Montfort Associação Cultural

30 de julho de 2007

Download PDF

Relato de conversão

Autor: Orlando Fedeli

  • Consulente: Maria
  • Localizaçao: Salvador – BA – Brasil
  • Religião: Católica

PROFESSOR ORLANDO FEDELI
     Esta carta é mais um desabafo. 
     Sempre fui católica, do tempo da antiga Missa e do antigo Missal. Fiz Primeira Comunhão e tive excelente catequese. Isto foi em 1962. Em 1973 participei do Cursilho da Cristandade e fiz parte de um grupo de jovens. As missas já eram diferentes, em portugues, as meninas iam cheias de jóias e ficavam cantando no altar. É de se supor que se olhasse mais para elas do que para a própria missa. As músicas eram bem animadas, diferentes das que eu tanto gostava no tempo em que estudava no colégio das sacramentinas.. Nós não cantávamos mais os salmos, se rezava pouco. Os assuntos tratados nas reuniões do grupo não eram profundos (até que tentavam). 
     Infelizmente aconteceu um fato desagradável que, afora minha mãe e minhas filhas (e só depois de adultas) ninguém sabe. Um padre tentou me beijar. Por não me julgue, como outros com certeza o fariam, pois eu o tinha em conta de grande amigo e era meu confessor, inclusive era um idoso. Ele me pediu desculpas, ficou o constrangimento e eu me afastei da igreja. daquela e de todas as outras.Passei a temer os padres (será que eu era um bruxa e não sabia? sinceramente, não creio nisto).      
     Como moro em Salvador e aqui é o reino do candomblé, das ledoras de sorte e afins, comecei a me utilizar dessas pessoas para resolver meus problemas espirituais. Envolvi-me completamente com esta escória. Quanta mentira dizem, parece que o próprio inimigo fala por eles . 
     Casei-me em 1982 e tive duas filhas, que coloquei no colégio dos jesuítas. Afinal queria que elas fossem cristãs inocentes como eu mesma fui na infância e adolescência. Mas eu não dava o exemplo, pois não era firme na fé, não frequentava a Santa Missa, os Sacramentos. 
     Eu errei. 
     Quanta mentira dizia o tal do tarot, que crime essas pessoas praticam contra quem as procura. 
     Estava insatisfeita na casamento e me disseram que arrumaria excelente marido se me separasse. Afinal, que mal faria? Pois foi grande o mal. Passei a ter uma vida difícil, trabalhando fora, aliás isso eu sempre fiz, não tinha tempo para as meninas.Eu passei a frequentar a tal da Nova Era, outra coisa famigerada, verdadeira obra do inimigo, hoje eu sei. 
     Minha vida começou a andar para tras. Financeiramente, perdi até o apartamento , hoje moro de aluguel, administro dívidas, mas tenho fé em Jesus que vou me sair. Como foi acontecer isto comigo que sempre fui contralada e ajuizada nas despesas? passei a sofrer de depressão. 
     Moro hoje com meus pais, que estão velhos, minha mãe sofre de mal de Alzheimer. Procurei Jesus desesperadamente. Chorava e chmava por Ele toda noite, onde está o meu único Amigo? 
     Frequentei a RCC, mas não gosto das músicas, são muito animadas para a Igreja. Prefiro o canto gregoriano, que me emociona e me ajuda a rezar. Ah, que saudades da festa de N. Sra. do Carmo, com a ladainha em latim, eu pequena, recitava tudo, hoje não lembro de quase nada.
     Minhas filhas frequentaram o tarot e a mais moça, que mora comigo, já descobriu a farsa. Eu contei meu exemplo a elas, para que não o seguissem. A minha filha mais velha, contudo fez trabalho em candomblé, só serviu para gastar, não adiantou nada. Mas ela é teimosa. Não ´´e por falta de aviso.
     No tempo em que frequentei esses lugares , passaram-se fatos estranhos. As pessoas que recebiam diziam que queriam me matar, isto aconteceu quando eu era jovem. Já adulta, provoquei um constrangimento a um deles, ao lhe perguntar se o trabalho que faria era com Jesus. o sujeito ficou sem graça, deu um risinho e disse que não trabalhava com Jesus. 
     Frequentei por uns meses o espiritismo, nada me ajudou, tudo é anti cristão. 
     Quando me confessei, depois de mais de duas décadas sem um sacramento sequer, contei todas estas faltas que cometi. 
     Deus foi sempre muito bom comigo, agora entendo o Seu Amor. Jesus é meu único Amigo. Nossa Senhora é a minha mãe. 
     Hoje já rezo o terço, vou a Missa, minha filha mais moça vai comigo, toda noite rezamos, eu rezo de dia e de noite. Minha fé ainda é fraca, sinto preguiça de rezar para valer. Se não fosse minha filha acho que nem teria conseguido ir á Missa aos domingos. Será que esta preguiça que sinto é obra do mal? já me disseram que sim. 
     Mas o que mais desejo é salvar minha alma e a daqueles que estão próximos de mim. 
     Foi com grande alegria que encontrei o site do Monfort. 
     Também amo o papa Bento XVI, um dia numa livraria católica eu o elogiei e a vendedora me disse que eu era a primeira pessoa que ela via fazer isto. Sabe porque o amo? porque ele é corajoso, enfrenta as dificuldades, não quer agradar a gregos e troianos. Afinal, é o papa do meu retorno à casa paterna. Deus o escolheu no momento, só poderia ser alguém assim. 
     O caminho é longo, mas estou disposta a caminhar. 
     Continue nos orientando com o seu site, que é ótimo, esclarecedor, muito consolador também. Sou grata ao senhor, Prof. Orlando Fedeli. 
     Deus vai nos revelando as verdades aos poucos. Temos que garimpar.
A admiradora Maria.

Muito prezada Dona Maria,
Salve Maria.
 
    A história de sua conversão é impressionante pois demonstra como Nosso Senhor procura a ovelha tresmalhada e a coloca em seus divinos ombros.
    Que Nossa Senhora do Carmo a guarde de todos os embustes e ciladas do demônio.
    A senhora faz bem em rezar o terço todos os dias. Seja fiel a essa devoção. Reze o terço pedindo fé e amor a Deus. Reze por suas filhas. Tenha confiança em Nossa Mãe do Céu, a sempre Virgem Maria, que é bondosíssima e mãe carinhosa. Coloque-se sob sua guarda e proteção. Diga a Nossa Senhora sempre: Posuit me custodem (Eu Te coloco como minha guardiã). 
    Caso lhe seja possível, compre o livro de São Luis de Montfort, Tratado da Verdadeira Devoção à Santíssima Virgem. É um livrinho pequeno e barato, mas é um tesouro. Leia-o com atenção, que ele lhe fará bem.
    Envio-lhe a Ladainha de Nossa Senhora.
    Escreva-me sempre. 
    Vou pedir a um amigo e aluno meu de Salvador que lhe indique o local em que haverá logo mais a Missa de sempre.

In Corde Jesu, semper,
Orlando Fedeli

TAGS

Publicações relacionadas

Cartas: Agradecimentos - Ivone Fedeli

Cartas: Sobre a carta Rock n Roll, Idade Média, nazismo e socialismo - Orlando Fedeli

Cartas: Salvo da heresia protestante pelo apostolado do site Montfort - Orlando Fedeli

Para comentar esta publicação

O site Montfort não permite a inclusão de comentarios diretamente em suas publicacões.

Para enviar comentários, sanar dúvidas, obter informações, ou entrar em debate conosco, envie-nos sua carta.

Saiba mais