Montfort Associação Cultural

10 de abril de 2007

Download PDF

Sacrilégios e heresias em paróquia de Belo Horizonte

Autor: Orlando Fedeli

  • Consulente: José Artur Silva
  • Localizaçao: Belo horizonte – MG – Brasil
  • Escolaridade: Superior concluído
  • Profissão: Engenheiro
  • Religião: Católica

A missa celebrada ontem na paróquia da Divina Providência em BH teve vários abusos, que enumero abaixo:

1 – a procissão de entrada teve a participação de 4 filhotes de cachorros que foram colocados em um cesto ao pé do altar pelas crianças que o carregavam. Foram retirados no ofertório porque teimavam em não ficar quietos.

2 – a entrada da Bíblia no início da Liturgia da Palavra foi acompanhada por 5 ou 6 moças que dançavam ao ritmo da música entoada.

Acho que confundiram Círio Pascal com Circo Pascal.

3 – e por último a missa foi acompanhada pelo semanário litúrgico da Paulus intitulado “O Domingo”, no qual se usou por 2 ou 3 vezes o termo “assembléia celebrante” e o comentário final iniciou com citação do teólogo Leonardo Boff.

Muito prezado José Artur,
salve Maria !
 
     Quem é o pároco dessa igreja da Divina Providência de Belo Horizonte?
     Mande imediatamente uma carta ao Arcebispo local protestando contra esses sacrilégios e contra a difusão de heresais de Boff.
     Caso o Arcebispo não tome nenhuma medida, escreva ao Núncio Apostólico no Brasil, endereçando a carta — e-mail -  para Dom Lorenzo Baldissieri, Nunciatura Apostólica em Brasília [nunapost@solar.com.br].
     Mande também uma carta para a Congregação do Culto Divino, carta endereçada ao Cardeal Arinze [cultdiv@ccdds.va] e melhor ainda, ao Secretário Monsenhor Albert Malcom Ranjith Patabendige Dom.
     Conte tudo em detalhes, pedindo a intervenção de Roma contra o padre responsável por esses sacrilégios e heresias.
 
In Corde Jesu, semper,
Orlando Fedeli

TAGS

Para comentar esta publicação

O site Montfort não permite a inclusão de comentarios diretamente em suas publicacões.

Para enviar comentários, sanar dúvidas, obter informações, ou entrar em debate conosco, envie-nos sua carta.

Saiba mais