa a questão sobre a qual predominantemente atuamos, senão a preocupação pelo fortalecimento e a renovação da vida eclesiástica, e dar testemunho de sua substancial, multifacético serviço. Nesse esforço, trabalhamos com os sacerdotes e diáconos, com a equipe a serviço da Igreja e com todo os crentes, que de muitas maneiras proporcionam seu fortalecimento e sua habilidade para atuar. A Igreja vive da associação da vocação e o compromisso correspondentes à missão dada pelo Senhor Ressuscitado. Confiados a Ele, com uma só voz, pedimos sua bênção.

    Para citar este texto:
"Conferência dos Bispos alemães contra a readimissão da FSSPX"
MONTFORT Associação Cultural
http://www.montfort.org.br/bra/veritas/igreja/cnba-contra-fsspx/
Online, 19/09/2017 às 14:08:46h