Montfort Associação Cultural

13 de dezembro de 2005

Download PDF

Sobre a vida e o ministério sacerdotais

Na terça e quarta-feiras, a Congregação para o Clero e a Pontifícia Universidade Lateranense co-patrocinaram um simpósio sobre um dos menos conhecidos documentos do Vaticano II, Presbyterorum Ordinis, sobre a vida e o ministério sacerdotais. O evento foi realizado na Lateranense.

O Cardeal colombiano Darío Castrillón Hoyos, prefeito da Congregação para o Clero, afirmou que durante o debate conciliar sobre o texto da Presbyterorum Ordinis, ficou claro que havia duas concepções diferentes do sacerdócio em ação: de um lado, uma “ visão funcional do ministério sacerdotal“, vendo o padre como aquele que proclama a Palavra, conduz a comunidade em oração, e assim por diante; de outro lado, uma ” visão sacramental/ontológicado sacerdócio, vendo o padre como conformado a Cristo pelo sacramento das ordens sagradas.

No final, argumentou Castrillón Hoyos , as duas visões são “complementares e inseparáveis.”

É essa a razão, disse Castrillón Hoyos, dos pontos tradicionais de disciplina eclesiástica como a proibição de pessoas leigas fazerem homilias durante a Missa.

Uma homilia de uma pessoa leiga pode ser muito bem preparada teologicamente, mas essa pessoa não é capaz de agir com a identidade sacramental e a autoridade de Cristo”, afirmou Castrillón Hoyos.

Esse ponto, disse Castrillón Hoyos, também explica o ensinamento da Igreja sobre como o poder sagrado ,” o chamado “poder da ordem,” pertence somente a sacerdotes ordenados agindo in persona Christi .

Não é um voto majoritário de uma comunidade que confere o poder sacerdotal“, disse Castrillón Hoyos. “ É uma questão de poder sacramental. Uma comunidade é por definição incapaz de tal ato.”

Castrillón Hoyos alertou que o sentido próprio da identidade sacerdotal foi às vezes obscurecido no período que se seguiu imediatamente ao Concílio Vaticano II.

Por anos durante esse período de reforma litúrgica, houve um mal-entendido sentido de criatividade e adaptação, e não faltaram abusos . Isso foi causa de sofrimento para muitas pessoas“, disse ele.

Quanto a isso, Castrillón Hoyos apontou para uma instrução do Vaticano de 1997 que faz uma distinção clara entre o sacerdócio ordenado e o ministério leigo , instrução esta que, observou ele, foi aprovada in forma specifica pelo Papa João Paulo II, o que siginifica que ela possui a força de um ato papal.

(tradução do original e negritos nossos)

TAGS

Publicações relacionadas

Oração e Vida Espiritual: Liturgia do Último Domingo de Outubro: Festa de Cristo Rei

Cartas: Dúvidas (sinceras) sobre o movimento em Aristóteles - Guilherme Chenta

Cartas: Deismo - Orlando Fedeli

Para comentar esta publicação

O site Montfort não permite a inclusão de comentarios diretamente em suas publicacões.

Para enviar comentários, sanar dúvidas, obter informações, ou entrar em debate conosco, envie-nos sua carta.

Saiba mais