Igreja

Presença real de Cristo na Eucaristia: Papa Bento XVI contra Padre Joãozinho
Orlando Fedeli

 
     Bento XVI, em sua audiência pública de ontem, 2 de setembro de  2009, falando sobre São Odo, disse palavras que parecem até uma intervenção na polêmica que mantemos em defesa da presença real de Cristo na Eucaristia contra as heresias de Padre Joãozinho da Canção Nova.
 
     Repare-se como as palavras do Papa caem como carapuça na cabeça de Padre Joãozinho, condenando a heresia que ele defendeu, ao negar a presença real de Jeus na hóstia consagrada.
        
*****
 
Vaticano
Audiência Geral
 
Desprender-se de coisas efêmeras para desejar as eternas, pede o Papa Bento XVI
  
 
 
        Vaticano, 02 Set. 09 / 11:50 am (ACI).- Na Audiência Geral desta quarta-feira, celebrada na Sala Paulo VI no Vaticano, o Papa Bento XVI.

        Retomando as catequeses sobre os grandes Santos da
Igreja do Oriente e do tempo medieval no Ocidente, Bento XVI dedicou a de hoje a São Odo, o segundo abade da famosa Abadia de Cluny, na França. "Desde aquele centro de vida espiritual pôde exercer um grande influxo nos monastérios do continente europeu", difundindo a vida e a espiritualidade inspiradas na Regra de São Bento. Faleceu no ano 942. alentou aos fiéis a desprender-se das coisas efêmeras para desejar as eternas, centrando-se na Eucaristia como fonte e cume da vida

        O Papa Bento recordou que entre as virtudes do santo destacam "a paciência, o desapego pelas coisas terrenas, o zelo pelas almas, seu empenho pela paz, o cumprimento dos mandamentos, a atenção aos pobres, a correção dos jovens e o respeito pelos anciãos".
 
       "Merece uma particular menção a devoção ao Corpo e ao Sangue de Cristo, que Odo, frente a um estendido descuido que deplorava energicamente, cultivou sempre com convicção. Estava realmente persuadido da presença real, sob as espécies eucarísticas, do Corpo e o Sangue do Senhor, em virtude da conversão 'substancial' do pão e do vinho".

        São Odo dizia que "só quem está unido espiritualmente a Cristo pode participar dignamente de seu Corpo eucarístico; em caso contrário, comer sua carne e beber seu sangue não seria de proveito, mas sim de condenação", prosseguiu o Papa.


            O Pontífice explicou além que "São Odo foi um verdadeiro guia espiritual também para os fiéis de seu tempo. Frente à 'imensidão dos vícios' difundidos na sociedade, o remédio que propunha com decisão era uma mudança radical de vida, baseado na humildade, na austeridade, no desprendimento das coisas efêmeras e na adesão às eternas".

            Depois de destacar do santo a "profunda bondade de seu ânimo; sua austeridade", o Papa disse que "difundia ao seu redor a alegria da que lhe embargava. Com sua ação incisiva alimentava nos monges, assim como nos fiéis leigos de seu tempo, o propósito de progredir com passo solícito pelo caminho da perfeição cristã".

            "A bondade de São Odo, a alegria que deriva da fé toque nosso coração e que também nós possamos encontrar a fonte da alegria que vem da bondade de Deus", concluiu.


            Em sua saudação aos fiéis de língua espanhola, o Papa Bento XVI assinalou que São Odo, "amava contemplar a misericórdia de Cristo, a quem qualificava como 'amante dos homens', que morreu por nós. Sob sua austeridade de reformador, destacava sua profunda bondade, difundindo em seu entorno a alegria que o inundava".

            Ao finalizar a Audiência, o Papa retornou em helicóptero a Castel Gandolfo.

    Para citar este texto:
"Presença real de Cristo na Eucaristia: Papa Bento XVI contra Padre Joãozinho"
MONTFORT Associação Cultural
http://www.montfort.org.br/bra/veritas/igreja/bento-xvi-joaozinho/
Online, 20/11/2017 às 21:08:08h