Igreja e Religião

Os lefevristas mais próximos do Papa
Silvina Premat

 
Domingo, 25 de outubro 2009:
 
Depois de amanhã, cinco dias depois de se difundir que os anglicanos poderiam voltar ao seio da Igreja Católica, os lefevristas retomaráo em Roma o diálogo que poderiam concluir com o mesmo final e que foi interrompido em Janeiro pelo escândalo provocado pela destituição de um deles, Mons. Richard Williamson, que negou o Holocausto.
 
Ontem, o sucessor de Dom Marcel Lefebvre dirigente do grupo de católicos que produziu o grande cisma do século XX, Monsenhor Bernard Fellay, disse que a entrevista a de  Dom Williamson foi um "episódio infeliz" que foi utilizada "com intenção maligna" para atacar o Papa e a Fraternidade São Pio X, que reune os lefebvristas.
 
De passagem pelo pais, Dom Fellay, um dos quatro Bispos dos quais o Papa levantou a excomunihão junto com Dom Williamson, dialogou em entrevista exclusiva com La NACION. Em perfeito castelhano, denunciou lutas internas no Vaticano, e disse que Dom Williamson, que dirigiu durante cinco anos o seminário que mantém em La Reja, província de Buenos Aires, está agora retirado em Londres onde estuda e reza.  
 
-Quanto tempo consideram que durará o diálogo com o Vaticano?
-É difícil dizer... No Vaticano, falam, pelo menos, um ano. Então, significa um longo tempo.
  
- O resultado desse processo pode chegar a reintegração definitiva da Fraternidade na Igreja?
 
-Há que distinguir a discussão de temas doutrinários do que o senhor chama de integração. São duas coisas paralelas. SEntretanto, no próprio Vaticano dizem que essa integração não se dará antes do esclarecimento dos pontos doutrinários que para nós são muito importantes, porque hoje há muita confusão. Para manter a unidade da Igreja, é necessário esse esclareciemnto.
  
-Nestes dias que V. Excia. esteve em Salta, o Senhor disse que certos setores progressistas da Igreja estariam impedindo a aproximação da Fraternidade da Santa Sé?
  
-Assim é. Um exemplo disso foi que o presidente da Conferência Episcopal alemã disse a um grupo de deputados que antes do fim deste ano a Fraternidade estará de novo fora da Igreja. Isso manifiesta muito claramente uma intenção mais do que hostil. Nosso problema é um pouco complicado porque há lutas no Vaticano. Então, quem é nosso interlocutor? Os progresistas e conservadores, ou somente um deles? É muito difícil saber porque não é claro... Na Igreja tentam manter certa unidade apesar dessas divisões.
 
- E que faz o Papa diante disso?
 
- Está mais ou menos no meio. Quer ser o Papa de todos. É muito difícil.
 
- Os Senhores denunciaram que a difusão da entrevista de Mons. Williamson, na data em que se comunicou o levantamento da excomunhão dos quatro Bispos lefebvristas, foi manipulada também por esses setores.
 
-Sim. También no Vaticano circulou um estudo que mostrava a posaibilidade muito grande de uma instrumentalização abusiva do caso. Somente o fato de que se difundisse em meados de Janeiro uma entrevista que tinha ocorrido no começo de Novembro já é bem estranho. Ademais, essa entrevista foi usada antes de ser difundida massiçamente para nos impedir o uso de vários templos na Suecia. Ela foi mostrada aos que administram esses templos. Isso significa que havia uma intenção maligna.
 
-Quem está por trás dessa instrumentalização?
 
-Por certo, os progressistas, também a esquerda política e provavelmente os maçons. Usaram esse episódio para nos golpear, e, muito mais ao próprio Papa. Isso é o trágico da história. Vem um papa que, pouco a pouco, tenta fazer correções a algumas reformas, e não lhes agrada. Por isso, usaram esse episódio infeliz como um bastão de ouro para golpear a Igreja.
 
- Neste momento,V. Excia. esclareceu que a posição de Mons. Williamson era pessoal. Qual é sua situação agora?
 
- A posição de Monsenhor Williamson é pessoaal. Esse assunto jamais foi um problema para nós. Ele agora está retirado, em um de nossos priorados de Londres, onde reza e estuda.
 
Fonte: http://www.lanacion.com.ar/nota.asp?nota_id=1189902

    Para citar este texto:
"Os lefevristas mais próximos do Papa"
MONTFORT Associação Cultural
http://www.montfort.org.br/bra/imprensa/igreja/lefevristas-papa/
Online, 23/11/2017 às 18:20:24h