Montfort Associação Cultural

28 de janeiro de 2005

Download PDF

Relação entre a Fé e as riquezas materiais

Autor: Orlando Fedeli

  • Consulente: Gilberto Leite da Silva
  • Idade: 43
  • Localizaçao: Fortaleza – CE – Brasil
  • Escolaridade: Superior incompleto
  • Profissão: Funcionário Público Federal
  • Religião: Católica

Caro Profº. Fedeli

É uma honra poder dirigir-me a alguém tão esclarecido e que têm conseguido tirar o véu da dúvida, com tanta lucidez concernentes a religião e outros temas tão polêmicos e de suma importância para o desenvolvimento espiritual e moral de nossa sociedade.
Confesso que diante de tantas “opções” de religiões que são “ofertadas ao consumidor” e que prometem tudo, vejo-me questionando e buscando nas diversas fontes onde o conhecimento humano produziu sistemas religiosos, o porquê que justifique a coincidência que observa-se na maioria das culturas antigas, tão distantes geograficamente umas das outras (Egipcia, Inca, Azteca, Hindu) terem trilhado caminhos tão distintos e chegado a mesma conclusão no que diz respeito aos temas, como disse anteriormente, polêmicos e que são motivos de discussão ainda hoje, como reencarnação, deuses, etc…e a produção de tais pensamentos e sistemas religiosos oriundos dessas culturas tão diversas são coincidentemente ou não de cunho gnóstico. E ao observamos países como o Japão onde as variantes de seitas e religiões predominantes também são gnósticas, vemos que a sociedade japonesa atingiu um nível de desenvolvimento tecnológico e cultural que nos faz pensar na verdade cristã, pois seria lógico que nações que detivessem a verdade, pudessem ter também as benesses de uma vida mais justa e feliz, que servissem de modelo para outros povos e fica claro que isto não ocorre. Sei que em vosso site esses temas já foram bastantes comentados e discutidos, e diga-se de passagem com a maestria de argumentação que envolve e nos deixa viciados em visitá-los sempre que possível e beber nesta fonte quase inesgotável de sabedoria. Permita-me divagar sobre a Sagrada Igreja de Jesus e dividir com o Sr. tais pensamentos, não seria a Igreja Católica detentora de algum conhecimento que ainda não pode ser revelado ? A Bíblia Sagrada é a única fonte de conhecimento e lá esta contido tudo que devemos saber sobre Deus e nossa existência? De nada adiantou o desenvolvimento das culturas Orientais forjadas a milênios, cuja a orientação foi toda gnóstica ?
Certos de sua resposta agradeço antecipadamente

Muito prezado Gilberto,
salve Maria!
 
Muito lhe fico agradecido por suas bondosas palavras que, sendo inspiradas pela estima, certamente caem em exagero.
Deus lhe pague.
   
A doutrina católica nada tem de secreto, pois que Nosso Senhor Jesus Cristo mandou a seus Apóstolos: “Ide e ensinai a todos. Logo, tudo que Cristo ensinou deve ser ensinado a todos. Ele mandou ainda que se gritassem sobre os telhados o que Ele ensinara somente aos ouvidos dos Apóstolos.
 
A doutrina Católica tem duas fontes: a Sagrada Escritura e a Tradição. Ambas inspiradas e conservadas infalivelmente por Deus.    
Não é necessário que um povo católico tenha grande riqueza material. Cristo nasceu e viveu pobre. Nós não vivemos para este mundo, mas sim para o céu. Lembre-se que foi o demônio que ofereceu a Cristo Jesus, quando o tentou no deserto, o domínio de todos os reinos da terra, e Jesus o recusou.
 
Não devemos buscar as riquezas deste mundo. Foi o que Nosso Senhor nos ensinou nos Evangelhos.
 
Muitas vezes as riquezas são dadas aos maus, porque Deus, vendo que não poderá recompensar algum bem que eles fazem, com o céu, é obrigado a recompensá-los com riquezas nesta terra, riquezas que passam. Enquanto Jesus nos disse que buscássemos  entesourar tesouros de boas obras, no céu.
 
In Corde Jesu, semper,
Orlando Fedeli

TAGS

Publicações relacionadas

Cartas: Coroinhas e acólitos - Orlando Fedeli

Cartas: Cega defesa de Cuba - Orlando Fedeli

Oração e Vida Espiritual: Quarto Domingo da Quaresma – Domingo Laetare

Para comentar esta publicação

O site Montfort não permite a inclusão de comentarios diretamente em suas publicacões.

Para enviar comentários, sanar dúvidas, obter informações, ou entrar em debate conosco, envie-nos sua carta.

Saiba mais