Brasil

Bíblia e crucifixo são retirados do gabinete no Palácio do Planalto

Em sua primeira semana, Dilma Rousseff fez mudanças em seu gabinete. Substituiu um computador por um laptop e retirou a Bíblia da mesa e o crucifixo da parede.
 
Durante a campanha eleitoral, a então candidata se declarou católica e foi atacada pelos adversários sob a acusação de ter mudado suas posições religiosas.
 
A presidente também trocou móveis para deixar o ambiente "mais confortável". Os estofados coral, usados no Palácio do Catete no governo Vargas, foram substituídos por poltronas e um sofá da linha Navona, do arquiteto Sergio Rodrigues.
 
Dilma começou a trabalhar às 9h30. O primeiro compromisso é com Helena Chagas (Comunicação Social) para se informar; a seguir, com o chefe de gabinete, Gilles Azevedo; depois com Antonio Palocci (Casa Civil).
 
A presidente não tolera atrasos. Pede objetividade e não gosta de expressões como "eu acho". Apesar do estilo rígido, um interlocutor que acompanhou os primeiros dias de Lula no poder diz que a sensação é de que Dilma está "mais à vontade".
 
No período inicial, uma semelhança entre eles: Lula priorizou a agenda interna. Dilma faz o mesmo ao ter o trabalho dominado por reuniões com ministros.
 
 

 
Comentário:
 
 
Não causa surpresa alguma a sucessora de Lula expulsar o CRUCIFIXO da sua sala, como também não será surpresa logo mais a 'expulsão ' de Nosso Senhor Crucificado de todas as salas de orgãos públicos seguindo-se, claro, a proibição de toda manifestação pública católica... E assim por diante. Para nós, católicos, dias piores virão, como ocorreu em todos os países comunistas, socialistas, desde o Império Comunista Russo, passando pela China, Alemanha nazista, México, Cuba, e mais recentemente Espanha,  e etc...etc. Neste caminho, infelizmente, se encontra a Terra de Santa Cruz, alíás, nome este que também corre o risco de ser 'expulso' dos novos livros de História...
 
Responsáveis por tudo isto no Brasil? Todos os que, desde a década de 70, fizeram a apologia de Lula e do PT, principalmente a CNBB [particularmente D. Helder, D. Arns, D. Hummes, seguidos por 'n' bispos e sacerdotes 'vermelhinhos' ou 'rosadinhos', e todo o Clero progressista, incluindo seus tentáculos, como a PUC-SP, a JOC, a JUC e etc, tranformadas e amalgamadas depois nas "Comunidades de Base". Não esquecendo parte da 'elite burguesa' da época, especilamente a paulistana, formada por industriais  e 'nouveaux riches' do Jardim Europa, e 'intelectuais' [estes, claro, incluindo grande número de famosos 'artistas' ---- que, como sabemos, todos, ipso facto, 'intelectuais'---...].
 
Entre Cristo e Barrabás, quem estes certamente livrariam?
 
Marcelo Fedeli

    Para citar este texto:
"Bíblia e crucifixo são retirados do gabinete no Palácio do Planalto"
MONTFORT Associação Cultural
http://www.montfort.org.br/bra/imprensa/brasil/20110109/
Online, 14/12/2017 às 05:58:24h