Igreja e Religião

Papa defende casamento tradicional e critica uniões informais
O papa Bento 16 disse neste sábado que a estabilidade da família baseada no casamento está "em perigo" e criticou o reconhecimento das uniões informais e de homossexuais, lamentando a queda nos índices de natalidade em diversas regiões do mundo.

A mensagem foi pronunciada pelo pontífice na recepção ao Conselho Pontifício para a Família, ao qual Bento 16 destacou o aumento "das separações e dos divórcios, que rompem a unidade familiar e criam vários problemas aos filhos, vítimas inocentes"
.

"A estabilidade da família está hoje particularmente em perigo. Para salvaguardá-la, é necessário freqüentemente ir contra a corrente da cultura dominante", disse Ratzinger.

Assim, pediu a "políticos e legisladores" que defendam "os direitos da família" e criticou as leis que reconhecem as uniões informais e os casamentos homossexuais.

"Soluções jurídicas vão se consolidando para as chamadas 'uniões de fato', que, apesar de rejeitarem as obrigações do casamento, pretendem gozar de direitos equivalentes", disse.

O papa lamentou que há inclusive quem "queira chegar a uma nova definição do casamento para legalizar uniões homossexuais, atribuindo também o direito à adoção de crianças."

Críticas

As declarações foram feitas dois dias após outra mensagem papal que causou protestos da esquerdae de grupos de homossexuais na Itália. Nela, Bento 16 criticou as uniões informais e pediu que se evite a "confusão" com "outras uniões de amor frágil."

Bento 16 também ressaltou na mensagem de hoje que várias regiões do mundo enfrentam atualmente o que chamou de "inverno demográfico", cenário marcado pela queda da natalidade e o progressivo envelhecimento da população.

'Parece que, às vezes, as famílias têm medo da vida, da paternidade e da maternidade. É necessário devolver-lhes a confiança, para que possam continuar cumprindo sua nobre missão de procriar no amor', afirmou.

O pontífice também se referiu à questão dos limites da pesquisa científica e defendeu o "devido respeito ao embrião humano, que deveria nascer sempre de um ato de amor e ser tratado como pessoa".

O papa afirmou ainda que os progressos da ciência "se transformam em ameaças quando o homem perde o sentido de seus limites e, na prática, pretende substituir Deus."

    Para citar este texto:
"Papa defende casamento tradicional e critica uniões informais"
MONTFORT Associação Cultural
http://www.montfort.org.br/bra/imprensa/igreja/20060513/
Online, 22/10/2017 às 01:01:07h