Outros temas

Evangelização dos jovens
PERGUNTA
Nome:
Gualberto Gracindo Gonçalves Junior
Enviada em:
31/12/2007
Local:
São Vicente - SP, Brasil
Religião:
Católica
Escolaridade:
Superior em andamento
Profissão:
Atendente Comercial

Prezado Profº Orlando, Salve Maria!

Primeiramente, gostaria de parabenizar o site pela qualidade do conteúdo, o que é raro. Aqui me sinto a vontade quanto na certeza de ter respostas bem fundamentadas.

Bem, peço a equipe desse site qual a análise que vocês fazem diante do documento resultante da 44ª Assembléia dos Bispos - Evangelização da Juventude (Caderno de Estudos da CNBB número 93). O que acrescenta esse documento ao desafio de nossa Igreja de anunciar a Boa Nova aos jovens?

Gostaria de recorrer a vocês para esclarecer questionamentos que há muito tempo eu guardo: qual a maneira mais eficaz de evangelizar os jovens? Por que a Igreja Católica, que tem experiência de séculos com evangelização e insuperável embasamento teórico, encontra tanta dificuldade em atrair os jovens e amadurecer sua fé? Diante de tantos atrativos que o jovem encontra à sua volta, como a Igreja deve atuar, pois o que mais afasta o jovem é a "monotonia da vida em comunidade", segundo eles? Shows, festas, clubes etc colocam em prática métodos eficazes para atraí-los; Jesus atraía multidões. O que falta na nossa Igreja para evitar o esvaziamento de jovens em seus templos?

Agradeço-vos desde já vossa atenção e peço-vos orientação quanto a esse assunto.

In Corde Jesu, semper,
Gualberto Gracindo Gonçalves Junior
RESPOSTA

Muito prezado Gualberto,
Salve Maria.

     Obrigado por suas palavras.
     Nosso Senhor disse que quando fosse levantado (na cruz) atrairia tudo a si. A CNBB e suas xaroposas campanhas não atraem ninguém.
     Os padres, depois do Concílio Vaticano II, ao invés de falar da cruz de Cristo, oferecem aos moços bailes, shows, emoções e rock. O resultado é zero. 
     
Há sim jovens -- bem poucos -- que vão à Missa em certas paróquias. Mas eles, infelizmente, nada sabem da doutrina católica e só vão lá, na maioria da vezes, se exibir tocando em bandas furiosas, que profanam a Missa. Vão para namoros. E depois se vão com a guitarra e sem Deus.
     A apostasia é geral.
 

     Você tem razão ao dizer que a Igreja sempre atraiu os jovens. Dom Bosco, no século XIX tinha milhares de moços e meninos com ele. E nunca lhes permitiu bailes. Fazia-os rezar e lhes ensinava o Catecismo, por isso os atraía.
     Ora, sempre dei aulas a jovens e sempre tive muitos jovens comigo. A Montfort tem sempre um público jovem com ela.
     Um poeta disse certa vez que "A juventude foi feita para o heroísmo e não para o prazer" (Paul Claudel). É a cruz, o heroísmo, o sacrifício que atraem os moços.
     Essa sempre foi a pedagogia da Igreja: pedir aos moços que busquem fazer o bem com sacrifício de si mesmos.
     Hoje, padres que usam bermudas, sinceros como Judas, oferecem aos jovens bailes, shows, cristotecas e rock. Mas, se é para gozar a vida, parque ir à paróquia? Os jovens vão então diretamente aos antros de perdição. 

     Só Deus atrai. Só a verdade atrai e A Verdade foi crucificada. A Verdade -- Cristo Jesus -- só se encontra na cruz.

In Corde Jesu, semper,
Orlando Fedeli