Mundo

Sacerdotes Paraguaios Denunciam a Infidelidade, Irresponsabilidade e Oportunismo Político de Lugo

 
ASsUNÇÃO, 27 de Abril de  2009 (ACI).- Ante o recente pedido de filiação não Paraguai relacionado com o Presidente Fernando Lugo, o Instituto Secular Padres de Schoenstatt em Assunção emitiu um enérgico comunicado não qual explica que o supremo mandatário demonstrou com suas ações sua infidelidade à palavra dada, irresponsabilidade, incomprensão do significado de família e paternidade, assim como oportunismo político.
 
Não extenso comunicado referente à conduta de Lugo, que foi Bispo de São Pedro, os presbíteros recordam que "ser fiéis à nossa palavra gera a nossa essência como pessoas livres e firmes. Na Igreja Católica, ninguém é obrigado a fazer um voto de castidade nem uma promessa de celibato. Ambos apontam ao mesmo: os consagrados renunciam à paternidade biológica, para que nossa paternidade, a serviço do Reino de Deus, seja mais fecunda".
 
Ademais, precisam, "todos somos humanos, limitados e pecadores, porém todos somos convidados a lutar contra as tentações, evitar os pecados e crescer na vida da Graça".
 
Em seguida, os sacerdotes explicam que não Presidente falhou também a "responsabilidade não só por nossos atos, como também por suas conseqüências".
"Não somos animaizinhos, escravos dos instintos; somos seres humanos, dotados por Deus com liberdade de vontade. A conseqüência imediata dessa liberdade é a responsabilidade pelo que fazemos ou deixamos de fazer, e também por todas as conseqüências que resultem de nossos atos e omissõers. Se caímos em pecado, não só nos arrependemos e pedimos perdão, como também assumimos as conseqüências, sem buscar excusas baratas ou justificações pueris", acrescentam.
 
 
Os sacerdotes de Schoenstatt explicam logo depois que o terceiro valor que não foi considerado por Lugo "é tudo o que se refere à família, aos direitos das crianças e menores de idade, e à paternidade".
"Todos os seres humanos, e especialmente os mais indefesos, são filhos de Deus e têm direitos inalienáveis. Nós não temos direito de privar uma criança da experiência de ter um pai, uma mãe, uma familia bem constituída, de sentir-se esperado, amado, valorizado. Nenhuma criança deveria ter que descobrir que foi um 'problema', uma 'ameaça' feita realidade, algo vergonhoso que teria que ser escondido e negado a todo custo. Muito pior sería por suposto negar a uma criança o direito à vida, caindo no crime do aborto", assinalam.
 
 
Do mesmo modo, consideram, "tão pouco temos direito a 'excitar' uma menor de idade com a importância de nosso cargo, nossas posses, ou com promessas que não vamos cumprir –e muito menos para usá-la como objeto de satisfação sexual: ¡sso é corrupção de menores! Com o sexto mandamento, Deus nos recorda que o bem do filho e da família estão muito acima de todo suposto 'direito' ao exercício indiscriminado de nosso instinto sexual".
 
 
Além de denunciar o machismo como uma atitude que denigra as mulheres e a ausência de "paternidade em nossa pátria", os sacerdotes se referem a "outro antivalor" manifestado na atuação do Presidente paraguaio, o do "'oportunismo político': louvar um reconhecimento tardio e sob pressão judicial como ato valente, sinal de honestidade, etc., não tem algo de adulação e de lisonja em busca de benefícios pessoais?", perguntam.
 
Os sacerdotes exortan depois "a todos os nossos irmãos na fé que rezem especialmente por nossos, sacerdotes e Bispos" já que "estamos expostos às mesmas tentações que todos, somos iguais como pecadores, porém nossas quedas costumam ser  muito estrepitosas, provocam muito dano e causam dor a muita gente".

 
Finalmente, o texto assinala que "nossa melhor resposta ante os fatos comentados não é a lamentação, mas a decisão firme de lutar por esses valores em nossa própria vida, dando testemunho audaz e alegre de que se pode viver com coerência, que nossa fe católica não nos leva a ser reprimidos ou mentirosos, mas que é um caminho de autêntica felicidade e plenitude de vida". Assim vamos poder levar mais de um grãozinho de areia na construção de um Paraguai cada vez mais 'nação de Deus'".

    Para citar este texto:
"Sacerdotes Paraguaios Denunciam a Infidelidade, Irresponsabilidade e Oportunismo Político de Lugo"
MONTFORT Associação Cultural
http://www.montfort.org.br/bra/imprensa/mundo/infidelidade-lugo/
Online, 29/04/2017 às 10:32:06h