Crônicas

Vi, ouvi, vivi
Orlando Fedeli


Muito prezado Dr. C.,

O sr. me pediu que fizesse uma epígrafe para sua tese de doutorado, e explicou-me que ela demonstra que, certas afirmações pseudo científicas, tidas até há pouco como "verdades absolutas", não passavam de meras opiniões ilusórias.

Quantas vezes esse caso não se repetiu, na História!

Os homens, freqüentemente se deixam enganar por aparências, e apressadamente afirmam como verdades absolutamente certas, as ilusões que primeiro lhes caem sob os olhos. A rotina, a preguiça, a falta de coragem de enfrentar o que diz a maioria, leva essas ilusões a serem mantidas como certezas, ou, como o sr. se exprimiu, como "verdades absolutas"...

Não que não haja verdades absolutamente certas, alcançáveis pelo espirito humano. Afinal, uma tese procura exatamente provar uma verdade de modo seguríssimo. Porque, se não houvesse possibilidade de atingir o conhecimento certo da realidade, vã seria a Ciência.

O que ocorre, com freqüência, é a troca da verdade pela ilusão.

O cientista, como investigador, procura diligentemente as pistas para solucionar um problema. Certo, ele pode enganar-se. Mas, se tiver olhos claros para procurar a verdade, indubitavelmente a alcançará, embora isso exija esforço e paciente análise da realidade, que deve ser contemplada sem preconceitos, e sem precipitação. Como dizia Dante, é preciso tudo olhar "com occhio chiaro, e com afetto puro".

Tanto quanto as pistas de umidade no deserto, as pistas da verdade, no mundo em que vivemos, são difíceis de serem discernidas entre as aparências e as ilusões

No deserto das aparências ilusórias, devemos buscar o poço da verdade com atenção, sabendo descartar os sinais enganadores daqueles que são verdadeiros. Porque toda a natureza manifesta os vestígios de seu Criador. Porém, se a natureza for contemplada sem a necessária acuidade, morrer-se-á de sede, por ter seguido falsas e enganadoras pistas, sem ter tomado a água do poço da verdade.

Pois que, no deserto em que vivemos, as miragens facilmente nos desviam do caminho da verdade. Por isso, bem foi escrito que Isaac chamou o poço da verdade: "Vive quem me vê". Quem não vê o poço da verdade no deserto deste mundo, acaba por morrer de sede.

Por isso foi escrito:

"No entanto, Isaac passeava pelo caminho que conduzia ao poço chamado "Vive quem me vê"; porque habitava no país meridional [no deserto de Negev] e tinha saído ao campo para meditar, ao cair da noite. E tendo levantado os olhos, viu, ao longe, vir os camelos [que lhe traziam Rebeca]" (Gen. XXIV, 62-84).

Permita-me, meu caro Dr. C., comentar um tanto, para o senhor, esses lindos versículos do Gênesis, a fim de esclarecer a epígrafe, que vou lhe propor, para sua tese de Doutoramento, resumindo o espírito que orientou a sua pesquisa, e que dirige seu trabalho cotidiano.

Com efeito, que faz o médico em seu trabalho, senão, entre as aparências da sanidade, investigar a doença, como o homem que passeava no Negev, buscando, entre as miragens das pistas ilusórias, o caminho certo, ainda que pouco seguido, e mesmo desprezado, o caminho que leva ao poço da verdade? Pois só "Vive quem o vê". E quem não o vê, certamente perde sua vida, morto pela sede, que as ilusões não saciam jamais.

O texto do Gênesis, acima citado, é "cheio de graça e de verdade".

A cena se passou há tantos séculos...

Num entardecer dourado, entre as dunas do Negev.

Um homem rude saiu ao campo para meditar, ao cair da noite. Nem imaginava ele que, milhares de anos depois, ainda haveria homens que tirariam fruto de seu passeio meditativo!

Mesmo em nosso século científico -- pobre século que morre sedento, bem longe do poço da verdade -- esse homem tido quase como um primitivo, pode ensinar, com sua meditação ambulante entre as dunas douradas e secas, como evitar o falso caminho das ilusões, e como atingir o poço da verdade, que nos clama, até hoje: "Vive quem me vê".

No deserto, quem não tiver olhos claros para perscrutar os menores e quase imperceptíveis sinais de umidade, os sinais que indiscutivelmente manifestam a presença da água vivificante e salvadora, oculta sob o solo ressequido, este certamente morrerá, porque não foi capaz de encontrar o caminho do poço "Vive quem me vê".

E esse caminho é desprezado pela turba dos que desejam apenas as soluções fáceis, que se oferecem aos olhos através das miragens e das ilusões. O caminho do poço "Vive quem me vê", é o normalmente desprezado, porque exige esforço para ser encontrado, e tenacidade para ser percorrido. Aparentemente, nele, tudo parece indicar que se caminha para o fracasso e para a morte. E, entretanto, quem for sagaz para ver com olhos claros, esse verá as pistas e os sinais, quase que ocultos, que levam ao oásis fecundo da verdade absoluta.

Está escrito que Isaac saiu a meditar no campo, "ao cair da noite".

Por que "ao cair da noite"?

Porque, no entardecer, a visão é pouco distinta, exige mais atenção do olhar. É evidente que a meia luz exige mais meditação.

Assim também, no mundo em que vivemos, no deserto em que buscamos a água da verdade, as coisas nos aparecem pouco claramente, facilitando os enganos. Daí a necessidade de Isaac meditar no caminho. Meditar, isto é, analisar o que se vê vagamente, para descartar o falso do verdadeiro.

Não que a realidade seja, de si, mentirosa. Pelo contrario, a realidade é sempre verdadeira. É a pouca luz do entardecer, no deserto das aparências enganadoras, que nos faz confundir a ilusão com a realidade. A sombra com a luz. A miragem com o real concreto.

A realidade é sempre a fonte da verdade. É dela que devemos partir. É a realidade que devemos examinar com olhos claros, mesmo quando cai a noite obscurecedora da visão. Ao cair da noite, é preciso meditar mais, isto é, examinar e analisar com mais cuidado os dados do real, pois eles nunca mentem. Nós é que podemos nos iludir.

O mundo criado por Deus é sempre inteligível, para quem sabe procurar os sinais de água e cavar, então, o profundo poço da verdade.

Todo ser é inteligível, porque criado pela Inteligência do Criador. E todas as coisas refletem, em seu ser, a Verdade do Criador. Todas as coisas são prenhes de verdade. Mas, para compreendê-las, é preciso ter o coração reto, e os olhos claros. Os puros de coração verão a Deus, através do véu das criaturas inteligíveis.

O sr. talvez conheça a bela poesia de Corneille, na qual faço alguma adaptação:

Si ton coeur était droit...

Si ton coeur était droit, toutes les créatures
te seraient des miroirs et des livres ouverts,
où tu verrais sans cesse, en mille lieux divers,
des modèles de vie et des doctrines pures.

Toutes, come à l’envie, te montrent leur Auteur,
Il a dans la plus basse imprimé sa hauteur,
et dans les plus petite Il est plus admirable:

De sa pleine bonté, rien ne parle à demi,
et du vaste océan la masse épouvantable
ne l ‘étale moins que la moindre fourmi.

Et tous les êtres ne parlent que de Lui
dès la Sainte Vierge au petit grain de sable,
dès la petite étoile au Soleil à midi."

Tudo canta a glória de Deus: as colinas e as montanhas, as nuvens e as tempestades, a brisa e o furacão.

Tudo é inteligível.

Até o câncer.

E até mesmo no tenebroso poço do câncer, o médico busca a verdade que cura.

Só que essa busca exige meditação e compreensão. Sem preconceitos. Sem ilusões.

Muitos se deixam enganar pela realidade material, considerando-a a única verdadeira. Sem dúvida, até na matéria há verdade. Mas, sob o véu da matéria a Ciência busca a forma substancial, a verdade daquele ser, que faz do ser o que ele é.

A matéria, de si, é como a letra, enquanto a forma é como a idéia que a letra permite transmitir. Ficar apenas na letra é não compreender a realidade como ela, de fato, é.

A letra, sem dúvida, é necessária para comunicar a palavra. Mas, na letra, o que vale é a idéia. A palavra é um sopro, na qual a verdade é a luz.

Tomar a letra pela verdade, o sopro pela luz, é confundir o sustentáculo com o sustentado. Precisamos, sem dúvida, da letra e do sopro. Mas, sopro e letra são veículos. Quem os toma como a verdade, se engana com miragens. Morrerá no deserto das aparências, sem encontrar jamais o poço do "Vive quem me vê", no fundo do qual jaz a água fresca e pura da verdade.

Todas as coisas falam analogicamente do Criador e só dele falam.

O mundo foi criado através da palavra de Deus. Ao criar, Ele pronunciava uma palavra e a coisa passava a ser. Cada criatura é a cristalização de uma palavra de Deus. Daí, como explica São Boaventura, o universo ser um poema. Um poema que devemos ler. Um poema que devemos saber ler. E há tantos "analfabetos" cósmicos, hoje, que sabem ler a cartilha, mas que são incapazes de ler o poema da Criação!

O universo é uma parábola.

A parábola, conta uma história, que pode ter ocorrido -- ou que é possível de ocorrer -- uma história verossímil, mas cujo conteúdo é sempre verdadeiro.

Não se trata de negar a realidade do mundo, ou de desconsiderar o valor das coisas materiais e concretas só porque elas são veículo, parábolas de uma verdade mais alta. Em si, todas as coisas são verdadeiras, repito. Mas a verdade mais alta, não é a da letra, ou do sentido literal das coisas e dos textos. A verdade mais alta é a pérola oculta na ostra da palavra ou da letra da matéria.

Quem sabe meditar, passeando pelo caminho, ao cair da noite, quem sabe analisar, distinguindo o significado do significante, a miragem da realidade, separando o precioso do vil, esse é como a boca de Deus, cheia de verdade.

Para isto, depois de ter examinado acuradamente a realidade concreta, é preciso, como Isaac no Negev, levantar os olhos ao alto, e então se verão chegar os camelos carregados com as riquezas da verdade, representada pela beleza de Rebeca.

E Isaac desposou Rebeca, desposou a verdade, pois no deserto das aparências, Isaac se fez cego às miragens e às ilusões, e só assim encontrou o poço da verdade. o poço do "Vive quem me vê"

Isaac viu o poço, e ouviu o seu apelo, e por isso viveu.

E como é possível que a verdade seja, ao mesmo tempo, vista e ouvida? Por acaso é a verdade luminosa audível? Ou sendo palavra, sendo som, como poderá ser vista?

Sim, a verdade é luz e é verbo, pois o Verbo é a Luz de Deus. "Lumen de lumine, Deum vero de Deo vero".

É assim porque a verdade é a luz do intelecto, do mesmo modo que ela é também a voz do Verbo, da palavra criadora de Deus. A verdade, adequação do intelecto à realidade conhecida, é uma luz que canta, e uma canção luminosa. Por isso, ela pode ser vista e ouvida. E quem a vê, e quem a ouve, esse vive.

Depois destas longas e bem fastidiosas elocubrações posso, afinal, propor-lhe a epígrafe que excogitei para apresentar sua tese, que separou a fácil e rotineira solução mirífica, que se deixava levar pelas aparências de verdade, da certeza científica, fruto da pesquisa séria, que lhe permitiu encontra o poço "Vive quem me vê".

E a modesta epígrafe que lhe proponho, então, é a seguinte:

"Cego, como Isaac, às miragens ilusórias, percorri solitário, à luz do crepúsculo, através do deserto das aparências, o caminho recusado, e me salvei porque, em pesquisa árdua, atendi a voz da pura verdade que me clamava do profundo obscuro de um poço: "Vive quem me vê" (Gen. XVII, 64). Vi. E atendi a voz que clamava: "Escuta, Israel, escuta". Ouvi. E porque Vi e Ouvi, Vivi. Para fazer viver".

Eis a pobre epígrafe que lhe proponho, certamente bem inferior ao alto valor de sua tese. Esteja absolutamente livre, então, para não usá-la, e preferir outra.

Ela é apenas a manifestação da gratidão de um velho professor ao Doutor a quem ele deve a vida.

Duas vezes. Devo-a a Deus, sim, como o sr. bem lembra. Mas, permita-me que acrescente; a Deus, sim, com C.

Com toda a admiração e gratidão de

Orlando Fedeli


    Para citar este texto:
"Vi, ouvi, vivi"
MONTFORT Associação Cultural
http://www.montfort.org.br/bra/veritas/cronicas/viouvi/
Online, 24/03/2017 às 12:51:18h