Montfort Associação Cultural

26 de janeiro de 2005

Download PDF

Voltar a ser católico

Autor: Orlando Fedeli

  • Consulente: Roberto Carvalho
  • Idade: 48
  • Localizaçao: São Paulo – SP – Brasil
  • Escolaridade: Superior concluído
  • Religião: Evangélica

Prezado e insígne Professor Orlando Fideli, O senhor tem  constantemente apontado os desvios doutrinários dentro da igreja católica. Padres, teólogos,  e grupos da igreja que praticamente deixaram de ser católicos, por seguirem idéias que não são as verdadeiras da igreja e mesmo contrárias a ela, são constantemente denunciados pelo senhor.

Tantos são os casos e tão amplos os setores da igreja atingidos, que para quem acompanha seus estudos fica a impressão que fora a Montefort e altas instâncias do clero, ligadas à defesa da fé, não sobra praticamente ninguém que demonstre fidelidade aos preceito fundamentais da igreja católica que o senhor abone inteiramente os atos. Cartas de católicos inclusive chegam ao seu site criticando-o  dizendo  que suas críticas  seriam agradáveis demais aos evangélicos, já que o senhor se bate por muitas das coisas que evangélicos fundamentalistas sempre se bateram.

Ora,se o senhor mesmo, que é um das mais católicos que se pode encontrar, faz esta crítica então porque nós evangélicos voltariamos para uma igreja assim, que ao que tudo indica ainda se manterá ” equivocada “por um longo tempo?  Por que deveriamos esperar que surgisse um movimento de volta as origens, liderado por católicos esclarecidos como o senhor, que infelizmente são tratados como espécime em extinção, estranhados pelos seus próprios pares, parecendo tudo isso apenas confirmar aquele ditado ” ninguém é profeta em sua própria terra ” .

A melhor igreja para um cristão congregar é aquela perto de sua casa, porém se a igreja que se tem perto  prega justo estas doutrinas que o senhor repudia então porque sairiamos da igreja evangélica para ouvir padres e teólogos católicos – estes que o senhor aponta as mazelas – que deveriam pregar o certo e não pregam, seduzidos por coisas estranhas a verdadeira doutrina? Eu gostaria de voltar para a igreja católica, mas se  as coisas vão mal assim eu me dou conta que seria apenas mais um soldado achando que o batalhão é que está marchando errado, ficando ali e tentando corrigi-lo.

Para voltar e ficar nesta posição, que parece ser a sua, me parece melhor ficar entre os evangélicos fundamentalistas, por maior que seja o pecado de ter dado as costas para a igreja.

Por motivos parecidos com os que o senhor aponta os evangélicos sairam e foram postos fora da igreja e portanto se sairam foi   por questão de estado de necessidade e para não vilipendiar a sua consciência de cristão.

Pergunto ao senhor : um doente que vá à rede pública e não é atendido deve ficar esperando o atendimento que nãp vem? Deve esperar só porque a constituição federal, presidente da república e ministros garantem que este cidadão tem direito à saúde do Estado? A igreja católica tem a missão de ser farol, de ser a igreja de Cristo na terra, mas não cuida como deveria, então porque eu deveria ficar ali mantendo-me fiel a alguém que não é fiel comigo, precisando ele de cuidados? Este um paralelo entre a autoridade atribuida à igreja e a autoridade atribuída à saude pública, que embora tenham a missão e competência institucional se colocam muito aquém desta missão Da mesma maneira se o alimento espiritual não é dado corretamente não seria lícito que um cristão haja como o gestor de negócios do código civil, que age no lugar do dono como se o dono fosse, para que a propriedade não se deteriore? Este um exemplo para perguntar se não seria justificável entrar na competência da igreja e  pregar o evangelho para os outros como se sacerdote fosse, isso porque não estão pregando corretamente e é preciso espiritualmente alimentar corretamente a sua família e a comunidade? É insubmissão passar a agir como um apóstolo estando a seara descuidada, aqui o evangélico que prega não agiria como o gestor de negócios?

Católicos que como o senhor resistem sózinhos e encastelados num instituto e chegam mesmo a lembrar  aqueles soldados japoneses fiéis ao imperador, que se esconderam por décadas na selva de uma lha do pacífico, avreditando resistir a uma  guerra que já havia acabado   há décadas.

A igreja católica é milenar e vai corrigir os desvios de rota, mas e e nós, até que isso ocorra – vamos ficar dispersivos e frios como a maior parte dos católicos, que inclusive acham normal ir à pais de santos, ler cartas, ir no kardecismo ( católico de nascimento kardecista de coração ), isso quando já  professam em público a crença na reencarnação e na inexistência do demônio -  esperando que tudo se esclareça um dia enquanto a alma deteriora? Desculpe mas é tempo demais para esperar, o apelo para que aguardemos  serenamente o tempo das coisas acontecerem fazendo lembrar o apelo de Maria Antonieta  ao povo esfoemado:  ” ora, se não tem pão comam brioches “. Daí surgem as revoluções, infelizmente.

Não estou defendendo estas posições, até porque não seria louco de debater teologia e fé com o senhor, estou dizendo que por estado de necessidade me vejo rendido a evidências de desvios que o senhor próprio muitas vezes expõe, aliás com muito mais propriedade.

O senhor me diga onde existe em São Paulo uma igreja que  discuta e pregue estes assuntos e posturas de fé que o senhor adota e recomenda  que irei lá conhecer. Me esclareça também porque todo católico que deseja ser fiel a fé verdadeira acaba enveredando pela fundação de um grupo, como é o da Opus Dei, TFP, e Montfort, sendo que até o senhor já enganou em confiar na fidedignidade da TFP e hoje a denuncia.

Pena que a Montefort não seja uma paróquia ou diocese e o senhor o padre ou bispo responsável pois aí pensaria seriamente em voltar para a igreja católica. Em todo caso gostaria que soubesse que leio suas lições com respeito e atitude de aluno. Também leio os documentos fundamentais da igreja, encíclicas falando de família, outras ensinando o que é consciência cristã, mas isso parece esquecido em bibliotecas do vaticano ou nos links da Montfort, e me parece que a perspectiva de ser mais um católico fundamentalista encastelado parece tão promissora com a de outra destas andorinhas sós  tentando fazer um verão.

O senhor me desculpe o  desatino e falta de melhor perspectiva que vão nesses pensamentos, bem como  a avaliação rasa questou a  fazer  dos seus abalizados posicionamentos e competente ministério de ensino, mas essa me pareceu uma maneira necessária de colocar minhas dúvidas anseios e inquietações de cristão. Se poderei ser um cristão melhor voltando a ser católico o senhor então professor por favor me mostre, em nome do Nosso Senhor e Salvador Jesus Cristo,apontando-me como e por onde.

Muito prezado sr. Carvalho,
salve Maria.

Quero agradecer suas palavras respeitosas com relação à minha pessoa, e registro com alegria suas frases que me deram grande esperança de seu retorno a única Igreja de Nosso Senhor Jesus Cristo, a Igreja Católica Apostólica Romana.

Com efeito, o senhor me escreveu:

“Se poderei ser um cristão melhor voltando a ser católico o senhor então professor por favor me mostre, em nome do Nosso Senhor e Salvador Jesus Cristo,apontando-me como e por onde”.

E mais:

“Eu gostaria de voltar para a igreja católica, mas se as coisas vão mal assim eu me dou conta que seria apenas mais um soldado achando que o batalhão é que está marchando errado, ficando ali e tentando corrigi-lo”.

Deus o ajude a concretizar esses bons propósitos.

Claro que quero ajudá-lo nesse retorno ao caminho verdadeiro, e fico contentíssimo que o senhor tenha a santa disposição de voltar a ser católico, colocando o senhor, porém,  algumas restrições.

Para ajudá-lo nesse santo retorno, é que me vejo obrigado a dar-lhe algumas observações, a fim de que veja mais claramente o que deve compreender e fazer.

Primeiro esclarecimento fundamental: A Associação Cultural Montfort não é, e nem pretende ser, o único reduto da verdade. Pensar isso seria transformá-la numa seita. Deus me guarde desse pecado.

A Montfort é apenas um dos milhares de grupos católicos que se mantém fiéis ao que a Igeja Católica sempre ensinou. Se a Montfort tem encontrado muito boa acolhida — como o demonstram as milhares de cartas de apoio que recebemos– é porque há milhões de católicos, que, graças a Deus, se mantem fiéis ao que a Igreja sempre ensinou.

Então não é verdadeira sua impressão assim externada:

“quem acompanha seus estudos fica a impressão que fora a Montefort e altas instâncias do clero, ligadas à defesa da fé, não sobra praticamente ninguém que demonstre fidelidade aos preceitos fundamentais da igreja católica que o senhor abone inteiramente os atos”.

Há poucos anos atrás, fui dar uma palestra no Chile, e lá encontrei muitas pessoas que pensam exatamente como a Montfort, fiéis à Igreja Católica. Há muitos grupos assim, em toda a parte. Se esses grupos são desconhecidos é porque a mídia não fala deles, e nem eles tem meios de se manifestar. A Montfort apenas encontrou maneira de levantar a voz de sua fidelidade à Igreja, e, pela Internet, fez sua fidelidade ecoar bem longe, e com grande receptividade.

Mas a Mídia, normalmente anti catolica, só faz propaganda de grupos eivados de erros. Mas esses grupos eivados de erros e que combato, eles não são a Igreja Católica.

Segunda Observação: A Montfort não pretende voltar às origens da Igreja. Essa é uma atitude própria do Modernismo, que nega que a Igreja  seja assistida continuamente na História, ou que crê, erroneamente, que o Espírito Santo tenha abandonado a Igreja em determinado ponto de sua História. Isso é herétco, pois Cristo prometeu assistir a Igreja todos os dias, e que ela jamais pereceria.

Um dos erros que a Montfort mais combate é precisamente esse herético retorno às origens.

Como católicos fiéis, proclamamos que a Igreja é Verdadeira e Santa, e que Ela jamais errou, nem pecou. São os homens da Igreja, clérigos e simples leigos, que podem ter erros e pecados .A Igreja é indefectível, infalível e santa.

Terceira Observação: Não me bato por nada que se batem os fundamentalistas protestantes, antes defendo tudo o que eles atacam. Não há nada em comum entre a Montfort e essas seitas anticatólicas, graças a Deus. A única coisa que relaciona a Montfort com essas seitas é a santa e irreconciliável inimizade que Deus colocou entre os filhos da Virgem e os filhos da serpente.

Quarta Observação: O senhor me diz:

“Pena que a Montefort não seja uma paróquia ou diocese e o senhor o padre ou bispo responsável pois aí pensaria seriamente em voltar para a igreja católica”.

Por mais lisonjeira que seja sua frase para comigo, devo dizer-lhe que, se o senhor voltasse à Igreja simplesmente por minha pessoa, o senhor cometeria um grave erro.

O senhor deve voltar à única Igreja de Nosso Senhor Jesus Cristo, por causa de Jesus Cristo, e não por causa de um simples homem, e mais, de um pecador, como sou eu, desgraçadamente.

A Sagrada Escritura diz quanto a isso:

“Maldito o homem que confia no homem” ( Jer. )

Portanto, não volte por causa da Montfort, ainda que possa voltar por meio da ajuda da Montfort. Não volte por minha causa.

Volte, volte, sim, e o quanto antes, por Nosso Senhor Jesus Cristo.

Não por mim. Não por mim, que isto o decepcionaria, muito certamente.

Volte por Pedro. Volte a ser católico, pelo Papa, que Deus colocou como seu Vigário na terra. Volte pelo que ensinam os Papas, que são, eles sim, a voz de Cristo, no mundo. Não volte por mim, que nada sou, e que, se valho algo e pouco, é só por repetir o que os Papas ensinam.

E essa tendência que o senhor manifesta de confiar no homem é típica do protestantismo.

Os protestantes deixaram a  Igreja, para seguir a Lutero. Outros seguiram a Calvino, outros Herique VIII, outros a Zwinglio, e etc.

Ainda ontem, passava eu pelo elevado no centro de São Paulo, quando vi um hediondo e ridículo edifício construído por um pastor que não teve pejo de colocar inscrições de propaganda de si mesmo em seu “templo” – que mais parece um shoping -, como faz um negociante em sua padaria.

Numa das inscrições se lia: “Igreja Deus é Amor. Fundada pelo missionário Davi Miranda”.

Nessa igrejola vão milhares de iludidos, seguindo um homem que proclama, atrevidamente, ser ele o fundador de sua igrejola. Ele mesmo proclama que sua igrejola não é a fundada por Cristo, e, apesar disso, quantos vão lá julgando estar seguindo a igreja de Cristo, quando, de fato, seguem um homem.

Por favor, então, não me siga, embora possa vir comigo.

Siga, sim, a Cristo, e não a um homem. Muito menos a mim, que nada valho, como Deus bem o sabe.

Quinta Observação Se na Igreja católica há, hoje, tantas pessoas perdidas, e  tantos movimentos errados, isso foi conseqüência da adoção por maus teólogos da Teologia protestante do século XIX, nascida de Lutero e do filósofo tipicamente protestante Kant. Foi a chamada teologia do protestantismo liberal que invadiu a Igreja Católica através da heresia modernista, da nova teologia de de Lubac, Rahner, Daniélou, Urs von Balthasar, e tantos outros”mestres de dúvidas”.

O fato de haver grande número de pessoas de má doutrina e de maus costumes, hoje, na Igreja Católica, só comprova a sua santidade e sua origem divina. Com efeito, só sendo divina a Igreja poderia resistir a tão grande mal.

No Apocalipse se lê que, um dia, quando o Anticristo reinar no mundo, só um pequeno número permanecerá fiel a Cristo e à sua Igreja.

Hoje se dá algo parecido e que poderá ainda piorar. Como disse o Cardeal Ratzinger, a Igreja poderá ficar reduzida a bem pequeno número de fiéis.

“Nolite timere pusilus grex”, nao tema pequenino rebanho, recomendou-nos Nosso Senhor.

E isto me leva à minha Sexta Observação.

O senhor me escreve: “Eu gostaria de voltar para a igreja católica, mas se  as coisas vão mal assim eu me dou conta que seria apenas mais um soldado achando que o batalhão é que está marchando errado, ficando ali e tentando corrigi-lo”.

Meu caro amigo, esse medo de estar sozinho contra o batalhão é o medo muito democrático — perdoe-me dizê-lo muito francamente — das assim chamadas “marias vão com as outras”.

Se os Apóstolos tivessem tido seu temor de ir contra todo o batalhão, teriam pedido para libertar Barrabás.

Meu caro senhor Carvalho, a verdade não depende da maioria, e Cristo nos disse: “Sereis odiados por causa de meu nome”. E nesse ponto, permita-me dizer-lhe, que a Montfort não tem exatamente esse medo: o de ficar sozinha testemunhando a verdade Católica. Mesmo que estivermos sozinhos a defender a Deus do céu, não, jamais nós cederemos. E que Deus nos ajude a ser fiéis ainda que sós.

E o senhor não quer ser dos que permanecem fiéis, mesmo quando todo o batalhão desce, de pandeiro e cuíca, balançando-se e saltitando, até Jericó ?

Ou o senhor tem medo de ficar só com Cristo e com a sua única Igreja, que é a Igreja Católica Apostólica Romana?

Será que preferiria o senhor ficar com a maioria que ria da morte dele no Calvário, ou não preferiria o senhor ficar com a Virgem Maria, que estava firme junto a Cruz, sem medo da multidão ululante e estúpida ?

Que Deus misericordiosamente me dê forças, e à Montfort para testemunhar, ainda que isolados, ainda que em poucos, “no esplendor do meio dia”, que Cristo é a Verdade, que a Igreja Católica, ainda que sob os escarros e feridas produzidas por seus maus filhos, é a única Igreja verdadeira, e que Ela continua sendo sempre Una e Santa. E tanto mais admirável Ela é quanto mais Ela está só e abandonada. E traída e crucificada.

Pois assim como o Messias veio como um homem, por isso não foi reconhecido, a Igreja, hoje vilipiendada e escarnecida, permanece a mesma de sempre e Imaculada. Porque é fácil acreditar no sol, ao meio dia. O difícil, o belo, e o heróico é permanecer acreditando no sol, à meia noite, como se diz no Chantecler.

E o senhor não quer vir com a Montfort — sem seguir a Montfort, mas a Cristo –  e com milhares de outros pequenos e humildes grupos fiéis, testemunhar, numa manha azul, ao sol, que Jesus Cristo é a Verdade, nos braços de Maria Virgem?

Ó meu caro amigo, venha comigo, para que juntos sigamos, não a nenhum homem, mas ao Deus encarnado. Não a um pobre professor envelhecido e cansado, mas seguir a Igreja Católica, luz do mundo e sal da Terra.

Sim, venha. O quanto antes, para juntos seguirmos a Cristo. Para juntos seguirmos o Papa, doce Cristo na terra, juntos aderirmos firmemente à Igreja Católica Apostólica Romana, fora da qual não há salvação.

Eu o aguardo como os cristãos esperavam os pagãos, admirados pelos martírios, na saída da arena.

Estamos nas catacumbas, mas nelas brilha a luz de Cristo.

Venha. Vamos. Vençamos.

Venha sem tardar.

In Corde Jesu, semper,
Orlando Fedeli

Replica

Prezado Professor Orlando,

O senhor, segundo o seu treinado ” olhar de raio x da fé “, tem apontado constantemente, um a um, os desvios doutrinários dentro da igreja católica.

Mostra o senhor no site, em análises diversas e reiteradas onde padres, teólogos, e grupos católicos praticamente deixaram de ser católicos, no sentido de seguirem idéias que não são as verdadeiras da igreja, arrastando com eles multidões de católicos para o erro.

São inúmeros os seus estudos mostrando isto (li quase todos e me instrui com eles ), mas se então é assim, e este é o estado de coisas atual, que não mostra melhorar e sim piorar com o passar do tempo então me diga, o senhor que conhece tão bem a doutrina verdadeira: por qual exata e prática razão deveríamos nos manter fiéis a uma igreja que o senhor mesmo mostra que salvo o Papa, Cardeal Hatzsinger ( desculpe não saber escrever o nome ) mais assessores nas altas esferas, tornou-se a igreja católica, na prática, uma casa desastradamente dividida e minada na base.

Tentarei uma alegoria meio deslocada, mas que talvez sirva para procurar expressar certas situações peculiares, que precisam ser devidamente consideradas para co ela tentar-se entender o que leva um católico a ir para a igreja evangélica:

Imagine que uma pessoa doente, cidadão de um certo país que diz garantir a saúde, e tratamento de seu povo, vá a um destes hospitais horríveis da rede pública e venha a ser atendido, embora urgente a sua necessidade de saúde … Imagine que mesmo assim desesperadamente necessitando de cuidados este cidadão decida se manter ali no posto de saúde até que decidam atende-lo, isso porque acredita na missão do poder central de garantir a saúde…

Veja que seria um desvario achar que alguém devesse permanecer ali em tais condições aflitivas, isso porque ele deveria manter-se fiel à crença na Constituição Federal, que garante saúde a todos; crente e fiel também à autoridade do Presidente da República, Ministro da Saúde, e Previdência Social que garantem devotar sua vida por um bem desses …

Pois lhe pergunto se o cristão com a alma afligida, tendo que dar conta de tantas demandas a aflições na sua vida diária e particular, sujeito ainda a ficar enfermo ( se já não estiver ) por falta de alimento ou tratamento espiritual adequado, eu pergunto ao senhor se este católico deveria ficar numa igreja, que embora tendo a primazia e a missão institucional da defesa da fé não a cumpre a contento, e deixa seus fiéis a descoberto ? A situação do católico que deixa a igreja nestas circunstâncias não se explica como no caso do doente que procura o sistema de saúde ?

Coloco isso para que o senhor saiba que é com tristeza até que muitos deixam a igreja católica, onde se vê exemplos magníficos de renúncia dos padres e religiosos, mas isso parecendo inútil vendo estes mesmos sacerdotes parecendo mais inocentes úteis e massa de manobra dos freis betos e boffs da vida, e comomandados e formados na esteira das boas intenções socializante de don Paulo Evaristo Srns, ou da defesa deslocada da fé de um padre Quevedo; para não falar da ingenuidade dos líderes carismáticos. Todos eles já merecedores de suas críticas.

Vejo portanto que toda as atitudes e posturas de coerência que o senhor prega estão mais próximas daquelas dos evangélicos fundamentalistas, do que a da maior parte dos católicos a quem o senhor, com razão, vive apontando as mazelas.

Já li cartas de católicos em seu site criticando-o, ao dizer que suas posições mais parecem a de um evangélico fundamentalista, dizendo até que senhor e o seu site seriam agradáveis demais aos evangélicos, isso por católicos o verem se batendo por muitas das coisas que evangélicos fundamentalistas sempre se bateram.

Professor Orlando – o senhor visto por alguém de fora da igreja parece mais o último dos “moicanos ” e por isso mesmo deve ter uma legião de evangélicos, que como eu, o admiram, capaz que é de intelectualmente dar um ” chega pra lá ” em quem precisar , não se intimidando em enfrentar intelectuais de proa como ao astrólogo Olavo de Carvalho ( seria quase perfeito o Olavo se não fosse isso e suas origens gnósticas) … que azar o dele cruzar com o senhor pela frente …

Azar que também poderia ser atribuído à própria igreja católica, que parece só ter o senhor para falar as verdades. Verdades que no entanto parecem fadadas a ir pouco mais adiante da sua impoluta pessoa, pois por mais que haja um despertar de fé e consciências dentro desta seara que o senhor trabalha eu pergunto qual a continuidade disso ? O que nos garante que ficaremos na mão mais à frente ?

Evangélicos são hereges, insubmissos, não aceitam hierarquia e autoridade, se tornaram pais do liberalismo que está aí ?

Bem seriamos tudo isso se não houvessem motivos vitais que não permitiram que um cristão ficasse parado, vendo que o alimento espiritual de que necessita está chegando fora das especificações mínimas de conservação.

O senhor sabe por que muitos comerciantes de comida, supermercados, restaurantes, não doam o excedente? Porque não existe uma lei que transfira a responsabilidade sobre a qualidade da comida para as instituições que repassarão aos necessitados. Isso porque as instituições de auxílio pegam esta comida e se não as mantiverem em conservação adequada depois o dano da intoxicação causadas aos necessitados será cobrado do fornecedor original.

O paralelo é meio estapafúrdio, mas eu voltando para a igreja católica quem me garante que o alimento que receberei estará devidamente conservado?

Devo me fiar na garantia de quem já que o evangelho diz : ” coitado do homem que confiar no próprio homem ” . Vou ser um católico virtual, acessando do seu site os documentos da santa igreja, mas indo na igreja não escuto nada daquilo?

Ora, eu a princípio creio que a igreja católica detém a missão e autoridade de divulgar o cristianismo, e tem material bom para isso, mas se por problemas que não entendo direito e nem sei explicar melhor a razão, vejo que esse material não chega na ponta para alimentar o rebanho , então eu consumidor não devo me reservar o direito de não aceitar este alimento e ir buscá-lo de uma fonte mais segura ?

Sinceramente, professor. abrisse a igreja católica um memorial e relicário em cada cidade, para lembrar os feitos dos heróis da cristandade, mas deixasse as mensagens do evangelho à frente daquelas que se ocupam tanto da intercessão dos santos. Cuidasse a igreja de pegar a vida dos santos e mostrar como é possível um mortal seguir a Deus e ao evangelho, e todos sairiamos mais fortalecidos e edificados, ao invés de fazer romarias, acender velas e fazer novenas e quantas mais atitudes místicas, que nada mais buscam do que botar fé num poder transcendental que deveria ser resolvido inteiramente na fé do poder da Trindade: Pai Filo e Espírito Santo. Não estabelecer isso como norte permanente é promover uma tremenda inversão de valores.

Eu dedicaria a maior parte do meu tempo livre a estudar a vida dos santos caso cuidasse o estudo dos exemplos de santidade porque isso sim edifica.

A igreja católica deveria ensinar toda ela isso que o senhor ensina, que é uma espécie de ISO 900 da fé, então vou ficar nela porque o senhor sabe da verdade embora ele não chegue a mim na igreja?

Veja que são duas qualidades de alimentos espirituais diversas, uma fazendo bem outra não, sendo que estou próximo da que não faz bem…então porque vou ficar ali me alimentando do que sei que é duvidável?

Pergunto portanto:

Por que nós evangélicos voltariamos para uma igreja assim, que ao que tudo indica ainda se manterá ” equivocada ” em sua quase totalidade por décadas, como o senhor mostra o variados equivocos. Por que deveria me manter fiel a quem não se mantém fiel? Por que deveriamos esperar que surgisse um movimento de volta as origens, liderado por católicos esclarecidos como o senhor, que infelizmente são tratados como espécime em extinção e artigo de museu, estranhados pelos seus próprios pares, parecendo tudo isso mais confirmar aquele ditado “ninguém é profeta em sua própria terra ” .

No direito civil existe uma figura legal chamada ” gestor de negócio” que permite a um terceiro agir no lugar do proprietário, havendo a necessidade de se tomar uma providência no imóvel, que se adiada resultaria em danos para terceiros ou para o próprio proprietário, o que autorizará nestas circunstâncias até mesmo que o terceiro de boa fé possa entrar na propriedade, e mesmo tomar providências de contratar quem ponha fim a um vazamento, por exemplo ( devendo depois o proprietário reembolsá-lo das despesas ).

Eu cito a figura legal e moral do gestor de negócio – e desta forma reconheço ser da igreja católica a condição do proprietário – mas faço isso em defesa e justificativa dos evangélicos fundamentalistas ( fiquemos só com eles por enquanto ) que vendo estes desvios doutrinários, em massa, atingindo grupos e rebanhos inteiros da igreja católica, então resolvem agir como se gestores de negócio fossem para então ir lá na “arca da esperança ” e de lá pegar o evangelho que não está sendo pregado e se vê sujeito à infiltrações diversas que ninguém toma providência para contê-la.

Veja professor Orlando que idealisticamente a melhor igreja para um cristão congregar é aquela perto de sua casa, porém se a igreja que temos perto prega justo estas doutrinas que o senhor repudia então o que vamos fazer se o que temos é a igreja evangélica pregando o que os padres católicos deveriam pregar e não pregam ?

Por mim eu voltaria para a igreja católica, e me dedicaria a estudar e seguir os documentos básicos de Roma que tratam da família, da missão dos cristãos face à consciência cristã ( leitura que já me ocupo e vejo que me nutre espiritualmente ) mas pergunto quem liga para a base e importância desta doutrina a não ser o senhor e autoridades de Roma que estão à léguas de nós?

Parece que os que estudam mesmo a sério a doutrina da igreja católica fazem à meia distância da igreja, em institutos como o Monfort, e mesmo grupos como o seu tem diferenças fundamentais com aqueles que estariam mais próximos, como é o caso da TFP, que é inclusive denunciada pelo senhor.

Se nem a TFP que é tão purista presta, já que se comporta como sociedade secreta, quem então prestará ?

Pensei que o pecado da TFP fosse ser carola demais, pretendendo ser santa demais, mas o senhor mostra que ali já se contaminou também.

Me diga portanto :

Onde devemos e podemos ir ? Eu gostaria de voltar para a igreja católica, mas se o senhor mesmo mostra que as coisas vão mal porque eu faria uma besteira destas … para ser mais um soldado achando que o batão é que está marchando errado? Melhor ficar entre os evangélicos fundamentalistas, por maior que seja o pecado de ter dado as costas para a igreja e para o Papa. Essa é a questão.

Católicos que como o senhor resistem sózinhos e encastelados num instituto ( onde há igrejas com padres católicos que penam como o senhor ? ) chegam mesmo a lembrar daqueles soldados japoneses fiéis ao imperador que se esconderam por décadas na selva. dentro de uma lha, achando que a guerra estava sendo travada, quando ela já tinha acabado lá atrás.

A igreja católica é milenar e vai corrigir os desvios de rota, mas e e nós até que isso ocorra vamos ficar dispesivos e frios como a maior parte dos católicos, que inclusive acham normal ir à pais de santos, ler cartas, ir no kardecismo ( católico de nascimento kardecista de coração ), isso quando já não professam em público a crença na reencarnação e na inexistência do demônio.

Melhor ser um católico destes e se manter ” firme ” na igreja esperando que tudo se esclareça um dia ?

Desculpe mas é tempo demais e faz lembrar a rainha que disse ” se não te pãe comam brioches “. Daí surgem as revoluções, infelizmente.

Em todo o caso o senhor me diga onde existe em São Paulo uma igreja que discuta e pregue estes assuntos e posturas de fé que o senhor e recomenda que irei lá conhecer. Me esclareça porque todo católico que deseja ser fiel a fé verdadeira acaba enveredando pela fundação de um grupo, como é o da Opus Dei, TFP, e Montfort ? Muito bem, o senhor dá seminários esclarece católicos desviados, eles voltam e encontram exatamente o que e aonde ?

Me fale onde está este braço da igreja porque os que estão aí nem vale a pena dar a mão para cumprimentar.

Creio que tenha mais voltas do que o recomendável, e até tenha me perdido um pouco, o senhor edite da mensagem o que julgar necessário; me desculpando por erros de português que possam haver e que não fui capaz de evitar, bem como por argumentos que carecem de melhor conhecimento teológico.

Prezado Roberto,
salve Maria!

Antes de tudo, deixe-me dizer-lhe que suas cartas me tocaram muito. E a razão é que elas demonstram quanto mal fazem os hereges modernistas atuais, não só aos católicos, mas também aos que, estando fora da Igreja Católica, desviados pelos erros de hereges do passado, estando nas trevas do erro, mantém, apesar de tudo, seus olhos voltados para o facho da verdade que é verdadeira Igreja de Cristo, cidade edificada no alto do monte, para ser vista por todos.

E esta sua carta me tocou ainda, porque ela demonstra como é nocivo o ecumenismo surgido no Vaticano II, que em vez de atrair os que se haviam desviado da verdade revelada por Cristo, os afasta ainda mais, enquanto um site como o Montfort, que ataca as heresias e os hereges, com base na afirmação que a verdade objetiva, em vez de repelir protestantes os atrai, para voltarem à Igreja. Tão bem faz a polêmica, ainda que dura, desde que feita com caridade

E isto é bem claro e lógico. Pois se, como dizem os hereges modernistas, se a revelação é interior no homem, se é possível a salvação em qualquer religião, então, para que voltar à Igreja Católica?

Mas se – como defende a Montfort seguindo os ensinamentos dos Papas – a verdade é objetiva, então há que retornar a Igreja Católica.

E considerando tudo isso, e não esquecendo sua boa intenção – transparente em suas saudades da Igreja única e de sempre – que respondo a esta sua mais longa e mais explícita carta, completando o que lhe disse noutra resposta anterior.

Falar-lhe-ei, é claro, muito francamente, porque, nesses assuntos, a sinceridade deve primar.

O erro fundamental em sua análise, consiste em considerar que os erros dos homens são erros da Igreja, que os homens de Igreja estando divididos, a própria Igreja estaria dividida e teria perdido a unidade.

Esse erro fundamental é que o perturba, e dificulta a resolução de seu problema religioso.

Esse erro de apreciação se comprova nas seguintes palavras suas: “padres, teólogos, e grupos católicos praticamente deixaram de ser católicos, no sentido de seguirem idéias que não são as verdadeiras da igreja, arrastando com eles multidões de católicos para o erro.(…) tornou-se a igreja católica, na prática, uma casa desastradamente dividida e minada na base”.

Não, isso não é verdade.

Essa conclusão é falsa.

A Igreja é una por natureza. Deus a fez una, e os erros e divisões dos homens não podem afetar sua unidade.

Em todas épocas, desde os tempos apostólicos, houve heresias e divisões. São Paulo trata disso. Entretanto, apesar de existirem os hereges e cismáticos, a Igreja sempre permanece uma.

Você me pergunta concretamente:

“Por que nós evangélicos voltaríamos para uma igreja assim, que ao que tudo indica ainda se manterá “equivocada” em sua quase totalidade por décadas, como o senhor mostra o variados equívocos. Por que deveria me manter fiel a quem não se mantém fiel”.

De novo, seu erro está em atribuir à Igreja os “equívocos” – os erros e heresias – dos homens da Igreja.

A Igreja enquanto tal não pode jamais se equivocar. Se a Igreja pudesse equivocar-se, Cristo teria mentido ao dizer que a assistiria todos os dias, e que “as portas do Inferno não prevaleceriam sobre ela”. Ora, Cristo Deus não pode mentir, nem faltar às suas promessas. Logo, a Igreja, enquanto Igreja, não se equivoca nunca. A Igreja é indefectível.

Também devo dizer-lhe que seu paralelo entre a Igreja e um hospital, que funciona mal, não procede, porque a Igreja tem caráter sobrenatural, enquanto o hospital tem ação meramente natural. No hospital, só se pode esperar intervenção humana, e, se esta falha, ou não existe, o hospital se torna inútil ou nocivo.

Na Igreja, tal não acontece, porque, ainda que os sacerdotes sejam maus, os sacramentos instituídos por Cristo, trazem a graça e o auxílio sobrenatural de Deus, mesmo que todos os padres trabalhassem contra a religião, o que não ocorre, evidentemente.

Por isso, um católico que deixasse a Igreja por causa do mau comportamento de padres, estaria errando e pecando, porque não teria atendido a graça de Deus que socorre os fiéis, ainda quando os padres fossem todos maus. Os sacramentos, por exemplo, são eficazes independentemente do valor e santidade dos sacerdotes que os administram.

Concordo inteiramente com você sobre a ação nefasta de homens como o famigerado Frei Betto, do ex Frei Boff, e que a ação nefastíssima e comunistizante do Cardeal Paulo Evaristo Arns, o amiguinho de Fidel Castro.

Permita-me, entretanto, contestar sua afirmação que “as atitudes e posturas de coerência que defendo” estariam “mais próximas daquelas dos evangélicos fundamentalistas”. Essa proximidade é apenas material, meu caro Roberto. Formalmente, são atitudes diametralmente opostas.

Um assassino e um médico, ambos podem fazer materialmente um mesmo ato: o de abrir peito de alguém com instrumento cortante. Materialmente, fazem a mesma coisa. Formalmente fazem coisas opostas. O médico abre o peito do paciente, para salvar a sua vida. O assassino abre o peito da vítima para tirar-lhe a vida.

Claro que um gnóstico – que condena a matéria e os atos sexuais – e um frade que fez voto de castidade, ambos vivem materialmente o mesmo tipo de vida com abstenção de atos sexuais. Mas, o gnóstico não os pratica porque julga que são essencialmente maus, enquanto o frade não os pratica por amor a um bem mais elevado; a castidade perfeita, por amor a Deus.

Os fundamentalistas protestantes podem defender a mesma coisa que eu, e só em alguns pontos muito concretos e particulares, apenas materialmente. Não formalmente.

Ademais, os protestantes podem praticar uma ato naturalmente virtuoso.

Mas isso não os desculpa de cometerem um ato muito pior que o pecado contra a caridade, que é o pecado contra a Fé.

O diabo, meu caro, não pratica atos sexuais, e pode ser dito pobre. Mas a sua maldade é muito mais profunda do que o pecado sexual ou de avareza. Robespierre morreu virgem. Materialmente praticava a castidade. Mas seu pecado era muito pior do que o da prática de obscenidades. Ele tinha uma soberba diabólica, pois se acreditava Deus.

Agradeço suas palavras confessando que protestantes admiram meu posicionamento na defesa da Fé, por exemplo, no caso do gnóstico Olavo de Carvalho. Tomara que essa admiração leve a muitos desses protestantes a compreenderem, que todo verdadeiro católico pensa como eu, e age melhor do que eu.

Você me pergunta qual a continuidade que teria meu trabalho, e teme que ele se esgote com minha pessoa.

Não se preocupe meu caro.

Certamente, vou morrer. E não falta muito para isso, pois que já passei dos setenta anos. Mas Deus não morre. A graça de Deus suscitará alguém muito melhor que eu, que tão mal represento a Fé católica, como deve ser, na alma de um leigo, e sem valor maior pessoal meu.

Um dia vi uma plantinha e uma flor nascerem numa greta do concreto da Avenida 23 de Maio, em São Paulo. Assim é a graça de Deus, e assim é a Igreja. Quando tudo parece morto, a palavra de Deus e sua graça fazem nascer uma planta e uma flor, no concreto e ns asfalto. A Igreja Católica é imperecível, meu caro Roberto, porque Deus não morre. È a graça atual de Deus que faz desejar retornar à Igreja Católica e a escrever esta sua carta tão sincera.

Cristo é a fonte inesgotável de onde manará sempre pura a graça e a vida das almas.

O futuro a Deus pertence. Devemos fazer agora, o que Deus os mostra que deve ser feito agora.

Para você, meu caro – poso chamá-lo já de meu amigo? Isso me honraria – para você, o que deve ser feito agora, é conversar comigo, que Deus colocou em seu caminho, para estudarmos juntos, e resolver, do modo mais simples e reto, o seu retorno à Igreja Católica.

Como você se manterá na Verdade, que igreja em concreto você deverá freqüentar, em que padre deverá confiar, esses são problemas muito concretos que se solucionarão com toda a facilidade, desde que seja solucionado o seu problema fundamental que é de Fé: aderir a Igreja por causa de Cristo, Verdade encarnada no seio e Maria, e por causa do Papa, Vigário de Jesus Cristo na terra.

Por mais que haja erros entre os católicos, nada justifica abandonar a Igreja e o Papa a quem Nosso Senhor deu as chaves do Reino dos Céus. Esse foi o erro fundamental de muitos protestantes que abandonaram a Fé, porque a Fé exige integridade. Negar um só ponto do que foi revelado pr Deus, é chamar Deus de mentiroso, naquele ponto, e, portanto, é negar a sua Divindade.

Digo-lhe isto, porque muito apreciei esta sua declaração:

“Ora, eu a princípio creio que a igreja católica detém a missão e autoridade de divulgar o cristianismo”

Que Deus o abençoe por essa confissão de Fé!!!

A seguir, porém, você coloca uma restrição:

“mas se por problemas que não entendo direito e nem sei explicar melhor a razão, vejo que esse material não chega na ponta para alimentar o rebanho, então eu consumidor não devo me reservar o direito de não aceitar este alimento e ir buscá-lo de uma fonte mais segura “

Na meu caro, Roberto. Se você reconhece que “a igreja católica detém a missão e autoridade de divulgar o cristianismo”, então você não tem direito de procurar alimento espiritual noutra fonte, que não tem nem a missão e nem autoridade, para dar-lhe o alimento deixado por Cristo.

Você teme fica com a minoria, ou em minoria.

Como já lhe disse, que importa o número?

A verdade independe do número.

Uma vez, na Revolução Francês, num clube revolucionário, se colocou em votação se Deus existia. Deus recebeu apenas dois votos. A imensa maioria votou contra existência de Deus. Mas “Aquele que habita nos céus ria-se deles”.

E se a maioria considerar que o sol é frio, por acaso, o sol ira comprar cachecol?

Você me declara ainda que:

“Em todo o caso o senhor me diga onde existe em São Paulo uma igreja que discuta e pregue estes assuntos e posturas de fé que o senhor e recomenda que irei lá conhecer”.

Repito: venha, antes de tudo, para a Igreja Católica. Depois veremos que igreja em concreto você poderá freqüentar.

Venha primeiro conversar comigo, para que possa ajudá-lo a estudar os seus problemas de Fé, e resolvê-los convenientemente, depois veremos que lugar freqüentar para melhor praticar a religião.

Venha para a Igreja Católica, para ser também ” dos últimos mohicanos”, isto é, do número daqueles que permanecem fiéis, ainda que todos traiam.

Não leu você, no Apocalipse, que, na época do anticristo, poucos permanecerão féis. Agora, ao que parece, ainda não estamos nos tempos do anticristo, mas sim de uma sua figura.

Não quer você ser dos poucos “fracos, mas fiéis”?

Não há que temer ser minoria, ser do “pusillus grex” de que falou Nosso Senhor.

Coloco-me inteiramente à suas disposição para conversarmos e estudarmos juntos o que fazer. Ofereço-lhe minha casa. Ofereço-lhe meu tempo. Ofereço-lhe estudar com a Montfort.

Mas, oferecendo-lhe isso, minha finalidade não é, e nem poderia ser, fazer de você simplesmente um novo membro da Montfort, e sim que você se torne um Católico fiel á única religião verdadeira e fundada por Nosso Senhor Jesus Cristo, a Igreja Católica Apostólica Romana, Mãe e Mestra da Verdade.

Toda sua carta é uma confissão de que você “não tem mais vinho”.

Poso pedir-lhe, então, que você rogue à Mãe do Verbo encarnado, que Ela, assim como fez um dia, em Caná da Galiléia, diga a Seu Divino Filho: ” Vê, meu filho Roberto, não tem mais vinho”. Porque, assim como Cristo nos veio pr meio de Maria, assim também, Ele vem a cada um de nós, sempre, e ainda, por meio de Maria.

Porque quem deseja a graça, e a Ela não recorre, pedindo a transformação da sua água em vinho, é como aquele que pretende voar sem ter asas (Paradiso)…

Venha, que eu o aguardo, para estudarmos juntos.

Venha que Nossa Senhora o aguarda para levá-lo a Jesus.

Venha que a Igreja Católica o espera como ao filho pródigo. Venha, que anseio por conhecê-lo, para levá-lo á única Igreja verdadeira. Venha que Deus anseia por sua alma.

In Corde Jesu, semper,
Orlando Fedeli

TAGS

Publicações relacionadas

Cartas: Sobre a fraqueza doutrinária de Pe. Jonas Abib - Orlando Fedeli

Cartas: Agressão de um adepto da RCC - Orlando Fedeli

Cartas: Católico "aposenta" o diabo - Orlando Fedeli

Para comentar esta publicação

O site Montfort não permite a inclusão de comentarios diretamente em suas publicacões.

Para enviar comentários, sanar dúvidas, obter informações, ou entrar em debate conosco, envie-nos sua carta.

Saiba mais