Igreja

Abusos persistem
Dom Aloísio Roque Oppermann

 
     Durante a  sessão do Concílio Vaticano II, em outubro  de 1963, a maioria dos Padres novos (entre os quais eu me encontrava), procurou aplicar na prática o que se aprovava em Roma.
     
     Nós líamos no jornal hoje, o que tinha sido votado pelos Bispos, a respeito da Liturgia, e amanhã já aplicávamos. Era uma grande falta de preparo disciplinar. Não esperávamos a aprovação do Papa , nem a promulgação da “Sacrossanctum Concilium”, nem muito menos a sua regulamentação. Posso, no entanto, garantir que fazíamos isso, não movidos pela má fé. Naquela época vigia uma espécie de “vácuo” de regras claras. Em assuntos de Liturgia, tudo se considerava em fase de experiência.
 
     Quase todo celebrante se considerava habilitado para inovar, criar, mudar e acrescentar. Não sem razão, muitos fiéis manifestavam o seu descontentamento, e a sua estranheza. Depois de melhores estudos, aos poucos a disciplina tornou a vigorar. Descobrimos, sim, que a criatividade é muito importante, para haver boas celebrações. Mas para o bem dos fiéis, foi preciso reconhecer que as regras, os ritos estabelecidos,  precisavam ser rigorosamente observados. O rito não pode ficar à mercê da vontade do celebrante, sobretudo quando se trata da Missa.
 
     Mas resquícios daquela indisciplina pós-conciliar, ainda sobrevivem. Apesar de o Concílio ter determinado que “regular a sagrada Liturgia compete unicamente à autoridade da Igreja, a qual reside na Sé Apostólica...” (SC 22, § 1), muitos ainda ultrapassam sua própria autoridade.
 
     Fazem Leigos rezarem partes da Oração Eucarística (não entenderam que as Anáforas são uma oração presidencial); dizem “abençoe-nos o Deus todo-poderoso” ( não sabem que fazem as vezes de Cristo cabeça, que em seu nome abençoa os fiéis);  fazem shows de pirotecnia que não fazem parte da celebração (em vez de celebrar a Cristo, celebram-se a si mesmos); não usam o missal, “inventando” orações de sua própria lavra (esquecem-se até de invocar o Espírito Santo);  não usam as vestes litúrgicas prescritas pela Igreja (desprezam o que pede o Papa, mas obrigam os fiéis a aceitar suas invenções); após a consagração interrompem a Missa para abrir espaço à adoração ao SSmo (esta só tem lugar fora da celebração). É muito melhor celebrar como pede a Santa  Igreja. Só assim está garantida a verdadeira piedade, o sagrado, enfim o mistério divino.
 
Dom Aloísio Roque Oppermann scj  -  Arcebispo de Uberaba, MG

    Para citar este texto:
"Abusos persistem"
MONTFORT Associação Cultural
http://www.montfort.org.br/bra/veritas/igreja/abusos-persistem/
Online, 21/10/2017 às 17:43:17h