Montfort Associação Cultural

29 de janeiro de 2006

Download PDF

Será provável uma anulação do Concílio Vaticano II?

Autor: Orlando Fedeli

  • Consulente: Osny Henrique Caldeira
  • Localizaçao: Araçatuba – SP – Brasil
  • Escolaridade: Superior concluído
  • Profissão: Policial Militar
  • Religião: Católica

Prezados irmãos,
Salve a Grande Mãe de Deus, Maria Santíssima!

Obrigado por manterem na rede esse lugar onde podemos nos instruir com a verdadeira Doutrina da Igreja fundada por Nosso Senhor. Que Deus os abençoe e os mantenham firmes no combate!
Escrevo-lhes pois, ao ler o artigo “Bento XVI condena o ‘espírito do Vaticano II’”, fiquei angustiado, pois tive com a impressão de que o erro se infiltrou de tal maneira no seio da Igreja que não há mais como extirpá-lo.
No final do comentário do Professor Orlando Fedeli, ele coloca a possibilidade do Vaticano II ser anulado pelo Papa! Sei que seria possível ao Papa anular um Concílio não infalível, (como ficou evidente diante dos argumentos apresentados pelo Professor). No entanto, seria isso provável! Será que o Santo Padre teria a vontade, condições, apoio e coragem suficientes para tal empreendimento? Sei que tal pergunta não é de fácil resposta, mas ela não para de me vir à mente sempre que vejo um abuso sendo praticado durante uma Missa ou quando assistimos a verdadeiras tragédias como a protagonizada pelo Padre Pinto. Durante minhas orações, sempre peço ao Senhor para que ilumine o sucessor de Pedro para que ele nos conduza de volta à Igreja de sempre e cada vez mais, percebo que, diante da atual situação, só mesmo Deus para nos salvar!
Peço, por gentileza, que me seja informado onde eu poderia encontrar uma Igreja onde se é rezada a missa de sempre. Resido em Araçatuba, no noroeste paulista, seria uma grande honra e alegria participar de algo que até hoje, infelizmente, somente pude imaginar como seria.
Dominus Nobiscum

Osny

PS. Desculpem minha ignorância, mas gostaria de saber se cometo erro ao utilizar as palavras ‘Dominus Nobiscum’, as quais são ditas apenas pelos sacerdotes durante a missa.

Muito prezado Osny,
salve Maria!
 
    Muito obrigado por suas palavras de elogio ao site Montfort. Peço-lhe que se lembre de nós em suas orações.
    Sua pergunta é muito pertinente e muito bem colocada: será provavel — e já — uma anulação do Concílio Vaticano II?
    Teria o Papa Bento XVI condições para fazer isso já?
    Teria ele vontade, coragem, condições e apoio para fazer isso?
    Certamente ele não teria, neste momento, nem muito apoio, nem condições. Coragem, creio que ele teria, pois isso depende muito da graça de Deus.
    Teria ele vontade? Seria prudente fazer isso de imediato?
    Não creio que essa anulação se faça de imediato, porque nem considero que seja prudente fazê-la de um golpe só, agora, pois produziria reações demasiado violentas, e nem seria conveniente, para evitar escândalo. Portanto considero que será improvável que isso aconteça de uma vez e agora.   
    Bento XVI caminha devagar…E vacilante.
    Mas caminha.
    Rezemos então pelo Papa, para que Deus lhe dê coragem para salvar a barca de Pedro que, como ele disse, estaria a pique de afundar.
    Caso Bento XVI fracasse em sua tentativa de retorno, a vitória dos modernistas do “espírito do cancílio” seria tão grande, que se daria uma avalanche de reformas desvairadas. E isso não pode continuar acontecendo na Igreja. A barca afundaria. E Cristo prometeu que ela não afundará. Caso Bento XVI não consiga realizar esse retorno ao que a Igreja sempre foi, quando ele morresse, a ala modernista elegeria, sem dúvida, um Papa radicalmente revolucionário.
    E a barca não pode afundar.
    Logo, Bento XVI conseguirá, apesar de tudo, corrigir muito do que o Vaticano II errou.
    Já agora, só ele ter dito sobre o Vaticano II o que ele disse; só ele ter constatado a ambiguidade de leituras do Vaticano II; só ele ter criticado a linha do “espírito do Concílio”; só isso já “furou o balão” do Vaticano II.
    Quando se fura um balão, ele não cai de imediato. Pode até subir ainda um pouco. Mas a fumaça — (de satanás) — saindo pelo furo, fará com que o balão perca altura e afinal caia murcho.
    O discurso de Bento XVI à Cúria no dia 22 de dezembro “furou o balão” do Vaticano II.
    Ele já está murchando e caindo.
    É o que me parece que fará o papa: nada de medidas muito violentas. 
    Aguardemos para ver… o balão cair.
    Quanto à Missa em Araçatuba, como em toda a parte, correm notícias de que o Papa vai reformar profundamente a Missa de Paulo VI que passaria a ser em latim, com canto gregoriano, e, possivelmnete voltado o Padre para Deus e não mais para o povo, porque a Missa é para Deus, não para o povo. Além disso, correm notícias de que o Papa vai liberar a Missa de São Pio V.
    Se isto ocorrer, bastará um grupo de fiéis pedir ao Bispo um padre que reze essa Missa de sempre.
    O que farão os modernistas se Bento XVI tomara essas medidas sobre a Missa?
    Que farão os Bispos que permitem a Missa macumbífera e com cuica e reco-reco?
    Uma revolta e um cisma serão muito prováveis.
    Você viu o caso do tal Padre Pinto em Salvador, aquele da Missa com balé e macumba. O Cardeal da Bahia, Dom Majella, o tratou com luvas de pelica, ao invés de puní-lo: disse que ele estava doente, deu-lhe 15 dias de férias para tratamento… Mas não condenou explicitamente o ato sacrílego e escandaloso.
    Resultado: não adiantou nada.
    Padre Pinto reapareceu, cantando de galo, e ameaçando passar para uma igrejola qualquer a troco da permissão para dançar balé.
    Bento XVI terá que enfrentar não pintos, mas uma multidão de galos rebelados.
    E se fossem só galos!…
    São lobos.
    Lobos rapaces vestidos de ovelhas.
    Mas digamos Dominus nobiscum. Deus está conosco.
    Deus está com a sua Igreja Una, Santa, Católica e Aportólica.
    Deus está com o Papa.
    Que Deus proteja o papa Bento XVI!

In Corde Jesu, semper,
Orlando Fedeli

TAGS

Para comentar esta publicação

O site Montfort não permite a inclusão de comentarios diretamente em suas publicacões.

Para enviar comentários, sanar dúvidas, obter informações, ou entrar em debate conosco, envie-nos sua carta.

Saiba mais