Crônicas

Homenagem à Nossa Senhora de Nazaré
Francis Mauro Rocha

     Belém, que outrora eras Santa Maria, filha dileta do Grão-Pará, em tuas margens veio debruçar a Virgem que de Nazaré procede para reclamar tua devoção filial, arrebatando a tua alma para o céu alcançar.

     Belém, o que escoa de tuas margens é só o pequeno fruto preto que tantos profanam? Ou apenas os frutos escamados que em teus rios volteiam e o paladar de tantos incendeiam? Não, Belém, em tuas margens também escoam o mar de gente que à Santa Rainha louvores entoam. E em teus volumosos rios os ribeirinhos se acotovelam nos pequenos barcos e com as contas do rosário velam, clamando à Doce Mãe.

     Belém, quase dez anos estou longe do mar de Nazaré, aquele mar de gente com os brancos círios chora pelos regalos da cândida Senhora, Mãe do Divino Redentor. Gente simples, gente rude, mesmo ignorantes das letras, mas não do terno amor. É verdade que encontramos também letrados, que muita ciência hão demonstrado, mas que pouco vale aos pés da Fina Flor.

     Belém das ervas, das mangas, dos frutos, das iguarias mil e do calor infernal, todavia, de todos os teus tesouros, não há outro mais duradouro, nem mais veraz que o puro ouro, senão o regaço Maternal. Recanto da Mãe divina, que contigo caminha e todo outubro pelas ruas tuas prima. Nesses dias densas como os caudalosos rios, por vezes tão bravios, com fé essa gente inteira, contra as blasfêmias assim braveja, ecos de uma terra dantes tão varonil.

     Ah! Mãe Menina, toda essa gente é para vós, para cantar as vossas glórias, mais profusivas que as vanglórias que aos homens encantam e destroem. Dai-me ó Virgem Maria, o vosso Coração e a vossa ternura, pois que no lodo imundo do pecado minh’alma impura, sem vós deveras dói.

     Dai-nos Rainha da Amazônia, triunfante, o vosso Coração que o Divino Infante para nós fez com a missão de salvar. Pois que nossos choros copiosos, pelos pecados arregaçados, não encontram outro descanso do pesado fardo senão na Mãe de Belém, Mãe de Nazaré, Mãe do Brasil, Mãe dos pobres pecadores, rogai por nós, amém!


    Para citar este texto:
"Homenagem à Nossa Senhora de Nazaré"
MONTFORT Associação Cultural
http://www.montfort.org.br/bra/veritas/cronicas/nsra_nazare/
Online, 20/10/2017 às 12:26:52h