Montfort Associação Cultural

8 de outubro de 2004

Download PDF

René Guénon: referências bibliográficas

  • Consulente: Júlio César
  • Localizaçao: – Brasil

Prezado sr Orlando Fedeli

Gostaria de saber em que o sr. se baseia para afirmar que Rene Guenon usava narcóticos, informação significativa que mudaria muito a imagem que se tem deste autor.
Muito obrigado
Júlio César

Prezado Júlio César, salve Maria.

O fato de René Guénon tomar tóxicos “como ajuda para a contemplação” não é pior do que sua adesão à Gnose. Ele foi “Bispo” gnóstico, e depois tornou-se oficialmente maometano, adotando o nome de Sheik Abdel Wahed Yahia, seguindo a gnose soufi.

Ademais sempre foi maçon de linha mística, sendo seus ataques à Maçonaria apenas contra a maçonaria racionalista.

É claro que o fato de ele usar tóxicos, torna mais claro a que ponto sua alma estava dominada pelo mal. Mas isto era o resultado lógico de sua apostasia.

Todos esses dados você poderá encontrar no artigo do Padre Curzio Nitoglia, que se baseou na obra de M.F James, Esoterismo y Cristianismo alrededor de René Guénon, Nuevas Ediciones Latinas, Paris, 1981.

O padre Nitoglia cita ainda várias outras obras e artigos sobre René Guénon, como P. Chacornac La vida siples de René Guénon; A. Baggio, René Guénon y el Cristianismo; N. Maurice Denis Boulet, El esoterismo de René Guénon; P. Serrant, René Guénon, vida y obra de un gran iniciado, Convívio Firenze 1990 etc.
(Citei os títulos em castelhano porque assim estão na versão castelhana do artigo do Padre Nitoglia)

Infelizmente, a atual onda de esoterismo e pseudo misticismo tem levado muitos católicos, a serem atraídos por esse péssimo autor, enganados por suas críticas ao racionalismo e ao ateísmo. E — muito pior — certos padres sem grande formação, e que se dizem tradicionalistas, se omitem de criticá-lo.

In Corde Jesu, semper,

Orlando Fedeli

TAGS

Para comentar esta publicação

O site Montfort não permite a inclusão de comentarios diretamente em suas publicacões.

Para enviar comentários, sanar dúvidas, obter informações, ou entrar em debate conosco, envie-nos sua carta.

Saiba mais