Mundo

Comitê da ONU condena clonagem
Um comitê da Assembléia Geral da ONU (Organização das Nações Unidas) aprovou ontem uma declaração que pede aos governos do planeta a proibição de todas as formas de clonagem humana, incluindo as que envolvem os estudos com células-tronco embrionárias.
Numa votação acirrada (71 votos a favor da declaração e 35 contra, com 43 abstenções), o comitê legal se declarou a favor da proposta, feita pelo governo de Honduras e apoiada pelo governo dos Estados Unidos. Agora, a medida deverá ser votada pela assembléia de 191 países-membros da ONU.
Segundo muitos cientistas, a clonagem terapêutica, que ainda está longe de ser uma realidade, poderia se tornar uma fonte de células-tronco (capazes de se transformar em qualquer tecido do organismo) e atacar grande número de doenças hoje irreversíveis. Mas, para obter tais células, seria preciso destruir os embriões de onde elas são retiradas -coisa que, para o governo George W. Bush e diversas religiões, equivale a um assassinato.
O tema vem sendo debatido pelo comitê legal desde 2001. Apesar da pressão do governo americano, os membros da comissão não chegavam a um acordo: muitos defendiam proibir apenas a clonagem reprodutiva (ou seja, produzir um bebê com as mesmas características genéticas de outra pessoa) e liberar as pesquisas com potencial terapêutico.
A proposta de Honduras falava em "proibir todas as formas de clonagem humana, já que são incompatíveis com a dignidade humana e a proteção da vida humana". Países como o Reino Unido, que já deu permissão a cientistas para estudar a clonagem terapêutica, colocaram-se contra a medida. Grupos antiaborto nos EUA aplaudiram a decisão.

    Para citar este texto:
"Comitê da ONU condena clonagem"
MONTFORT Associação Cultural
http://www.montfort.org.br/bra/imprensa/mundo/mundo20050219_2/
Online, 21/08/2017 às 20:48:37h