Crônicas

Uma reunião [imaginária] do PT
M. Garden


Dizem que na natureza nada se cria, tudo se copia. Esse ditado é válido também para muitos dos inumeráveis artigos escritos pelo mundo afora. Por volta de 1964, Nelson Rodrigues criou as entrevistas imaginárias. O que nos permite, agora, criar as reuniões imaginárias. Assim como nas entrevistas imaginárias, nas reuniões imaginárias todos são francos. Imaginam estar falando com amigos...

***

Nossa reunião imaginária se passou numa sede do P.T., onde foram discutidas táticas para as eleições municipais paulistas. A reunião foi gravada, e nós tivemos acesso à fita. A transcrição da mesma encontra-se abaixo:

- Lula: Não é possível, Eduardo, você está atrasado outra vez!

- Suplicy: Não tenho culpa. Peguei o ônibus errado de novo.

- Lula: Por que? Seu carro quebrou?

- Suplicy: Não. Não consegui encontrar o carro.

- Lula: Mas assim não é possível. O D. Paulo, a Luísa [Erundina], o Mercadante, o Boff e a Marta estamos esperando há mais de uma hora!

- Suplicy: Quem é a Marta?

- Lula: Marta é a sua esposa.

- Marta: São recalques da infância, devido à sua formação na burguesia repressora.

- Erundina: Marta... Não invente. É só falta de memória. Nada mais.

- Marta: Desculpe. É só ver um gravador que eu já penso que estou na Rádio CBN enrolando aquela tal de ... Não me lembro o nome dela.

- D. Paulo (com voz firme): Eu não convoquei vocês aqui para perdemos tempo. Precisamos elaborar um plano de ação eficaz para revertermos o quadro eleitoral. Do jeito que está, a Luíza vai morrer na praia, como aconteceu com o Lula nas últimas eleições.

- Suplicy: É muito fácil. Precisamos destacar os pontos negativos da última administração. Vamos dizer que o atual candidato é das elites da zona sul e abandonou a periferia. Depois propomos alguma solução. Por exemplo, a construção de casas populares nos lugares das favelas. Podemos chamar de projeto China ou Cuba.

- Mercadante: Você não acha que alguém vai dizer que estamos copiando?

- Suplicy: Bem... O Aluísio tem razão. O nome não é apropriado. Afinal de contas, já faz quarenta anos que não há eleições em Cuba, e na China, então, nem se fale.

- Boff: O que você está querendo insinuar? Alguma crítica ao regime socialista da ilha? Será que você não aprende que esse negócio de eleição não vale para lá?

- Suplicy: É que eu tenho dificuldade para responder sobre esse assunto quando alguém me pergunta.

- Mercadante: Ora, faça como nós, diga que o povo é feliz do jeito que está.

[Ouve-se na gravação uma risada geral].

- Erundina: Realmente, tudo fica mais difícil sem termos um modelo de sociedade para apresentar.

- Suplicy: Se pelo menos na Nicarágua ....

[Não se consegue identificar as vozes devido à gritaria geral]

- Todos: Não toque nesse assunto! Pare! Silêncio! Esqueça esse País!

- Lula: Eduardo, por favor, pense uns quarenta minutos antes de falar qualquer coisa.

- Suplicy: Mas eu já faço isso.

- D. Paulo: Pela última vez. Chega de conversa fiada. Vamos ao que interessa. Fui eu quem os chamou e exijo uma solução! Lembrem-se de que sou eu quem manda aqui. Afinal, esse negócio de igualdade é muito bom para o papel, mas na prática um tem que mandar e o resto obedecer. Boff, exponha seu pensamento sobre o assunto em pauta.

- Boff: A verdade é que durante muitos anos nós utilizamos as condições algumas vezes miseráveis do povo para a agitação social. Quando alguém tinha fome, ao invés de lhe darmos comida, incitávamos a que se revoltasse contra aquilo que chamávamos de estrutura capitalista. Em meu livro, descrevo este problema da seguinte forma:

Assim, quanto mais necessidade alguém ou algum grupo tivesse, menos queríamos resolver o problema. Pouco nos interessava a solução de qualquer questão social; pelo contrário, interessava-nos que os problemas crescessem para que pudéssemos fazer a agitação também crescer. Para nós, afinal, o importante é que o operário esteja revoltado contra a sociedade, e não que tenha casa e comida. Esse é um ideal burguês. Portanto, onde não existia um problema, nós o inventávamos. Cada desgraça da sociedade era uma esperança para nós; cada solução para a sociedade, uma desgraça. Foi o que ocorreu recentemente. Aconteceu o pior: o atual governo municipal apresentou solução para dois problemas, habitação e saúde, que sempre foram nossas bandeiras. Conseqüência: ficamos a ver navios. Fracassamos. Nossa ideologia ruiu mesmo com o muro de Berlim. A revolução socialista parece mais distante do que nunca.

- Erundina: Sempre radical. Será que você não muda?

- Mercadante: Não existe socialismo sem radicalismo. Nós agimos certo, e temos que continuar na mesma linha. Temos que bater firme no inimigo. Pega-se qualquer fato e se exagera ao máximo; repete-se cem ou mil vezes. Dá-se a pior interpretação possível. Culpa-se o sistema capitalista, a estrutura desigual da sociedade. Em suma, repete-se os slogans de sempre. Se não for assim, para a Erundina eu digo FIM.

- Boff: É, Luísa, na verdade eu apenas tenho a coragem de dizer hoje aquilo que você pensará amanhã. Eu sou você amanhã.

- Mercadante: Quer dizer que amanhã ela estará acreditando em magia? Ou freqüentando cartomantes?

- Erundina: Opa. Senti uma crítica ao meu governo. Se criei as feiras místicas, foi porque achei que era o momento adequado.

- Suplicy: E foi por isso que as forças espirituais me ajudaram na eleição para Prefeito?

[Silêncio durante algum tempo.]

- Erundina: Esse discurso radical é coisa do passado. Ninguém mais se incomoda quando eu digo que apanhei da polícia na Favela. É claro que eu gostaria de me apresentar radical como na última eleição, mas de que isso adiantaria agora? Vejam o Lula. Perdeu no primeiro turno para o Fernandinho, que tinha um programa neo-liberal de privatizações, estabilização da moeda, liberalização de importações, capitalista! Pensei até em fazer um filme sobre o assunto. O nome seria Fernando II - O retorno ao Capitalismo.

[Nova risada geral].

- Mercadante: A orientação tem que mudar. A rejeição a você está tão grande que eu mesmo não estou contando para a minha mulher que vou votar em você.

- Suplicy: Eu também não.

- Marta: Como assim?

- Suplicy: Eu só queria dar um apoio ao Mercadante, pois concordo com ele.

- Erundina: Quando você precisou de meu apoio nas eleições para Prefeito, pôde contar comigo.

- Suplicy: Não fosse seu apoio, talvez eu tivesse sido eleito.

- Mercadante: Triste fim para mim. Vice numa chapa sem futuro. Acho que ninguém mais acredita em nós.

- Suplicy: Não tem importância. Nós continuamos em Brasília naquela vida boa de sempre. Lá pelo menos ninguém nem percebe que eu chego atrasado.

- D. Paulo: O desânimo esta proibido. Quem desanimar está expulso do Partido. Eu decido assim.

- Mercadante: Alguma coisa de concreta precisa ser feita.

- Erundina: Se você ficar satisfeito, eu mando o responsável pela campanha embora.

- Suplicy: Coitado [com voz profundamente triste]. Será mais um desempregado. Pelo menos terá direito ao seguro-desemprego.

- Boff: Isso não adianta grande coisa. Só um milagre para vender o nosso produto. E se existe alguma coisa em que eu não acredito é em milagre.

- Lula: E aí, D. Paulo, o que devemos fazer?

- D. Paulo: Parece-me que o Boff tem razão. Nossa ideologia não pega mais. E nós nunca tivemos programa de governo algum. É sem dúvida um momento difícil...

- Erundina: Não estaria na hora de você dar uma força a mais para nós? Vir a público e se declarar...

- D. Paulo: É difícil. Você sabe como é. O chefe proibiu de eu me meter em política, e eu já não ando muito bem com ele. Já foi difícil no caso do Boff. Tive que viajar e tratar do assunto pessoalmente.

- Lula: Mas talvez um apoio declarado, seu e da sua turma, seja nossa última esperança. Não dava mesmo para dar uma forcinha?

- D. Paulo: Não sei não. Talvez quando eu me aposentar... Vocês sabem, não demora muito.

- Marta: Mas então está tudo perdido.

- D. Paulo: Vamos fazer o seguinte: em vez de elogiar vocês abertamente, eu critico abertamente os projetos de habitação e saúde da atual administração. Invento que o custo da obra é cara. Falo que o importante é a união do povo e que o sistema de mutirões é muito mais eficiente. Mando alguém dizer que as pessoas estão insatisfeitas com o atendimento médico na Prefeitura e fazemos de conta que não conhecemos as pesquisas a respeito do assunto. De momento é o que eu posso fazer. Você, Luíza, procura o Pitangui para ver se ele consegue fazer algum milagre. O Mercadante continua com esse discurso radical para que os outros pareçam moderados. A Marta divulga a pornografia como sendo coisa chique, pois um eleitor sem moral tem sempre maior chance de votar em nós. O Boff está liberado para falar o que pensa, já que ninguém mais acredita nele mesmo. No mais, é ver como fica e torcer para mais alguma favela pegar fogo. Voltamos a nos reunir daqui a um mês. Tudo bem?

- Erundina: Ainda acho pouco. Não dá para fazer mais nada?

- D. Paulo: Na primeira chance que tiver, te dou um abraço e um beijo. É o máximo de sacrifício.

- Boff: Não sei se resolve, mas por enquanto é o que podemos fazer.

- Lula: Está certo; voltamos a nos reunir em breve para nova avaliação. Marta, agora você acorda o Suplicy que a reunião acabou.

- Marta: Eduardo, Eduardo, Eduardo!


    Para citar este texto:
"Uma reunião [imaginária] do PT"
MONTFORT Associação Cultural
http://www.montfort.org.br/bra/veritas/cronicas/reuniao/
Online, 23/07/2017 às 13:41:53h