Montfort Associação Cultural

22 de dezembro de 2004

Download PDF

Reza ou Oração Espontânea?

  • Consulente: Flávio Silva Florencio
  • Idade: 26
  • Localizaçao: Colatina – ES – Brasil
  • Escolaridade: Superior concluído
  • Profissão: Programador

Olá,

Sou Protestante e escrevo pela segunda vez ao site Monfort.
Primeiro gostaria de parabenizar pelo espaço que tem sido usado com democracia.
Gosto de pesquisar sobre as doutrinas de várias religiões alimentando debates em questões polemicas para reafirmar nossa fé em Cristo.

A questão que quero levantar é a das Rezas praticadas pelos católicos.

O evantelho segundo Mateus diz o seguinte:

“E, quando orardes, não sejais como os hipócritas; pois gostam de orar em pé nas sinagogas, e às esquinas das ruas, para serem vistos pelos homens. Em verdade vos digo que já receberam a sua recompensa. Mas tu, quando orares, entra no teu quarto e, fechando a porta, ora a teu Pai que está em secreto; e teu Pai, que vê em secreto, te recompensará. E, orando, não useis de vãs repetições, como os gentios; porque pensam que pelo seu muito falar serão ouvidos. Não vos assemelheis, pois, a eles; porque vosso Pai sabe o que vos é necessário, antes de vós lho pedirdes.” Cap 6:5-8.

(como sabem, estes versículos antecede à oração do Pai Nosso.)

Podemos verificar nestes versículos pelomenos três orientações do próprio cristo quanto à oração.

1 – Não devem ser feitas para auto-promoção.
2 – Elas devem ser dirigidas ao Pai.
3 – Não devemos usar de vãs repetições (isto é um costume pagão).

Nos meus questionamentos vou me ater ao terceiro ponto.

A igreja católica incentiva a prática da Reza que consiste na repetição de orações, tendo como instrumento de controle o terço.

Como a Igreja Católica entende os versículos acima admitindo o fato da prática da reza? Não seria mais eficazes orações expontâneas?
Existe algum problema do ponto de vista doutrinário com orações expontâneas?
Quando questiono alguns colegas quanto a isto eles não tem resposta e “desconversam”. Não seria conveniente adicionar ao catecismo questões como esta?

Me despeço agradecendo pela oportunidade concedida pelo site.

Em cristo.

><)))º>

Muito prezado Flávio, salve Maria, “mãe do meu Senhor”!

É a própria Bíblia que ensina a prática de repetir as orações:

“[Cristo] Foi ter então com os discípulos e os encontrou dormindo. E disse a Pedro: Então não pudestes vigiar uma hora comigo… Vigiai e orai para que não entreis em tentação. (…). Afastou-se pela segunda vez e orou, dizendo: Meu Pai, se não é possível que este cálice passe sem que eu o beba, faça-se a tua vontade! Voltou ainda e os encontrou novamente dormindo, (…). Deixou-os e foi orar pela terceira vez, dizendo as mesmas palavras. “ (Mateus, 26, 40-44).

Cristo repetiu as mesmas palavras, repetiu a mesma oração! Por que não devemos imitar Cristo?

E o Pai Nosso também é uma oração ensinada diretamente por Cristo, e que ao recitá-la devemos … repetir as mesmas – e santas – palavras!

Portanto, a Igreja sempre ensinou que é salutar e ortodoxo se rezar como nos ensinou Jesus e como nos ensina a Igreja.

Claro que não é proibido aos fiéis orar espontâneamente, mas prefere-se rezar de maneira tradicional porque:

1 – A repetição de uma oração auxilia aos fiéis a meditar melhor os mistérios da Fé.

2 – Induz nos fiéis o sentido de sagrado.

3 – Podem ser memorizadas pelas pessoas mais simples, iletradas, ou as que têm dificuldades em se expressar naturalmente.

A oração espontânea, tem como perigo:

1 - Se for em voz alta e em grupo, ter o efeito pernicioso de envaidecer aqueles que a praticam com maestria.

2 – Facilmente, se a pessoa não tiver a fé bem consolidada, pode-se proferir orações sem ortodoxia contrariando a doutrina.

3 – A pessoa pode se perder em divagações vazias.

Esperando tê-lo respondido, me despeço desejando-lhe um santo Natal.

Em Jesus, Maria e José,

Paulo Pedrosa

TAGS

Para comentar esta publicação

O site Montfort não permite a inclusão de comentarios diretamente em suas publicacões.

Para enviar comentários, sanar dúvidas, obter informações, ou entrar em debate conosco, envie-nos sua carta.

Saiba mais