Crônicas

A Montfort deseja uma santa Páscoa a todos os seus leitores
Orlando Fedeli
            Esperava-se uma Páscoa bem festiva neste ano. Era a sétima Páscoa do site Montfort. E, de toda parte, quer dos lados chamados tradicionalistas, quer do extremo oposto, vinham notícias de um decreto papal liberando -- finalmente! -- a Missa de sempre. Não só em nós, mas em todas as almas fiéis havia enorme esperança de que, depois de quase quarenta anos de proscrição, a Missa de sempre fosse liberada nesta Páscoa.
            A festa era bem simbólica: quando Cristo nos libertou da morte, a Igreja seria libertada da exclusividade da Missa nova de Monsenhor Bugnini e de Paulo VI, missa nova que tanto mal fez e que degenera hoje não só em Missas shows, mas até em missas clownescas, com sacerdotes pintados como palhaços, e moçoilas semi despidas, quais salomés, profanando o Santíssimo Sacramento.
Anunciou-se por toda a parte que a Missa de sempre, com toda a sua solenidade e santidade, seria liberada. Anunciou-se por toda a parte que a Missa de Trento poderia ser rezada e assistida por todos os católicos livremente. Bento XVI ia liberá-la por meio de um decreto.
Esperou-se a liberação na Quinta Feira Santa...No Sábado da Ressurreição... Na Páscoa...
E nada aconteceu.
Bento XVI, hoje, na Missa de Páscoa, falou de paz no Iraque e no Irã, e não de paz na Igreja.
Sobre o silêncio do Papa a respeito do decreto tão esperado, acabo de ler o comentário de um padre pessimista. Seu artigo quase se poderia resumir numas poucas e amargas frases: “Não disse? Sabia que ia ser assim! As boas notícias para os católicos fiéis nunca chegam”.
Claro que isso trará desânimo e fará com que muitos, infelizmente, pensem: não tem jeito. É tudo esperança vã. É tudo ilusão.
É especialmente para esse católicos desanimados que escreve, hoje, a Montfort, desejando-lhes uma Santa Páscoa.
Santa, porque fundamentada na Fé.
Santa, porque iluminada pela esperança sobrenatural.
Santa, porque arde na caridade sabendo seguríssimamente do infinito amor de Deus que não dorme.
Santa, porque confia em Nossa Senhora, cuja Fé – qual chama fidelíssima — jamais bruxoleou, mesmo depois do sepultamento de Jesus.
A Montfort envia os votos de uma Santa Páscoa a todos os seus leitores, mormente a aqueles tocados hoje pela sombra do desânimo.
A hora pode nos enganar.
Não a esperança.
Não a certeza da promessa de Cristo: as portas do inferno não prevalecerão contra a Igreja. Nossa Senhora de Fátima não mentiu: haverá um Papa que subirá o Calvário, e será morto por sair da cidade arruinada e por cantar de novo o Introibo ad altare Dei.
Dom Bosco não errou mostrando-nos que virá um Papa que fará a nave da Igreja retornar à coluna inabalável da Hóstia consagrada e à coluna da Virgem.
O Papa é infalível. Mesmo tendo que enfrentar lobos -- numerosíssimos, raivosos e modernistas – a Igreja vencerá.
Rezemos pelo Papa, guardando no coração a certeza da Fé. Mantendo viva e ardente a chama de nossa esperança.
Rezemos pelo Papa.
A noite não é eterna.
Eterna é a verdade católica.
Amanhecerá!
Uma vitória infalível nos foi prometida.
Rezemos pelo Papa.
Uma Santa Páscoa a todos os católicos fiéis que nos lêem.
Na esperança.
Sempre.
In Corde Jesu, semper.
Inabalavelmente
 
São Paulo, 16 de Abril de 2.006,
Páscoa da Ressurreição.

Orlando Fedeli

    Para citar este texto:
"A Montfort deseja uma santa Páscoa a todos os seus leitores"
MONTFORT Associação Cultural
http://www.montfort.org.br/bra/veritas/cronicas/pascoa_2006/
Online, 25/11/2017 às 05:38:22h