Brasil

Dom Gil Antônio Moreira critica o Programa Nacional dos Direitos Humanos do governo Lula

SÃO PAULO, 25 Jan. 10 (ACI) .- Em seu recente artigo "Os Direitos Humanos do Governo" Dom Gil Antônio Moreira, Arcebispo de Juiz de Fora (MG), criticou severamente o Programa Nacional dos Direitos Humanos do governo Lula, denunciando as tentativas deste para obter a legalização do aborto e das uniões homossexuais afirmando também que em nome de uma pseudo laicidade, não se pode impor aos cidadãos um regime ateu, agressivo aos sentimentos religiosos, impedindo de todas as maneiras a prática e a expressão livre da fé: "É cruel ver que tudo isto vem embutido em pacote sobre o qual se escreve "Direitos Humanos" quando é justamente o seu contrário", afirmou o prelado.

notório o espanto que certos termos do recente Programa Nacional dos Direitos Humanos publicado pelo Governo Lula têm causado à população brasileira", afirmou Dom Gil .
Por outro lado, o Arcebispo se perguntava: "Como compreender que uma pretensa intenção de defender direitos humanos inclua a aprovação de leis abortistas? Onde está defendido o direito da criança que ainda se encontra no seio materno, de nascer, de viver e ter seus demais direitos reconhecidos?".

Criticando especificamente a incoerência do apoio do programa à tentativa da promoção de abortos legais no Brasil, Dom Gil indagava em seu artigo: "Como pode alguém condenar métodos agressivos do tempo do Governo militar e propor a prática de tortura ao agredir os corpos das criancinhas no ato abortivo, em determinados métodos, quando são literalmente dilaceradas até sem anestesia, ou simplesmente eliminadas com outros métodos como se o ser humano pudesse ser descartado como lixo?".  

Depois de afirmar que os fins não podem jamais justificar os meios e recordando o fracasso que representou o marxismo em países onde o comunismo esteve presente por décadas e onde os direitos humanos também não foram respeitados, Dom Gil denunciou que "há de fato um engano em certas cabeças: desejar comparar marxismo com cristianismo. Entre as duas teorias que parecem sugerir semelhanças, há uma diferença determinante: enquanto Marx diz o que é teu é meu, Cristo prega: O que é meu é teu".  

Mais adiante, o Arcebispo mostra sua profunda consternação sobre a proposta da legalização das uniões homossexuais e a equiparação destas com o matrimônio entre o homem e a mulher indagando:
"Como pode alguém afirmar a defesa da família e provocar situações que ferem ao real conceito familiar, criando casamentos de pessoas do mesmo sexo, como se tudo fosse igual?".

"O Governo laico é justo quando ele defende o direito dos cidadãos de expressar livremente sua fé, mas é totalmente injusto quando agride a consciência religiosa do seu povo e desconhece a realidade histórica de sua gente, permeada de profundo senso religioso", afirmava Dom Moreira perguntando também "Como pode o Governo, em nome de uma pseudo laicidade, impor aos cidadãos um regime ateu, agressivo aos sentimentos religiosos, impedindo de todas as maneiras a prática e a expressão livre da fé?".
 
"As medidas publicadas nas vésperas do Natal, dia sagrado para a grande maioria do povo brasileiro, não deixam de assustar a nós Bispos que ouvimos o Presidente da República afirmar de público, na Assembléia da CNBB de 2002, que jamais admitiria em seu governo qualquer medida que agredisse a fé cristã do povo brasileiro. (...) Como entender isto?", finalizou o Arcebispo. 
(destaques nossos)
 

    Para citar este texto:
"Dom Gil Antônio Moreira critica o Programa Nacional dos Direitos Humanos do governo Lula"
MONTFORT Associação Cultural
http://www.montfort.org.br/bra/imprensa/brasil/2010-01-25/
Online, 23/06/2017 às 12:23:32h