Igreja e Religião

SUÉCIA - Conversões de luteranos ao catolicismo

Comentário:

     Esta notícia fala da conversão de um pastor luterano, sueco, e de um seu seminarista, apesar das "objeções" do bispo de Estocolmo que, "zelosamente", lhe pediu para considerar antes "o caminho paralelo das Igrejas-irmãs para o Cristo universal"...
     O ex-pastor lhe respondeu que foi devido ao rito e à teologia moderna que retinham o seu passo..e que ele"não podia deixar o luteranismo e reencontrá-lo do outro lado"...
     A UNEC - União das Nações Européias Cristãs, referida na notícia, agrupa tradicionalistas da Europa "cansados de viverem sob o jugo do que não é cristão", como diz seu site http://www.radio-silence.tv/index.php?menug=3&idUnec=2



O pastor luterano Sten Sandmark, da igreja de Oskarshamn, região do centro–leste da Suécia, bem diante da pitoresca ilha de Gotland, acaba de declarar à imprensa e à televisão da Suécia e da Alemanha que decidiu deixar a igreja luterana, e “retornar” à Igreja Una, Santa, Católica e Apostólica. "Extra Ecclesiam nulla salus", já declarara ele, em latim, em setembro de 2005, a uma delegação da UNEC em peregrinação na Suécia.
 
Depois de uma década, a idéia de  conversão ao catolicismo o teria movido à busca da verdade e de se aproximar da Igreja, mas as autoridades locais, particularmente o bispo de Estocolmo, o único bispo católico da Suécia, o teria recebido com pouco zelo, falando do caminho paralelo das Igrejas-irmãs para o Cristo universal, e o pastor acrescentou que foram exatamente o rito moderno da Igreja Católica, bem como a teologia contemporânea, que retinham o seu passo.
 
“Eu não podia deixar o Luteranismo para reencontrá-lo do outro lado”, declarou o pastor. O que ele procurava era a verdadeira Igreja Católica de sempre. O rito sagrado da antiga missa, o latim e o gregoriano, a adoração do Santíssimo Sacramento, a veneração da Santíssima Virgem, a teologia thomista, enfim, tudo o que o infeliz Lutero rejeitara há cinco séculos, até o dia em que, por ocasião de uma peregrinação da UNEC, o pastor Sten encontrou, na sua própria igreja de Oskarshamn, o que ardentemente procurava: a santa missa de sempre. Ficou emocionado até às lágrimas, juntamente com o seu auxiliar, um jovem seminarista.
 
(A UNEC fizera uma “peregrinação à Suécia católica, seguindo os passos de Santa Brígida” durante uma novena  àquela grande santa, para celebrar a missa de São Pio V, acompanhada por um coral gregoriano que viera da França, em seis igrejas luteranas da Suécia, construídas antes da Reforma pelos católicos, e os luteranos acolheram estes peregrinos de braços abertos).
 
A “conversão” oficial do pastor e do seu seminarista, aguardando a conversão posterior de boa parte dos 12000 paroquianos de Oskarshamn, com o batismo “sub conditio”, exorcismo a abjuração da fé luterana, está prevista para o dia 30 de julho de 2006, um domingo, na França, numa igreja da FSSPX, que acolherá estes catecúmenos na Igreja Católica “em suplência” do acordo com as autoridades oficiais.
 
O pastor confessou que a situação está especialmente grave na Igreja luterana da Suécia, que foi a Igreja do Estado, com toda a riqueza que isto acarreta. Referiu-se particularmente à introdução do casamento litúrgico de “casais” homosexuais, em outubro passado, de desvios públicos de bispos e “bispas” luteranos ( 2 de 12 bispos luteranos da Suécia são mulheres, das quais uma se confessa lésbica, e um dos bispos, o de Visby sur Gotland, casou-se pela terceira vez, etc)...
 
“Tudo isto me obrigou moralmente a sair de uma estrutura na qual eu não podia mais figurar como um dos responsáveis”. Em suma, o pastor declarou que ele deixa a Igreja luterana para se unir à fé e à comunidade da Igreja católica “na sua integridade”, e principalmente “para salvar minha alma”, completando: “Nós queremos recomeçar do ponto em que Lutero errou, retomando o caminho a partir daquele ponto”. Segundo ele, muitas das paróquias da região teriam permanecidos católicas, até com muitos detalhes litúrgicos, na Igreja luterana da Suécia, se a “conversão” à nova religião no século XVI não teria sido se não um caso político e econômico nas esferas do Poder.
 
O pastor Sten, bem como o seminarista Joacim, pretendem fazer, depois da conversão formal, estudos teológicos complementares e tornar-se padres católicos como “missionários” na Suécia, começando pela celebração da santa missa de sempre numa "capela instalada numa garagem”, como o correu, com o sucesso conhecido, na França, logo após os desasatres decorrentes do Concílio Vaticano II.
 
Que Santa Brígida, padroeira da Suécia e co-padroeira da Europa Cristã, cuide destas santas intenções, para trazer seu lindo país, e toda a Europa, de volta ao porto da Igreja, único caminho sobre a terra para Salvação, depois da sua instituição por Nosso Senhor Jesus Cristo, há 2000 anos. (tradução nossa)

    Para citar este texto:
"SUÉCIA - Conversões de luteranos ao catolicismo"
MONTFORT Associação Cultural
http://www.montfort.org.br/bra/imprensa/igreja/20060515/
Online, 23/03/2017 às 15:14:36h