Montfort Associação Cultural

25 de novembro de 2004

Download PDF

Processo de canonização dos santos

Autor: Orlando Fedeli

  • Consulente: P.
  • Idade: 13
  • Localizaçao: Recife – PE – Brasil
  • Escolaridade: 1.o grau em andamento

Prezado Orlando (que Deus lhe abençoe por seu esforço em defender o Seu nome e a verdadeira Igreja)

Gostaria de saber como surgiu a tradição da Igreja de canonizar as pessoas que realizaram milagres comprovados em inquérito, e; É a fé em Jesus Cristo que santifica o homem ou são os milagres que ele realiza?

Prezado Túlio, salve Maria!

Inicialmente, os cristãos veneravam os mártires que morriam na arena.

Eles eram sepultados nas catacumbas de Roma, e cultuados como santos por sua morte heróica, testemunhando a divindade de Cristo. Suas relíquias realizavam inúmeros milagres. Daí, sua proclamação como santos.

Este costume continuou por muitos séculos.

Depois, pelo século XI, para evitar abusos, a Igreja começou a instituir um processo a fim de examinar a vida e os escritos (a doutrina) daqueles que a opinião geral chamava de santos. Começou assim o chamado Processo de Canonização, que se tornou um instrumento jurídico dos mais perfeitos jamais realizados.

O Processo de Canonização começava pelo chamado processo de NÃO-CULTO.

Por esse processo, primeiro verificava-se se o candidato à canonização como santo fora cultado sem licença da Igreja. Isso era muito importante, porque impedia que interesses familiares ou de grupos, por meio de propaganda , impingissem à Igreja um pseudo santo.

Isso não é tão incomum, mesmo em nossos dias. Por exemplo, é o que a tfp e os chamados Arautos fizeram e fazem com o culto a Plínio Corrêa de Oliveira e à mãe dele.

A seguir, o processo, numa segunda fase, examinava os escritos e palavras da pessoa que se pretendia canonizar. Havendo qualquer coisa contra a Fé, o processo era encerrado. Foi o que aconteceu com o processo da pseudo vidente Anna Katharina Emmerick e com Maria de Ágreda, cujos relatos contém inúmeros erros e heresias.

Depois, havia o processo sobre as virtudes, no qual se examinavam os dez últimos anos de vida do candidato a santo. Tendo havido um só pecado mortal nesse período de vida, o processo era encerrado negativamente.

Finalmente, eram necessários milagres alcançados através do candidato a ser canonizado. Esses milagres deveriam ter sido realizados após a morte do santo, para provar que ele estava realmente unido a Deus. Milagres realizados durante a sua vida não valeriam para a canonização, pois que o dom dos milagres poderia ser apenas um carisma, e não fruto da união com Deus..

Atualmente, todo esse processo rigoroso foi abolido, e substituído por uma biografia positiva do candidato a santo. Não se examinam senão os escritos impressos do candidato. O processo de NÃO CULTO se limita a uma inspeção de visu do Bispo. De Visu pode ser traduzida como inspeção ocular, a olho.

Também o número e grandeza dos milagres diminuiu. Não há mais um acusador — o chamado advogado do diabo– e o defensor da causa. Isto significa que se eliminou o contraditório, que era uma garantia da intenção papal de não errar ao proclamar um santo. O resultado dessas simplificações foi a enxurrada de canonizações e beatificações dos últimos anos.

in Corde Jesu, semper,
Orlando Fedeli

 

TAGS

Publicações relacionadas

Cartas: Padrinhos de Crisma

Oração e Vida Espiritual: Segundo Domingo após a Páscoa: Domingo do Bom Pastor

Cartas: Como se forma o caráter do homem? - Orlando Fedeli

Para comentar esta publicação

O site Montfort não permite a inclusão de comentarios diretamente em suas publicacões.

Para enviar comentários, sanar dúvidas, obter informações, ou entrar em debate conosco, envie-nos sua carta.

Saiba mais