Montfort Associação Cultural

4 de janeiro de 2005

Download PDF

Verdade e certeza

Autor: Orlando Fedeli

  • Consulente: Carlos
  • Localizaçao: – Brasil

Senhor Orlando

Como vocês podem ter esta certeza que sua verdade (afirma e reafirmada) não seja uma questão de Fé. Pois fé posso ter em qualquer coisa. Vocês dizem que a verdade é única, e isso eu concordo. Mas como saber que isso que vocês acreditam seja a verdade. Ela não pode ser apenas uma visão? Alguns acreditam apenas em si mesmas, outras em Deus e outras ainda em Satanás, é uma questão de escolha. Como ter tanta certeza, é só uma questão de acreditar e sendo assim se acredita no que quer. A bíblia foi escrita por homens e sem ela não se tem outra coisa em que se basear. A verdade pode ser outra.

Como se ter tanta certeza?

Mando essa carta, porque sempre tive essa duvida. Como se ter tanta certeza. Já ouvi dizerem: A únicacoisa certa nesta vida é a morte!

Carlos

Prezado Carlos,
Salve Maria.

Para iniciar, devo dizer-lhe que nós não temos a “nossa” verdade. É errado dizer, como você escreveu, que alguém tem a “sua verdade”. A verdade é uma só, e ela não depende da opinião de ninguém. Graças a Deus, você aceita que a verdade é uma só.

Verdade é a adequação da idéia do sujeito conhecedor ao objeto conhecido. Quando a idéia que temos de uma coisa corresponde a essa coisa, temos a verdade.

Se cada um tivesse uma idéia diferente da realidade que conhecemos pelos sentidos e pela inteligência, você não poderia ter certeza que nos escreveu uma carta fazendo essa pergunta. Nem teria certeza se, de fato, tem diante de si um computador. Imagine se cada um tivesse uma idéia particular da realidade, sem ter certeza de que os outros tivessem a mesma idéia. Imagine, por exemplo, dois jogadores de xadrez disputando um partida, que confusão haveria! Nenhum deles poderia convidar o outro, porque não saberia com certeza se o outro existe e se existe xadrez.

A confusão de nosso dias, caro Benjamin, advém exatamente da idéia de que cada um tem a sua verdade. Essa idéia, bem espalhada em nosso tempo, torna o século XX parecido a um hospício, pois é nos manicômios que cada um pensa o que quer de cada coisa.

Devo ainda dizer-lhe que você se equivoca ao dizer que Fé se pode ter em qualquer coisa.

Eu não tenho fé que estou usando meu computador: sei que o estou usando. Eu não tenho Fé que o quadrado da hipotenusa é igual à soma dos quadrados dos catetos. Eu compreendo essa verdade pela minha razão natural. Eu não tenho Fé que Deus existe. Eu sei que Ele existe pelo uso de minha razão, porque a existência de Deus se prova racionalmente, e , então, ela não é de Fé.

Fé nós temos somente nas verdades que Deus nos revelou e que nossa razão não pode compreender.

Assim, temos Fé que em Deus há três pessoas iguais e distintas, porque Nosso Senhor Jesus Cristo, Deus e Homem verdadeiro, nos ensinou isso. E sendo Deus, Ele não pode se enganar e nem nos enganar. Por isso cremos no que Ele nos revelou. E cremos com certeza absoluta.

O senhor diz que cada um pode “crer em si mesmo, em Deus ou em satanás, e que isto seria uma questão de escolha”.

Ora, quem cresse em si mesmo, seria um louco, porque eu conheço a mim mesmo. Eu não creio em mim.

Ademais, cada um sabe que não compreende tudo, e por isso, um homem que tivesse “fé” em si mesmo, seria um louco.

Crer em satanás seria outra loucura. Como crer no pai da mentira?

A Bíblia não foi escrita por homens, e sim por Deus. Assim como não digo que quem escreve esta carta é o computador, mas sim eu mesmo, assim Deus escreveu o texto das Escrituras usando escrivães. O autor da Bíblia é o próprio Deus.

E você só tem certeza da morte, porque tem certeza também de que está vivo. Então não tem certeza só da morte. E se você tem certeza só da morte, porque já ouviu outros dizerem isso, então também tem certeza de que ouviu isso de outros e sabe certemante que eles existem.

De todos os modos, você não tem certeza só da morte.

E, por isso tudo, tenho certeza de que lhe escrevi esta carta de resposta a sua missiva. Tendo esperança — mas não certeza — de que compreenderá o que lhe escrevi, despeço-me na certeza de que Deus terá misericórdia de você e de mim.

In Corde Jesu, semper,
Orlando Fedeli.

TAGS

Publicações relacionadas

Cartas: Deuterocanônicos no Novo Testamento - Orlando Fedeli

Cartas: Planejamento familiar - Lucia Zucchi

Cartas: Aparições de Nossa Senhora - Orlando Fedeli

Para comentar esta publicação

O site Montfort não permite a inclusão de comentarios diretamente em suas publicacões.

Para enviar comentários, sanar dúvidas, obter informações, ou entrar em debate conosco, envie-nos sua carta.

Saiba mais