Crônicas

Ufologia e Alienígenas: Um delírio muito atual
André Roncolato
[caption id="attachment_33174" align="aligncenter" width="367"] Mesa "levita" durante sessão espírita na casa do astrônomo-esotérico Camille Flammarion[/caption]

André Roncolato Siano

Quando se pensa em seitas que baseiam suas doutrinas em ficção interplanetária, logo remetemos nossas considerações ao ridículo de tais doutrinas. Porque de fato o são. Contudo, não se pode cometer o exagero de achar que são apenas uns lunáticos — no sentido alegórico do termo — que se reúnem somente para pensar e realizar seções extravagantes ou práticas exóticas. Como pano de fundo de tais seitas, existe um sistema de ideias bastante similar ao espiritismo, ou melhor, apoiadas nas ideias da teosofia e do espiritismo que encontram campo fecundo em uma época dominada pelos filmes de ficção científica como a nossa. Para agravar a situação, hoje tem-se uma ideia completamente distorcida do que seja Ciência e mesmo nos meios acadêmicos a questão epistemológica é negligenciada em larga escala. Neste sentido poderíamos até ironizar que a inteligência de parte de nossa sociedade moderna foi abduzida por esses ETs charlatões. Para entender bem esse sistema de fundo é preciso analisar historicamente como as ideias sobre alienígenas e homenzinhos verdes foram penetrando na sociedade até se tornarem universalizadas em nossos dias. Já no século XIX se sabia bem quais as consequências que se podiam obter ao se explorar o ambiente de acentuada crise do pensamento. Praticamente como um guru, um esotérico do século XIX metido a cientista, Camille Flamarion, fez lá sua previsão:   “O passado está morto; a filosofia do futuro não nasceu: está ainda envolta nos difíceis trabalhos do parto. A alma do mundo moderno está dividida e em contradição perpétua consigo mesma. Reflexão grave, a ciência, esta divindade poderosa de nossos dias, que tem nas mãos as rédeas do progresso, a ciência nunca foi tão pouco filosófica, tão isolada quanto hoje. (...) “Segundo este duplo ponto de vista, a habitabilidade dos mundos e a exigüidade da Terra, surgirão conclusões que elevarão à certeza filosófica a ideia da Pluralidade dos Mundos, vista até hoje como simples possibilidade. Erguendo-se de vaga possibilidade a probabilidade racional, e depois a certeza, a opinião da vida universal tornar-se-á doutrina e transformará radicalmente para nós a concepção do Universo.(FLAMARION, C. La Pluralité des Mondes Habités, 1862, p. 12-13;51 – destaque nosso) [caption id="attachment_33177" align="aligncenter" width="520"] Flammarion publicou uma gravura, provavelmente de sua autoria, sobre um "missionário" medieval que teria encontrado o ponto de união entre o céu e a terra[/caption] Claro que de guru ele não tinha nada. Entretanto, sabia deduzir as consequências dos princípios filosóficos que a falsa ciência e a filosofia de seu tempo trabalhavam duramente para estabelecer e dos quais ele também era colaborador.  Camille era uma espécie de Carl Sagan de seu tempo, embora muito mais refinado e inteligente. De fato, impressiona muito a maneira que o leva a uma inferência racional – ou talvez um método? – dos desdobramentos da aceitação de um princípio filosófico. Ele sabia exatamente que ao divinizar a ciência e suprimir dela as decorrências filosóficas assim como aceitar a contradição como condição do espírito moderno, far-se-ia terreno propício aos muitos disparates siderais. É impressionante também como ele antevê a gradual aceitação da vaga possibilidade de vida fora da Terra evoluir até a modificação da concepção de Universo. Pensamos escrever alguns artigos para demonstrar as estreitas ligações entre o espiritualismo teosófico e os delírios com alienígenas. Neste primeiro pequeno artigo, nos ateremos às características iniciais do surgimento do mito dos ETs verificando suas raízes mais profundas entre o espiritualismo e a ufologia, que pouquíssimo tem de ciência e muito de misticismo recauchutado. Nos divulgadores recentes das ideias sobre ETs, há uma espécie de “sinceridade involuntária” relacionando o misticismo com a ufologia nos documentários e filmes que tratam de alienígenas e mundos habitados. Cito, por exemplo, um documentário nada suspeito sobre exoplanetas (planetas que orbitam estrelas fora de nosso sistema solar), exibido pelo Discovery Channel Science, no qual, em dado momento há um desagravo a Giordano Bruno que, segundo a malfeita dramatização, era condenado à fogueira pela Igreja Católica por ter afirmado que havia outros mundos habitados, o que é uma bobagem. Giordano Bruno, na verdade, afirmava coisas bem além disso, uma vez que era ocultista conhecido e documentado por vasta bibliografia (Cfr. F. Yates, Giordano Bruno e a Tradição Hermética, ed. Cultrix). Podemos nos ater a esse ponto. O estreito vínculo do ocultismo teosófico com a Ufologia pode ser demostrado em uma síntese histórica, em forma de linha do tempo, que permite elucidar como emergiu uma ideia tão absurda como a da Ufologia e se transformou em um mito tão difundido e amplamente aceito, nas mentes atuais.     Pode-se dizer que a partir das ideias e escritos de Emanuel Swedenborg, filho de pastores protestantes suecos, é que se deu a consolidação das fantasias sobre alienígenas. Logo no nascimento, os ETs já pegavam carona na espaçonave do ocultismo. Swedenborg foi, ao menos no pensamento, o Giordano Bruno da vez. Atrás de uma casca científica, se camuflava um bruxo sofisticado. Assim como acontece, aliás, com muitos cientistas de nosso tempo como, por exemplo, nas áreas de física teórica e quântica. Para se ter uma ideia, Swedenborg chegou a compilar ritos maçônicos.  As ideias de Swedenborg influenciaram importantes gnósticos e escritores místicos como Jorge Luís Borges, William Blake, Balzac e Baudelaire. De fato, ele foi bastante importante - e por isso mais peçonhento - sendo professor em uma das mais importantes universidades da Europa, a Universidade de Uppsala, e membro do Parlamento sueco. Diz sobre ele Jorge Luís Borges: “Voltaire dizia que o homem mais extraordinário registrado pela História foi Carlos XII. Eu diria que, talvez, o homem mais extraordinário – a admitirmos tais superlativos – foi o mais misterioso dos súditos de Carlos XII: Emanuel Swedenborg.” (Palestra proferida por Jorge Luis Borges, na Universidade de Belgrano, em 8 de Junho de 1978 in Jorge Luis Borges: Cinco visões pessoais. EdUnB, Brasília-DF, 1987 apud Yuri Vieira[1]) Dentre suas principais obras podemos citar Arcana Celestia, da qual Ernest Benz[2] destaca o estabelecimento de uma “Cristologia Cósmica” e De Telluribus in mundo nostri solaris quae vocantur planetae (Das Terras em nosso mundo solar) de 1758. Para nosso assunto esta última é a mais importante. É nesta obra, escrita em latim, que se lançam os fundamentos e o conceito do que hoje viriam a se tornar, no imaginário “midiesco”, os seres inteligentes interplanetários, naves, galáxias habitadas, contatos imediatos, discos voadores, enfim, um mundo de fantasia amplamente conhecido e exaustivamente apresentado como muito provável e até certo. Se assim podemos dizer, este pode ser considerado o ponto de partida para alguns altos investimentos, governamentais e não-governamentais, à procura de seres fantasiosos, como no caso dos projetos SETI e Kepler. Neste último, apesar de seu objetivo principal ser a identificação de planetas fora do sistema solar, o que de fato interessa são os planetas na chamada faixa habitável. Altos investimentos e um bilionário mercado cinematográfico, como as franquias de Star Wars, que tem imbecilizado algumas gerações de jovens e já não tão jovens. Extraímos algumas considerações de Swedenborg: “Os que estão no céu podem conversar e relacionar-se não somente com os anjos e os espíritos que provêm das terras deste sistema solar, mas também com os que provêm das terras fora deste sistema no universo, e não somente com os espíritos e os anjos dessas terras, mas também com os próprios habitantes; todavia, não é senão com aqueles a quem as coisas interiores foram abertas, a fim de que possam ouvir os que do céu falam com eles.”  (Swedenborg, E. De Telluribus in mundo nostri solaris  quae vocantur planetae, 1758, p. 76 in Terras no Universo, Sociedade Religiosa A Nova Jerusalém, Rio de Janeiro, 1993.)   Em consequência dessa obra, alguns cientistas chegaram a formular ou divulgar estatísticas alucinadas sobre a quantidade de civilizações alienígenas inteligentes com as quais podemos estabelecer comunicação no Universo. Exemplo disso é a absurda equação de Drake, formulada pelo imaginativo astrônomo Frank Drake, em 1961, e bastante divulgada para o senso comum por seu outro amigo de profissão, Carl Sagan.   Além disso, falei com espíritos que o ser humano pode ser capaz de crer que há no universo mais que uma só terra; por isso, o céu astral é tão imenso e nele existem inúmeras estrelas, e cada uma delas em seu lugar ou em seu mundo é um sol, como nosso sol, em vários tamanhos. (...) Assim a pessoa racional não pode agir de outro modo senão pensar que esse meio imenso para tão grande fim não foi feito para o gênero humano de uma só terra e o Céu daí proveniente. Que seria isso para o Divino, Que é Infinito, a Quem milhares e mesmo miríades de terras, e todas cheias de habitantes, seriam muito pouco e dificilmente alguma coisa?” (Swedenborg, E. De Telluribus in mundo nostri solaris  quae vocantur planetae, 1758, p. 7 in Terras no Universo, Sociedade Religiosa A Nova Jerusalém, Rio de Janeiro, 1993. – sublinhado nosso.) Swdenborg obtinha suas informações das civilizações alienígenas não por rádio telescópios mas sim – por mais ridículo que isso possa parecer – por psicomancia de espíritos de outros planetas. Então, por exemplo, os espíritos do planeta Mercúrio lhe apareciam, contando as últimas novidades dos habitantes daquele planeta, o último resultado da loteria mercuriana, quem foi o ganhador, ou como andava a moda em Saturno, ou ainda, como era a forma física dos habitantes de Júpiter, sua gastronomia, se estava havendo alguma operação lava-a-jato por lá e coisas do tipo.  Isso quando Swedenborg não participava de reuniões espirituais interplanetárias, apreciando discussões teológicas:   “Um dia vi que espíritos da nossa Terra estavam junto dos espíritos do planeta Mercúrio e os ouvia conversar entre si, e, então, entre outras coisas, os espíritos da nossa Terra perguntavam-lhes em quem acreditavam. Responderam que acreditavam em Deus; mas, quando eles perguntaram ainda mais sobre o Deus em que acreditavam, não quiseram falar mais a esse respeito, porque é seu hábito não responder diretamente a perguntas. (...)Também me foi mostrado o tipo de face que têm os habitantes da terra de Júpiter.  Não que eu tenha visto os próprios habitantes mas pelo fato de que vi espíritos com uma face semelhante à que tinham quando estavam em sua terra.” (Swedenborg, E. De Telluribus in mundo nostri solaris  quae vocantur planetae, 1758, p. 23,31 in Terras no Universo, Sociedade Religiosa A Nova Jerusalém, Rio de Janeiro, 1993. – sublinhado nosso.)   Em seitas ufológicas, ainda se dão tais práticas. Com forte acento teosófico mais que espírita. Na atualidade eles não fazem mais psicomancia, só telepatia. Ou seja, trocaram seis por meia dúzia. Dessas práticas trataremos em um próximo texto. Neste primeiro artigo, já é possível ver claramente que a ridícula crença em ETs é fundada no ocultismo, na teosofia e no espiritismo. Ou seja, são fantasias contra a Verdadeira Fé Católica a que, portanto, devemos nos opor clara e abertamente.  São ideias que ofendem a Deus Nosso Senhor e enfraquecem a devoção à Santa Religião Católica. Além disso, na atualidade, a crença em ETs e vida inteligente fora da Terra, se fiam em uma mistura problemática de falsas doutrinas, filosofias subjetivistas e teorias científicas obscuras. Das quais também pretendemos tratar. Salve Maria!    

[2] Kosmische Bruderschaft: die Pluralität der Welten. Zur Ideengeschichte des UFO-Glaubens, Freiburg, Aurum, 1978. 2. Auflage 1990 unter dem Titel: Ausserirdische Welten. Von Kopernikus zu den Ufos

    Para citar este texto:
"Ufologia e Alienígenas: Um delírio muito atual"
MONTFORT Associação Cultural
http://www.montfort.org.br/bra/veritas/cronicas/ufologia-e-alienigenas-um-delirio-muito-atual/
Online, 29/03/2017 às 10:07:47h