Igreja e Religião

Ratzinger despede o bispo do diálogo com o Islã
Andrea Tornielli

O Papa Bento XVI iniciou a reforma da Cúria e a troca dos dirigentes com uma clamorosa nomeação: o arcebispo Michael Fitzgerald, presidente do Conselho Pontifício para o diálogo inter-religioso, foi ontem nomeado núncio apostólico no Egito e delegado na Liga Árabe. Difícil não considerar isto como uma remoção. Fitzgerld, 58 anos, inglês, membro da congregação dos Padres Brancos, ocupava em Roma um cargo considerado cardinalício e era visto como possível indicado ao cardinalato no iminente consistório.
 
A sua transferência do dicastério vaticano, incumbido do diálogo com o Islã, para a nunciatura do Egito, lembra o afastamento ordenado pelo Papa Paulo VI ao bispo Annibale Bugnini, «factotum» da reforma litúrgica pós conciliar, repentinamente nomeado núncio no Irã [n.d.t. Mons. Bugnini fora então acusado de pertencer à Maçonaria]. 
 
Certamente, a sede escolhida para o prelado inglês é de maior prestígio, e na decisão se pode entrever um desejo de estreitar as relações com os Países árabes moderados. Mas não teria sido este o motivo da nomeação.
 
De acordo com fontes fidedignas, Bento XVI não teria ficado nada satisfeito com uma determinada atuação do conselho para o diálogo inter-religioso. O mesmo Fitzgerald, em outubro de 2003, participou de um encontro em Fátima, organizado sob a égide da ONU, durante o qual foi lançada a idéia de transformar o santuário mariano num centro aberto a todas as crenças. O reitor do santuário [n.d.t. Mons. Luciano Guerra] permitirá a expoentes religiosos hinduísta dirigir uma oração junto ao altar da capela das aparições. Daquele encontro, participou também o teólogo Jacques Dupuis afirmando que «a religião do futuro será uma convergência geral das religiões num Cristo universal que satisfará a todos». Fitzgerald interveio no dia seguinte dizendo que o Pe. Dupuis havia apresentado a «base teológica» para o diálogo com as outras religiões. Em Roma chegavam muitos protestos, todos endereçados justamente ao cardeal Joseph Ratzinger
 
[n.d.t. Vide http://www.vatican.va/roman_curia/congregations/cfaith/documents/rc_con_cfaith_doc_20010124_dupuis_po.html condenação do Vaticano de obra do Pe. Jcques Dupuis, sobre o pluralismo religioso.
 
Vide http://www.fatima.org/news/newsviews/sprep111303.asp sobre o encontro inter-religioso de Fátima citando Pe. Dupuis, Mons. Fitzgerald e outros, e artigo A abominação no lugar santo: o Santuário de Fátima se tornará um santuário pagão”  ].
 
Além disso, é importante notar o fato de o Papa não ter nomeado um sucessor do prelado inglês. Isto sugere uma tendência de fusão do Conselho Pontifício para o diálogo inter-religioso: nos próximos dias a titularidade do dicastério poderia ser data interinamente ao cardeal francês Paul Poupard, do Conselho para a cultura. Poderia ocorrer o mesmo também com o dicastério para os imigrantes: o cardeal Stephen Fumio Hamao, 76 anos, teria apresentado ao Papa a sua renúncia, para se aposentar e poder voltar ao Japão. Para o seu lugar não seria nomeado ninguém (nos últimos meses, também o sub secretário do mesmo dicastério foi promovido a núncio, sem ser substituído) e a gestão do Conselho Pontifício poderia ser confiada interinamente ao cardeal Renato Martino, da «Justiça e Paz». Pequenos passos em direção a uma simplificação da Cúria romana. Aguarda-se para depois da Páscoa a substituição do Secretário de Estado Angelo Sodano: fato mais provável ainda depois da infeliz consulta para a sucessão de Ruini.«Justiça e Paz». Pequenos passos em direção a uma simplificação da Cúria romana. Aguarda-se para depois da Páscoa a substituição do Secretário de Estado Angelo Sodano: fato mais provável ainda depois da infeliz consulta para a sucessão de Ruini.
 
Enfim, aguarda-se com muita expectativa, o anúncio do próximo consistório: quatro seriam os novos purpurados da Cúria Romana (Levada, Rodé, [n.d.t. Prefeito Institutos de Vida Consagrada e as Sociedades de Vida Apostólica ], Rylko [n.d.t. Presidente do Conselho dos Leigos]  e Vallini, este último já previamente anunciado como arcebispo de Nápoles). Nos próximos meses deverão deixar a Secretaria de Estado o atual «ministro do Exterior» Lajolo e o Substituto Sandri, que seriam promovidos para dirigir dois dicastérios romanos.» e o , que seriam promovidos para dirigir dois dicastérios romanos.
 
[Tradução nossa ]

    Para citar este texto:
"Ratzinger despede o bispo do diálogo com o Islã"
MONTFORT Associação Cultural
http://www.montfort.org.br/bra/imprensa/igreja/20060216/
Online, 24/11/2017 às 20:26:49h