Mundo

Relatório destampa pressões internacionais para estender aborto na América Latina


MADRI, 03 Fev. 07 (ACI) .- A Equipe de Documentação e Análise da organização Faça-te Ouvir (FO) reeditou um revelador relatório que documenta as pressões das Nações Unidas e outros órgãos internacionais para estenderem o aborto legal na América Latina.

FO publicou uma versão atualizada no final de 2006 do relatório "Perseguição e demolição à vida. Alucinante aposta da ONU pelo Aborto na América Latina", publicado pela primeira vez em maio passado.

Segundo FO, o relatório “analisa a estratégia protagonizada por diversos grupos internacionais para impulsionar o aborto no continente americano” e tem como objetivo que “a opinião pública conheça a realidade que se esconde atrás desta estratégia conjunta de organizações internacionais planejadas há mais uma década”.

O relatório recorda que a “América Latina é a única moderada onde todos os países, exceto Cuba, reconhecem que matar uma criança não nascida é um crime. Em meio a isso se gera o plano de extensão do aborto livre na América Latina, que se iniciou em Nova Iorque em dezembro de 1996, embora antes já se acossava a esses países para que legalizassem o aborto”.

As Nações Unidas é somente um instrumento financiado por todos os países que formam a Organização. Detrás está uma rede de organizações internacionais, coordenadas pelo Centro de Direitos Reprodutivos de Nova Iorque e financiadas pelas fundações Rockefeller, McArthur, Packard, Ford, Merck entre outras, que perseguem meticulosamente seu objetivo abortista, mediante a manipulação consciente das Nações Unidas por meio de seu Comitê de Direitos humanos”, sustenta.

Do mesmo modo, analisa os casos da Colômbia e Brasil.É este último um grande caso chamativo na América Latina. Apesar de que 97% da população está contra o aborto, o governo de Luis Ignácio Lula da Silva já se comprometeu por escrito ante as Nações Unidas a abolir toda restrição legal que até a data impossibilita a prática do aborto livre no país. A tramitação do projeto do governo brasileiro está suspensa de forma provisória, por interesses táticos eleitorais, já que haverá eleições no segundo semestre deste ano”, indica.

Entretanto, sustenta que “é na Colômbia aonde se veio liberando uma pressão especial: segundo a estratégia desenhada pelos instigadores da campanha abortista, se legalizar o aborto livre nesse país, a seguir acontecerão em cascata legalizações do aborto em toda América Latina. Daí a Colômbia se converteu no cavalo de batalha dos abortistas mascarados de Nações Unidas”.

O relatório também se refere a Argentina, onde se pretende introduzir o aborto através do o polêmico Protocolo do Comitê para a Eliminação de Todas as Formas de Discriminação contra a Mulher; Chile, com a insistência na administração da pílula do dia seguinte e as pressões ao Senado a favor do aborto; e México, onde o deputado do PRI para o México DF, Armando Tonatiuh González, anunciava a intenção da Assembléia Legislativa do Distrito Federal (ALDF) de submeter um referendum, em fevereiro de 2007, iniciativas legislativas sobre o aborto e a eutanásia.

“A falta de penas para o aborto na Colômbia, com os conseguintes efeitos sobre o resto do continente, gerou-se pela pressão sem escrúpulos de numerosas organizações internacionais sobre a Corte Constitucional Colombiana, desenvolvendo ações de influência não só de lobby, mas também próprias de inteligência. Segundo uma pesquisa realizada em julho de 2005 pelo Instituto Gallup, 86,6% dos colombianos se manifestaram claramente contra a legalização do aborto. Entretanto, desde 1975 foram apresentados no país, discutidos e reprovados no Congresso, nada menos que cinco projetos para legalizar o aborto”, explica FO.

Finalmente, relatório oferece “uma série de itens sobre o que podem fazer os cidadãos para rebater as pressões abortistas internacionais” como o envio de mensagens às autoridades e a criação de redes cidadãs. “Não se trata de fazer que pareça uma conspiração contra a vida. Simplesmente, o é”, adverte. (destaques nossos) 


Comentário:

Paulo VI proferiu na ONU, no dia 4 de outubro de 1965, um discurso na ocasião em que ele foi levar a aprovação da liberdade religiosa àquela atéia assembléia. [http://www.vatican.va/holy_father/paul_vi/speeches/1965/documents/hf_p-vi_spe_19651004_united-nations_po.html]
 
Dentre inúmeros elogios à ONU, disse Paulo VI:
 
"[...] como especialistas em humanidade trazemos a esta Organização o sufrágio dos nossos últimos predecessores e de todo o episcopado católico, e o Nosso, convencidos que estamos de que esta Organização (ONU) representa o caminho obrigatório da civilização moderna e da paz mundial."  
"Graças a vós, glória a vós, que há vinte anos trabalhais para a paz (...). Graças a vós e glória a vós, pelos conflitos que impedistes e que solucionastes"... 
"A ONU é a grande escola para esta educação [da PAZ]. Estamos aqui na sala magma desta escola; quem aqui se senta torna-se aluno e mestre na arte de construir a paz. Quando vós saís desta sala o mundo vos olha como arquitetos e construtores da paz."...
E etc... e etc..
 
Lendo o texto da notícia acima,vê-se qual é "o caminho obrigatório da civilização moderna e da paz mundial"  que a ONU quer impor ao mundo Ocidental Católico...
 
Marcelo

    Para citar este texto:
"Relatório destampa pressões internacionais para estender aborto na América Latina"
MONTFORT Associação Cultural
http://www.montfort.org.br/bra/imprensa/mundo/20070203/
Online, 20/09/2017 às 18:42:51h