Mundo

O ponto de vista dos teólogos


 A mentalidade sécularisada que impregna nossas sociedades parece penetrar na Igreja com o risco de colocar em perigo a integridade da liturgia.

Não é raro encontrar hoje celebrações nas quais se introduzem não importa que cânticos e não importa que gestos, ademais com uma roupagem de banalidade e de feiura.  

Quando os espaços sagrados concebidos para Deus e para seu povo [ ???] são banalizados à força de serem usados não importa para quem e para qual  espetáculo ou concerto, eles acabam inevitavelmente por perder o sentido primeiro para o qual foram concebidos e não conseguem mais então a difundir a menor mensagem sagrada.

Essas observações foram feitas pelo teólogo Inos Biffi e publicadas no Osservatore Romano.

Monsenhor Biffi nota que em tal contexto de secularização , [vide foto  abaixo ] muitos símbolos sagrados claros e instrutivos se tornam confusos e enganadores: os santuários se tornam salas comuns que parecem salas de espetáculos a fim de dar a ilusão de um progresso da arquiteturaquando, na realidade se trata de uma perda dramática do sentido religioso e sagrado. O teólogo, de passagem, não deixa de  lançar uma flecha na direção de certas freiras conquistadas por uma corrente feminista entre as quais se acham freqüentemente Superioras de Congregações, e que se acreditam acima das instituições da Igreja ou daqueles que  são as primeiras responsáveis.

Sobre esses temas, o Padre Manfred Hauke, Professor do Seminário diocesano de Lugano, na Suiça, e redator chefe da revista "Ephemerides Liturgicae", tem um ponto de vista idêntico. Assim, segundo ele, a comunhão deveria ser recebida de joelhos, atitude a mais apropriada para exprimir o respeito, a humildade e a adoração face a Deus. E no futuro seria absolutamente preciso  abster-se de aplaudir nas igrejas: a igreja – sublinha ele – é um lugar de oração e de adoração e não um circo ou um  estádio.  Enfim – diz ainda Padre Hauke - se a Igreja considera a justo título que o órgão é o "príncipe dos instrumentos" e se ela nada tem contra a flauta em algumas de suas cerimônias, em contrapartida é inadmissível que se introduza a bateria ou a guitarra elétrica  nas celebrações, na medida em que esses instrumentos eminentemente profanos levam a eliminar toda sacralidade da liturgia.

 


    Para citar este texto:
"O ponto de vista dos teólogos"
MONTFORT Associação Cultural
http://www.montfort.org.br/bra/imprensa/mundo/secularizacao/
Online, 25/11/2017 às 03:54:24h