Crônicas

COMUNICADO SOBRE SAGRAÇÃO A SER REALIZADA POR D.RICHARD WILLIAMSON EM 19 DE MARÇO DE 2016
Alberto Zucchi
Tendo em vista perguntas de muitos de nossos amigos, inclusive dos meios eclesiásticos, a respeito de nossa opinião sobre a anunciada Sagração Episcopal de Dom Tomás de Aquino, ponderamos com nossos leitores o que segue: A referida sagração, que será realizada, segundo se anuncia, no dia 19 de março próximo, por Dom Richard Williamson, bispo que pertenceu à Fraternidade São Pio X - e que foi expulso desta entidade -  ao que tudo indica, se constituirá em um sacramento válido, ou seja, Dom Tomás será de fato ordenado Bispo. Entretanto, esta sagração será também um ato cismático, no sentido de que implica em uma recusa da autoridade do Papa, pois o Código de Direito Canônico estabelece que as sagrações episcopais somente podem ser realizadas com a autorização do Papa. Na ausência desta autorização, a pena é a excomunhão “latae sentetiae”:   Art. 1382:  O Bispo que, sem o mandato pontifício, confere a alguém a consagração episcopal e, igualmente, quem dele recebe a consagração incorrem em excomunhão latae sententiae reservada à Sé Apostólica.   Entre as sagrações de quatro bispos, realizadas em junho de 1988 por Dom Lefebvre, e a anunciada por Dom Williamson para março deste ano há situações muito diferentes, não sendo de forma alguma a sagração realizada por Dom Lefebvre uma justificativa para o que fará Dom Williamson. Dom Lefebvre pediu ao Papa, à exaustão e com muita insistência, a nomeação de um Bispo para ordenação dos padres que desejassem celebrar a Missa Antiga. Naquela época não havia sequer um Bispo, com exceção do próprio Dom Lefebvre e de Dom Mayer, ambos já em idade bem avançada, que se dispusessem a ordenar padres para o Rito Tridentino.  As sagrações foram precedidas por um intenso processo de consultas a outros sacerdotes e personalidades do movimento pela missa tradicional, e foram ainda aprovadas por Dom Antônio de Castro Mayer. Na ocasião, Dom Lefebvre chegou mesmo a assinar um acordo com o Vaticano e somente se decidiu pelas sagrações quando ficou claro que seus pedidos não seriam atendidos. Dom Lefebvre quis sagrar quatro bispos jovens para que seu ato não tivesse que se repetir com a morte desses, já que tinha claro que se tratava de uma situação totalmente excepcional. Suas razões eram, portanto, muito claras e objetivas. A alegação de Dom Willianson para proceder à sagração, a segunda no espaço de um ano, é seu parecer subjetivo de que houve uma traição geral, não sendo possível confiar em nenhum bispo, mesmo aqueles sagrados por Dom Lefebvre. Ora, a traição destes bispos, segundo ele, ocorre simplesmente por existir a possibilidade de um acordo que permite a regularização canônica da Fraternidade Sacerdotal São Pio X. Dom Williamson afirma que não há mais luz na Igreja e, por isto, alega que a Resistência precisa agir. Mas a resistência não produz luz, só calor e queima com muita frequência... Assim, evidentemente, não se aplica aqui o chamado “estado de necessidade”, ou seja, uma situação concreta que justificasse a sagração para o bem das almas. Tal estado poderia ser alegado se não houvesse outros bispos que se dispusessem a realizar a ordenações de padres para a celebração do Rito Tridentino. Ora, diversos Institutos têm ordenado regularmente padres para a celebração neste rito, em muitos lugares, em todos os continentes, em muitos países e inclusive no Brasil. Trata-se esse, portanto, de um dado objetivo e concreto, a opor à simples opinião de Dom Williamson sobre a virtude do episcopado mundial, apresentada por ele como justificativa para a necessidade de uma nova sagração. A tudo isto se acrescentaria a imprudência na escolha do candidato a ser sagrado bispo. Mas de tal forma o ato em si mesmo é ruim, que não é necessário comentar a triste escolha feita por Dom Williamson. Em vista do exposto, lamentamos profundamente a realização desta sagração. Estamos certos de que elas vão no sentido contrário do que é necessário para vencer a crise em que a Igreja se encontra, sendo, portanto, um desserviço e uma traição à causa de Nosso Senhor Jesus Cristo. Convidamos a todos os nossos leitores e amigos que se unam em orações a nós, pedindo que Nossa Senhora, que é Sede da Sabedoria, ilumine Dom Williamson de forma a que ele desista da realização deste ato cismático.   Alberto Luiz Zucchi 01/03/2016

    Para citar este texto:
"COMUNICADO SOBRE SAGRAÇÃO A SER REALIZADA POR D.RICHARD WILLIAMSON EM 19 DE MARÇO DE 2016"
MONTFORT Associação Cultural
http://www.montfort.org.br/bra/veritas/cronicas/comunicado-sobre-a-ordenacao-episcopal-a-ser-realizada-por-dom-richard-williamson-em-19-de-marco-de-2016/
Online, 29/03/2017 às 10:09:31h