Igreja e Religião

Igreja Chinesa inicia assembléia sem aprovação do Vaticano


PEQUIM, 7 DEZ (ANSA) - A Igreja chinesa inaugurou hoje a sua Assembleia Nacional para eleger os dirigentes da Igreja Patriótica e do Conselho de bispos, órgãos que reconhecem como autoridade máxima o governo de Pequim, e não do Vaticano.
   
Segundo a agência de missionários católicos Asanews, as autoridades pressionaram os bispos para obrigá-los a participarem da reunião. A Santa Sé solicitou o não envolvimento dos bispos no encontro.
   
Recentemente, o Vaticano criticou a ordenação "unilateral" de Guo Jincai, de 42 anos, um padre da Igreja Patriótica e bispo da cidade de Chengde, no norte da China. Esta foi a primeira ordenação realizada sem o consenso do papa Bento XVI, depois de quatro anos de colaboração.
   
O vice-presidente da Igreja Patriótica, Liu Bainian, disse que "é simplesmente a eleição de um novo grupo dirigente", minimizando a importância da Assembleia.
   
A agência Asianews informou que Feng Xinmao, bispo de Hengshui, no norte do país, foi tirado a força da sua residência e levado ao local do evento que está sendo realizado em Pequim.
   
Um outro bispo, Li Lianggui, de Canzhou, escondeu-se para não participar da reunião e está sendo procurado pelas autoridades locais.
   
A Assembleia, que acontece até a próxima quinta-feira, deverá escolher os sucessores de Fu Tienshan, presidente da Igreja Patriótica morto em 2007, e de Liu Yuanren, presidente do Conselho dos bispos falecido em 2005.
   
A questão da nomeação dos bispos e o papel da Igreja Patriótica estão no centro das divergências entre o governo chinês e a Igreja Católica, que não possuem relações formais desde 1951, quando o núncio apostólico foi obrigado a abandonar a China e se mudou para Taiwan.(ANSA)


    Para citar este texto:
"Igreja Chinesa inicia assembléia sem aprovação do Vaticano"
MONTFORT Associação Cultural
http://www.montfort.org.br/bra/imprensa/igreja/20101207/
Online, 20/01/2017 às 16:00:22h