Montfort Associação Cultural

21 de janeiro de 2005

Download PDF

Tolerância com o erro

Autor: Orlando Fedeli

  • Consulente: Durval
  • Idade: 41
  • Localizaçao: Jundiaí – SP – Brasil
  • Escolaridade: Superior concluído
  • Religião: Católica

Estava procurando textos sobre o Aborto e Biografia de Santo Agostinho, neste site “montfort” que descubri pesquisando a internet. Vendo que o site era bem estruturado, passei a navegar pelas várias páginas.

Se me permitem, creio que todo o conteudo não condiz com seu objetivo estampado na página principal. Voces falam mais mal de outros movimentos e de acontecimentos da sociedade do que promover a orientação da sã doutrina católica!

Quando estava vasculhando as notícias, na parte “Brasil”, vi que as manchetes eram antigas (1999 e 2000), diferente dos outros capítulos que eram mais atuais. Pior, parece que só existe difamação do PT e MST nas notícias deste capitulo!!! Que não são perfeitos, todo mundo sabe, mas daí a querer colocá-los como os piores do Brasil, é uma incoerencia e equívoco. Tem partidos que fazem muito pior, contrariando nosso Evangelho e não vi nada a respeiito!!!

O que voces pretendem? No espaço dos leitores, vi depoimentos de jovens odiando a Igreja e exaltando o Comunismo… francamente, esta posição não reflete 0,1% dos jovens. Porque então dar importancia e publicar este comentário? Que serviço isso presta a nós cristãos? Creio que devemos orar pela conversão deste rapaz e nã ficar publicando aquilo que certamente não constroi e não reflete a realidade da juventude, nem mesmo dos simpatizantes do PT (tenho filhos de 18 e 16 anos, seus colegas são militantes do PT e estão longe destas idéias absurdas).

Por favor atualisem alguns artigos do site (como os que acabei de citar) e divulguem mais sobre a DOUTRINA SOCIAL DA IGREJA, esta sim, uma ilustre desconhecida dos católicos. Nas nossas posições, devemos ter mais certeza do Céu do que medo do Inferno, POR ISSO, VAMOS DIVULGAR E TESTEMUNHAR NOSSOS VALORES. Que tal falar sobre Madre Teresa de Calcutá, talvez a mais nova e grandiosa santa deste novo século? Que tal colocar artigos sobre posicionamentos da CNBB sobre os fatos correntes, mes a mes? Creio que estas fontes positivas de nossa fé, deviam ocupar mais espaço nos noticiários deste site (nas questões socio-políticas pelo menos). Gostaria muito de uma resposta sobre as questõe que levantei e sobre meus comentários.

Um forte abraço de Paz

Durval

Prezado sr. Durval, Salve Maria.

Esta é, hoje, a segunda carta a que respondo, proveniente de sua casa e de seu computador. (www.montfort.org.br/perguntas/lucros.html)

O senhor nos acusa, dizendo:

“Voces falam mais mal de outros movimentos e de acontecimentos da sociedade do que promover a orientação da sã doutrina católica!”.

Meu caro sr., nós não somos “comadres” que passam o tempo a “falar mal dos outros”. Queremos defender a sã doutrina católica. E não existe defesa séria, sem ataque. O bom médico defende a saúde, atacando a doença. O bom dentista vasculha a boca de seu cliente, procurando a cárie oculta, para obturá-la, e busca o quisto para extirpá-lo. O bom mestre corrige atentamente os trabalhos dos alunos, assinalando seus erros. Não se faz o bem completo, sem combater o mal.

Por isso a Igreja, neste mundo, é militante. Ela luta constantemente contra a heresia e o pecado. Essa é a razão pela qual os atos de Magistério da Igreja sempre são acompanhados de críticas aos erros do tempo, de anátemas contra eles, e da exposição clara da verdade.

Para o sr., defender a doutrina católica de erros seria “falar mal dos outros movimentos”.

Por favor, não somos “comadres”.

Os Papas sempre fizeram a mesma coisa — condenaram erros, para ensinar a verdade — e incentivaram os fiéis a defender a Igreja, atacando os erros do tempo. Nos documentos pontifícios, sempre se registraram condenações de erros. Os Concílios dogmáticos sempre publicaram anátemas.

Será que, em vista disso, o sr. considera que os ensinamentos conciliares só falaram “mal dos outros”, e isto durante 2.000 anos?

Para o senhor, ao que parece, bom sentinela seria aquele que ficasse contemplando a paisagem, e fazendo poemas “positivos” sobre a beleza do panorama, ao invés de estar atento aos movimentos do inimigo, e de dar alarme a qualquer sinal de perigo.

O senhor tem uma noção muito originalmente positiva de como se deve defender uma fortaleza sitiada.

E a Igreja Católica sempre foi uma fortaleza sitiada. Cristo já enviou seus apóstolos, prevenindo-os que os enviava como cordeiros entre lobos. E o senhor quereria que nosso site fosse redigido por “cordeiros otimistas” e “positivos”, que soubessem ver as qualidades do pelo do lobo, ou ainda concordar que o lobo tem dentes muito bons, e bem afiados, ao invés de recomendar que é preciso guardar-se deles?

Será que é com essa preocupação “positiva” que o senhor fecha sua casa à noite, quando vai se deitar?

Não creio…

Pelo contrário, tenho certeza de que o sr. — tão otimista e tão pouco “malévolo” a respeito dos outros, se guarda bem deles, com trancas e trincos.

E por que o sr. — tão aberto e tão positivo em ver o lado bom dos outros – não viu os textos positivos de doutrina católica que temos em nosso site?

O sr. não leu, por exemplo, meu trabalho sobre as provas da existência de Deus de São Tomás? O sr. não leu meu trabalho, expondo a doutrina católica sobre a desigualdade, tal qual foi explanada por São Tomás, na Suma Teológica e Suma Contra os Gentios, e tal qual foi desenvolvida por todos os Papas que trataram desse problema? O senhor não leu tantos outros textos de nosso site, expondo positivamente a verdade católica? O senhor não viu meu artigo em defesa do Papa, intitulado “Viva o Papa!” ?

Não, o senhor não viu.

O senhor só vê os lados “positivos” do MST e do PT, esquecendo-se, caro sr. otimista, que basta ter um câncer para ser canceroso, como basta defender consciente e pertinazmente um erro de fé com relação a um dogma, para ser herege. E o MST e o PT, pelo marxismo que seguem, são doutrinariamente condenáveis.

O sr. me diz que em outros partidos há erros também.

Claro que sim.

Todos os partidos políticos brasileiros — e estrangeiros — estão encharcados de erros. Não há um que possa ser aceito por um católico, sem restrição doutrinária.

Mas o partido mais perigoso para nosso país é exatamente aquele que tem mais erros, e erros mais difundidos, inclusive defendidos pela ala boffista do clero. Que não é pequena e nem pouco influente, embora contrária ao Papa João Paulo II.

Nós não difamamos o MST. Nós atacamos seus erros e sua prática condenável de invadir propriedades, para alcançar seus fins comunistas.

A invasão de propriedades, caro sr., é crime previsto no Código Penal. Como é crime também defender o “direito” de invasão e fazer propaganda dele.

O sr critica nosso noticiário por “não ser atualizado”.

Meu caro senhor, nós não somos um jornal, nem agência noticiosa.

O sr nos acusa de só publicar manifestações de jovens “difamando a Igreja e exaltando o comunismo”.

Compreendo que tal fato assuste e desagrade quem defende que se deve olhar tudo de modo positivo.

O sr. preferiria que deixássemos de publicar as cartas que recebemos, que pregam o ódio à Igreja?

Mas então o senhor defende a censura?

E o seu otimismo, onde ficou?

Publicamos também o seu e mail, e o senhor não é mais jovem. O sr., defende o MST de modo “moderado”, como convém a um católico liberal “positivo”.

Mas será que o senhor nunca leu as muitas mensagens elogiosas que recebemos? Nunca leu as cartas de protestantes que se converteram, lendo nossa argumentação atacante da heresia em nosso site?

Não, o sr. parece que não leu nada disso.

Para uma pessoa que se peja de ver as coisas de modo “positivo”, condenando que se “fale mal dos outros”, é uma contradição gritante constatar como o sr, só vê nossos lados “negativos”, e como o sr. só “fala mal” de nós, e do site Montfort.

Quão negativista o sr. é para conosco!

Certa vez, ouvi alguém me atacar dizendo que é preciso sempre pensar bem dos outros, e jamais julgar ninguém.

Para essa pessoa, todos deveriam ser amados incondicionalmente. Ninguém poderia ser julgado. Todos estariam salvos: protestantes, hereges, pagãos e ateus, pois “Deus não exclui ninguém”, dizia ela. O grande pecado é excluir os outros.

Por isso, ele me julgava, me condenava e me excluía.

Lógico, não, sr. Durval?

Pois o sr. tem lógica semelhante.

Nós, segundo o sr., falaríamos “mal de todos”. Por isso, seria lícito todos falarem mal de nós. Contradições da caridade liberal.

Não falamos mal dos outros. Apontamos erros doutrinários graves.

São eles abundantes, hoje?

São abundantíssimos.

E a culpa disso, não é nossa.

Por isso, não é de estranhar que tenhamos mais espaço, para atacar erros, do que para louvar coisas boas. Um Pronto Socorro, ou um leprosário tem muitas feridas que cuidar, do que a distribuir prêmios em concursos de robustez infantil.

E o mundo moderno, meu caro sr, infelizmente, é um grande leprosário. O mundo moderno é um grande leproso que precisa ser cuidado. E a lepra mais grave do mundo moderno, é a lepra moral e doutrinária, e não a material.

A crítica que o sr. nos faz, o sr. a faria até ao bom samaritano, porque só cuidou das feridas do homem assaltado e largado ferido na estrada de Jericó.

Que quereria, o sr. que o bom samaritano fizesse? Que louvasse a habilidade e a capacidade dos assaltantes, que souberam, efetuar um assalto com êxito?

O sr. nos pede que falemos mais da DOUTRINA SOCIAL DA IGREJA.

Ora, essa Doutrina ensina que o principal erro atual, causa de todos os males sociais e políticos, é a tríade revolucionária da igualdade, liberdade e fraternidade.

Todas as encíclicas dos Papas que trataram do assunto, desde a Revolução Francesa, condenaram esses falsos ideais e ensinaram o contrário deles, mostrando que os homens são semelhantes e não iguais; que a liberdade revolucionária é um “delírio” e uma “monstruosidade”; que não existe Fraternidade sem admitir Deus como Pai de todos os homens.

Temos publicado algumas dessa encicíclicas, mas o sr. provavelmente não as leu.

Leu o sr. a condenação da Maçonaria feita por Leão XIII? Ela está no site. Leu a Carta Apostólica contra os erros do Sillon, de São Pio X? Ela está no site.

Publicamos o que os jornais e as revistas, mesmo católicas, em geral silenciam.

Que Madre Teresa tenha feito bem, todos os jornais lembram disso costumeiramente. Não precisamos chover no molhado.

É pena que os jornais só falem dela, para introduzir na mente das pessoas a noção de que só vale fazer o bem material.

Ora, isso não é verdade. O bem espiritual é superior ao bem material.

O catecismo ensina que são obras de misericórdia material dar de comer a quem tem fome, dar de berber a quem tem sede, vestir os nus, etc. Mas ensina também que é uma obra de misercórdia espiritual, e superior, ensinar os ignorantes e corrigir os que erram.

Nosso Senhor Jesus Cristo mandou que São João Bosco dissesse ao Papa Pio IX que, se é verdade que o mundo moderno tem fome de pão, é muito mais verdade que tem fome da verdade.

Por isso, o site Montfort procura se dedicar a essas obras de misericórdia: ensinar a verdade aos que não a conhecem, e a corrigir os que erram.

O senhor vê que não sou nada “evasivo”, como seu filho me acusou na sua carta.

Escreva-me sempre que quiser, expondo sua dúvidas e críticas, que as responderei, sem fuga, com clareza e firmeza, dizendo-lhe a verdade que liberta e que une em Cristo, e, igualmente, reconhecendo meus erros, se os tiver.

Escrevi de forma direta, visando apenas a sua reta compreensão, para que, tendo uma só fé, tenhamos também um só coração, unidos na única verdade da Igreja Católica Apostólica Romana, a fim de que estejamos unidos

in Corde Jesu semper,
Orlando Fedeli

TAGS

Publicações relacionadas

Cartas: Carta a um padre distraído - Orlando Fedeli

Cartas: Mais um absurdo de D. Pedro Casaldáliga - Orlando Fedeli

Cartas: Testemunho a favor de Orlando Fedeli - Orlando Fedeli

Para comentar esta publicação

O site Montfort não permite a inclusão de comentarios diretamente em suas publicacões.

Para enviar comentários, sanar dúvidas, obter informações, ou entrar em debate conosco, envie-nos sua carta.

Saiba mais